Joaquim Barbosa em pré-campanha?

A cada dia, a cada gesto ou fala, fica mais claro que o presidente do STF elegeu Dirceu seu bibelô. Será o personagem central de sua propaganda eleitoral caso seja realmente candidato

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou decisões monocráticas de Ricardo Lewandowski. Uma delas foi a decisão de que a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal analisasse o pedido de trabalho de José Dirceu. Os atos de Barbosa contradizem com o artigo 317 do regimento interno do STF.
 
Consta nesse artigo que decisões monocráticas só podem ser revogadas nos fóruns colegiados. Plenário ou turmas do STF. A não ser que o autor da decisão concorde com sua revogação. Barbosa agiu com sua, já conhecida, suprema arrogância.
 
Diz o parágrafo segundo do referido artigo que “o agravo regimental será protocolado e, sem qualquer outra formalidade, submetido ao prolator do despacho, que poderá reconsiderar o seu ato ou submeter o agravo ao julgamento do Plenário ou da Turma, a quem caiba a competência, computando-se também o seu voto”.
 
A cada dia, a cada gesto ou fala, fica mais claro que o presidente do STF elegeu Dirceu seu bibelô. Será o personagem central de sua propaganda eleitoral caso seja realmente candidato. Ainda por cima não é nada de extraordinário que esteja forçando a barra para seu impedimento. “Fui expulso do STF por agir na moralização do país!”, seria a tônica de sua campanha.
 
E se, o que muito provavelmente acontecerá, o Senado nada fizer diante das discrepâncias de Joaquim Barbosa no STF, valerá o “ninguém tem coragem de me enfrentar”. Ou “perseguido” ou “herói”, essas seriam suas marcas como candidato.
 
É para se pensar se caso ele fosse eleito presidente do Brasil se não mandaria fechar o Congresso Nacional e o Judiciário. Se saiu de sua boca a afirmação de que “a Constituição é o que o Supremo diz que é”, por que não poderia sair da boca do Presidente da República Joaquim Barbosa “o Estado, e seus poderes, sou eu”?
 
Por mais que suas atitudes causem certa revolta, seja pelo comportamento enquanto magistrado, seja em relação ao tratamento dado aos petistas réus na Ação Penal 470, é bom ter cautela ao lidar com ele. Não se sabe ao certo o que se passa em sua mente, digamos assim, complexa.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247