Joaquim Barbosa em pré-campanha?

A cada dia, a cada gesto ou fala, fica mais claro que o presidente do STF elegeu Dirceu seu bibelô. Será o personagem central de sua propaganda eleitoral caso seja realmente candidato



Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou decisões monocráticas de Ricardo Lewandowski. Uma delas foi a decisão de que a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal analisasse o pedido de trabalho de José Dirceu. Os atos de Barbosa contradizem com o artigo 317 do regimento interno do STF.
 
Consta nesse artigo que decisões monocráticas só podem ser revogadas nos fóruns colegiados. Plenário ou turmas do STF. A não ser que o autor da decisão concorde com sua revogação. Barbosa agiu com sua, já conhecida, suprema arrogância.
 
Diz o parágrafo segundo do referido artigo que “o agravo regimental será protocolado e, sem qualquer outra formalidade, submetido ao prolator do despacho, que poderá reconsiderar o seu ato ou submeter o agravo ao julgamento do Plenário ou da Turma, a quem caiba a competência, computando-se também o seu voto”.
 
A cada dia, a cada gesto ou fala, fica mais claro que o presidente do STF elegeu Dirceu seu bibelô. Será o personagem central de sua propaganda eleitoral caso seja realmente candidato. Ainda por cima não é nada de extraordinário que esteja forçando a barra para seu impedimento. “Fui expulso do STF por agir na moralização do país!”, seria a tônica de sua campanha.
 
E se, o que muito provavelmente acontecerá, o Senado nada fizer diante das discrepâncias de Joaquim Barbosa no STF, valerá o “ninguém tem coragem de me enfrentar”. Ou “perseguido” ou “herói”, essas seriam suas marcas como candidato.
 
É para se pensar se caso ele fosse eleito presidente do Brasil se não mandaria fechar o Congresso Nacional e o Judiciário. Se saiu de sua boca a afirmação de que “a Constituição é o que o Supremo diz que é”, por que não poderia sair da boca do Presidente da República Joaquim Barbosa “o Estado, e seus poderes, sou eu”?
 
Por mais que suas atitudes causem certa revolta, seja pelo comportamento enquanto magistrado, seja em relação ao tratamento dado aos petistas réus na Ação Penal 470, é bom ter cautela ao lidar com ele. Não se sabe ao certo o que se passa em sua mente, digamos assim, complexa.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email