“Isso vai dar merda com Michel” liga Cunha e Temer a Joesley já em 2012

A certeza é que Temer participava ativamente da distribuição dos “convites” da JBS e sempre queria ficar com a maior parte deles; a dúvida é por que Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves estão presos e ele solto, se ele tem, em liberdade, muito mais instrumentos do que eles para obstruir as investigações, o que, aliás, está fazendo e a constituição brasileira afirma que todos são iguais perante a lei, diz o colunista Alex Solnik; Temer deve ser atingido, em breve, pelas delações de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro

cunha, funaro, joesley
cunha, funaro, joesley (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A frase com que Eduardo Cunha respondeu à afirmação de Henrique Eduardo Alves de que Joesley daria dois “convites” para São Paulo e um para o Rio Grande do Norte – “isso vai dar merda com Michel” – encontrada em seu celular pelos agentes da Polícia Federal confirma que transações entre o dono da JBS e o então presidente do PMDB e atual do Brasil eram comuns, frequentes, secretas (senão, por que usar o termo “convites” em vez de “contribuição ao PMDB”. Por que usar linguagem cifrada?). já aconteciam em 2012 e confirma tudo o que Joesley disse a respeito do apetite de Temer em relação a “convites” que certamente não eram para o Rock’n Rio nem para o camarote da Brahma nem para o seu casamento.

   Eles são muito burros. Não deveriam falar em “convites” se Joesley não promove shows. Da próxima vez é melhor usar “bife” ou “filé” ou “picanha” para disfarçar.

   Divulgada dois dias depois da mais corrupta votação da Câmara dos Deputados dos últimos tempos, a frase dá uma pálida ideia do linguajar empregado pelos membros da cúpula do PMDB e pode ser tanto a mais apropriada para resumir a sua curta e nefasta administração como ser inscrita em sua lápide como definição do lado impublicável da sua longa vida pública, quando ele se for.

   A continuação da conversa revela a preocupação de Cunha em não contrariar Temer. Ele propõe ao interlocutor outra solução, sem mexer com os “convites” de São Paulo.

   Se faltava alguma prova de que Temer não é Madre Teresa de Calcutá agora não falta mais nada, embora isso não vá alterar um milímetro o resultado de quarta-feira, ainda que obtido no tapetão, com cenas de corrupção explícita no recinto da votação.

   Como se sabe, o STF não entra em bola dividida.

   A troca de mensagens gera uma certeza e uma dúvida.

   A certeza é que Temer participava ativamente da distribuição dos “convites” da JBS e sempre queria ficar com a maior parte deles; a dúvida é por que Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves estão presos e ele solto, se ele tem, em liberdade, muito mais instrumentos do que eles para obstruir as investigações, o que, aliás, está fazendo e a constituição brasileira afirma que todos são iguais perante a lei.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247