Kelmon, o "padre de festa junina", apresentou ao TSE diploma de teologia com indício de falsidade

Em razão da suspeita de fraude, o tribunal obrigou o padre a fazer prova de alfabetização, como Tiririca, alguns anos atrás

www.brasil247.com - Padre Kelmon
Padre Kelmon (Foto: Reprodução/TV Globo)


No debate da Globo, a candidata a presidente pelo União Brasil Soraya Tronicke expôs o que muita gente sensata desconfia: a de que o seu concorrente Kelmon Luís da Silva Souza, do PTB, seja uma grande farsa. “O senhor não fez extrema unção porque é um padre de festa junina”, disse.

Ela não foi a primeira pessoa a suspeitar que o padre cometa fraude, a começar pela formação teológica que afirma ter. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não aceitou os diplomas de bacharel em teologia e de licenciatura em filosofia que ele apresentou como prova de alfabetização.

Emitidos por um tal Mosteiro São Basílio e São Tomé, com brasão da República do Brasil e selo de uma tal Iglesia Católica Apostólica Ortoxa del Perú, os diplomas "não contêm indicativo de registro no âmbito do sistema federal de ensino”, conforme anotou o Ministério Público Eleitoral. 

Em razão disso, a exemplo do candidato Tiririca, alguns anos atrás, o padre Kelmon foi obrigado a se submeter a uma prova de alfabetização. Segundo documento juntado em seu processo de registro de candidatura, no dia 22 de agosto deste ano ele escreveu, de próprio punho:

“Declaro para fins de registro de candidatura que sou alfabetizado e cursei filosofia e teologia”.

A prova teria sido feita na presença da servidora Noeli Menezes Nogueira, no Tribunal Regional Eleitoral, em Campo Grande, o que, por si, gera estranheza.

O padre Kelmon mora em Salvador e, desde que se candidatou, usa como endereço profissional a sede do PTB em Brasília. 

Se o local da prova de alfabetização fosse Cuiabá, aumentaria a desconfiança, já que a capital do Mato Grosso é o endereço da empresa de marketing para a qual a campanha do padre Kelmon destinou 97% dos recursos que obteve.

Mas, como Campo Grande é a capital do Mato Grosso do Sul, nenhum pecado relacionado à prova de alfabetização pode ser atribuído ao padre.

Seja como for, a prova de alfabetização foi juntada ao processo de registro da candidatura às 14h10 de 22 de agosto. 

A prova de alfabetização do padre Kelmon
A prova de alfabetização do padre Kelmon(Photo: Reprodução)Reprodução


No mesmo dia, às 22 horas, seus advogados juntaram uma cópia da CNH como prova de que o padre sabe ler e escrever.

Se apresentou a CNH, por que fez a prova? O ministro ministro Carlos Horbach, do TSE, aceitou a CNH como prova de alfabetização, o Ministério Público Eleitoral não se opôs e a candidatura do padre Kelmon foi deferida.

Mas, pelos documentos apresentados, o padre Kelmon não está livre de problemas. Se os diplomas não têm lastro no sistema federal de ensino nem há indicação de endereço do Mosteiro no Brasil, os documentos podem ser falsos.

Neste caso, ao declarar que possui ensino superior completo, padre Kelmon pode ter cometido crime de falsidade ideológica, previsto no artigo 299 do Código Penal.

O diploma apresentado pelo padre: sem endereço do Mosteiro e sem registro do sistema federal de ensnino
O diploma apresentado pelo padre: sem endereço do Mosteiro e sem registro do sistema federal de ensnino(Photo: Repdodução)Reprodução


O documento de identidade juntado pelo padre para registro da candidatura também chama a atenção por uma informação errada.

O RG 50.019.293-5, emitido pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, informa que ele é nascido em Salvador, Bahia.

Só que, pela certidão de nascimento, o local onde foi registrado é o cartório de Acajutiba, a cerca de 200 quilômetros da capital baiana.

Pode ter sido um descuido do servidor que fez seu RG em São Paulo, mas o mesmo erro não ocorreu em outro registro que ele possui, o da Secretaria de Segurança da Bahia: 680746625.

Ter registro de identidade em Estados diferentes não é crime, mas é uma prática incomum. 

Pode indicar que alguém esteja querendo dificultar ser localizado, sobretudo quando o local de nascimento de um documento não bate com o anterior, emitido em outro Estado.

O registro de formação universitária de Kelmon Luís da Silva Souza também chama a atenção pela inconsistência dos dados e das versões tornadas públicas, por via oblíquas.

O diploma de licenciatura em filosofia é de 20 de fevereiro de 2003 e o de bacharel em teologia, de 7 de dezembro de 2006. Apesar de supostamente terem sido emitidos com três anos de diferença, ambos apresentam as mesmas falhas.

Não têm o número do RG e ambos afirmam que é natural de Salvador, Bahia, embora, como se disse acima, sua certidão de nascimento seja de Acajutiba.

Quem assina os diplomas como diretor acadêmico do Mosteiro São Basílio e São Tomé, que funcionaria no Brasil, é Angel Ernesto Morán Vidal, cidadão peruano que já foi alvo, em seu país, de acusação feita pela imprensa de ser falso padre.

Angel Ernesto Morán Vidal, que se apresenta como arcebispo da Igreja Apostólica Ortodoxa do Peru, deu declarações esta semana para assegurar que Kelmon é, sim, padre reconhecido por sua organização.

A questão é que a organização de Angel Ernesto Morán Vidal não é reconhecida pelas igrejas ortodoxas tradicionais.

A Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia, a mais tradicional igreja ortodoxa no Brasil, informa em seu site que foi procurada em 2015 por Angel Ernesto. Ele manifestou "o desejo de ser aceito por ela como bispo juntamente com todo seu clero e comunidades no Peru”.

Mas as tratativas não prosperaram, depois que Dom Tito, arcebispo para as Igrejas Sirian Ortodoxas de Antioquia em missão no Brasil, verificou o trabalho de Angel, inclusive com visitas ao Peru.

"A Igreja no Brasil descobriu questões de ordem particular que impediam que Ángel Ernesto Morán Vidal fosse aceito como bispo e foi então ENCERRADO o acompanhamento do pedido de ingresso na Igreja por parte de Dom Tito e, consequentemente, por parte de toda Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia. Em outras palavras, apesar das visitas tanto no Peru, quanto no Brasil e na Síria, eles NÃO FORAM ACEITOS EM NENHUM MOMENTO na Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia”, informa o site da igreja.

A igreja mantém em sigilo as “questões de ordem particular” que impediram a aceitação da igreja peruana. Apesar disso, seus membros, como o padre Kelman, usam símbolos da Igreja Sirian Ortdoxa de Antioquia.

O próprio site informa que não pode fazer nada quanto a isso, já que, pela Constituição brasileira, há liberdade de credo, e, para ser reconhecida como religião, basta fazer registro em cartório. 

"O Brasil é um país laico e com liberdade religiosa, onde as pessoas podem ir a um cartório e fundar uma igreja ou uma religião como quiserem, mesmo usando termos que historicamente identificam as Igrejas tanto no ocidente quanto no oriente por séculos, como “católica” ou 'ortodoxa'. Essas comunidades, perante a lei brasileira, não são 'igrejas falsas'. Contudo, temos o dever de esclarecer que, dentro do entendimento (e do também direito que temos de entender assim) tanto das Igrejas Orientais Ortodoxas quanto da Igreja Católica Romana, essas comunidades não são canônicas, não tem comunhão, nem 'semi-comunhão', nem 'comunhão parcial', nem são filhas, primas ou sobrinhas dessas Igrejas históricas, não estão em processos de aceitação ou qualquer coisa parecida. Temos o dever de respeitá-los como cidadãos brasileiros que exercem seu direito constitucional de liberdade religiosa, mas temos, dentro do mesmo direito, o dever que esclarecer o que, para nós, é a verdade”, destaca a igreja.

Apesar disso, Angel Ernesto faz um malabarismo retórico para tentar se ligar à igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia. Em 2019, quando foi acusada pela imprensa peruana de enganar fiéis e de cobrar por sacramentos e arrecadar recursos para construção de igrejas como se fosse a Igreja Católica Romana, o líder da organização afirmou que abraçava tradição da Igreja Síria Ortodoxa de Antioquia, mas não tinha com ela nenhum laço formal ou informal.

O que parece claro é que, diferentemente da Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia, a igreja de Angel e do padre Kelmon tem uma rede internacional com atuação política de extrema direita. 

Tanto que a notícia sobre a suposta formação teológica do padre Kelson saiu em uma publicação latina de conteúdo extremista, que define a imprensa brasileira como “alinhada à esquerda”, o Panam Post.

“Padre Kelmon é de fato parte da Igreja Ortodoxa. Esta é a história dele”, diz o título do artigo, que apresenta foto de quando ele supostamente estudava no Mater Ecclesiae dos Legionários de Cristo, seminário instalado em Itapecerica da Serra, Grande São Paulo.

O Legionários em Cristo, que surgiu no México, estaria no centro de um escândalo alguns anos depois quando se descobriu que seu fundador e principal líder, Marcial Maciel Degollado, tinha abusado de adolescentes na igreja, e, bissexual, teve mulheres e seis filhos, dois dos quais também foram vítimas de seus abusos. Era viciado em morfina, crimes que admitiu perante o Vaticano.

A reportagem do Panam Post diz que Kelmon passou três anos seminário do Legendários em Itapecerica e teria se desligado sem a ordenação. Em 2003, teria entrado no Mosteiro São Brasílio e São Tomé, dando início a seu “mergulho” na igreja ortodoxa.

O problema é que a Igreja Católica Ortodoxa do Peru, supostamente mantenedora do Mosteiro São Basílio e São Tomé, nem existia nessa época. 

Além disso, a considerar verdadeiro um dos diplomas do padre Kelmon, ele teria se formado lá em 2003. Portanto, não poderia ter entrado no mosteiro nesse ano para cursar Filosofia. Ele teria que ter se matriculado pelo menos três anos antes.

A reportagem chapa branca do Panam Post informa ainda que, depois de formado pelo Mosteiro e sem ser ordenado padre, Kelmon continuou na “vida missionária”, através da associação chamada “Theotokos”, em São Paulo.

Registros na Junta Comercial mostram que, nessa época, ele criou uma empresa para fabricar jóias e bijuterias, a Jabuti, CNPJ 11.533.829/0001-76, com sede em Brasília.

Padre Kelmon pode não ter animado festa junina, como de maneira muito inteligente definiu Soraya Tronicke, mas que ele não é um padre a que se deva confessar, como disse Simone Tebet, isso está fora de dúvida.

Sua história está cheia de furos e pode esconder fatos mais sérios. Que é um laranja, como definiu Lula, é certo. Mas seria laranja apenas de Bolsonaro? 

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247