Jejum de Bolsonaro foi contra Mandetta

"Não há dúvida de que o presidente vai tentar de todas as formas boicotar o trabalho do ministro da Saúde. E os ataques e as humilhações só tendem a crescer para forçá-lo a se demitir", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro
Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro (Foto: PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

“A hora dele não chegou ainda, não... vai chegar a hora dele”.

Parecia uma fala ameaçadora de Zeca Diabo, o pistoleiro do prefeito Odorico Paraguaçu, de “O Bem-Amado”, que eu tinha assistido alguns minutos antes, mas foi o que o presidente Bolsonaro disse a um grupo de evangélicos, dentre os quais seu “irmão”, o deputado conhecido por Hélio Negão e o ministro Luiz Eduardo Ramos, ontem à tarde, nos jardins do Palácio da Alvorada.

Tudo filmado e devidamente disseminado.

“Tem algumas pessoas no meu governo... algo subiu na cabeça deles... estão se achando... eram pessoas normais, mas, de repente... viraram estrela... e... falam pelos cotovelos... tem provocações...”, disse também, sem que alguém tivesse perguntado, com cara de poucos amigos.

Bolsonaro encerrou seu monólogo sem papas na língua:

“A minha caneta funciona... não tenho medo de usar minha caneta... e ela vai ser usada para o bem do Brasil”.     

Eles estavam em meio ao jejum nacional contra o coronavírus, proposta surreal do presidente para acabar com a maior epidemia dos últimos 100 anos, digna do tresloucado prefeito de Dias Gomes vivido por Paulo Gracindo, razão pela qual não há dúvida a respeito de para quem era o recado.   

Suas palavras foram acompanhadas por muitos “améns”.

Ou seja: o jejum era contra o vírus e contra o ministro Mandetta.

Para completar, um tuíte obsceno de Olavo de Carvalho, digno de banheiro de secundaristas, proclamava, também no domingo: “Fora, dr. Punhetta”.

Não há dúvida de que o presidente vai tentar de todas as formas boicotar o trabalho do ministro da Saúde.

E os ataques e as humilhações só tendem a crescer para forçá-lo a se demitir. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email