Ken Loach na esquina da história: “Você não estava aqui” (2019)

O novo filme do veterano Ken Loach, Você não estava aqui | Sorry We Missed You (2019), segue o mesmo tom de denúncia e urgência do seu longa (para cinema) anterior, Eu, Daniel Blake (2016)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O novo filme do veterano Ken Loach, Você não estava aqui | Sorry We Missed You (2019), segue o mesmo tom de denúncia e urgência do seu longa (para cinema) anterior, Eu, Daniel Blake (2016). Tanto em “Eu, Daniel…” como em “Você não…”, o diretor aponta para a as mazelas de uma sociedade britânica (Européia na verdade, e porque não, mundial) cada vez mais desigual, que vai desarticulando progressivamente sua estrutura de serviços públicos, ao passo que a economia global desacelera assustadoramente, jogando a classe trabalhadora em novos “formatos” de engajamento laboral, o que, em essência, significa uma violenta desregulamentação das leis trabalhistas, com a conseguinte e progressiva ausência de benefícios e direitos, diminuição da renda e exaustiva carga de trabalho.

Toda a precarização que vem com as promessas do discurso fácil e pouco crível do empreendedorismo, acelerado pelas novas plataformas tecnológicas, é mostrada pedagogicamente pelo filme. E, como resultado, a fragilização social da família de Ricky (Kris Hitchen), operário da construção civil que enxerga numa empresa de entregas a solução, ainda que arriscada, para a sua falta de trabalho.

Aliás, é a célula familiar e as ameaças de um mundo cada vez mais inóspito um dos grandes temas do diretor e seu roteirista de longa data, Paul Laverty, tratada em filmes como “À Procura de  Erick”, “Pão e Rosas”, dentre outros.

O olhar de Loach, aqui, está mais amargo – panfletário para alguns. Em pouquíssimos momentos do longa sentimos algum relaxamento dos personagens; na maior parte do tempo, eles correm contra o tempo – numa corrida que eles aparentemente não conseguem vencer –  sobretudo Ricky e sua esposa, Abbie (Debbie Honeywood), cuidadora de idosos “esquecidos” pelas suas respectivas famílias.

Dentro da linguagem exercida pelo diretor, o filme não se preocupa em oferecer uma elaborada proposta cinematográfica. A estética de Loach aposta numa câmera relativamente distante dos atores, em especial nas cenas abertas – todas as sequências que mostram o funcionamento do centro de distribuição e sua atividade frenética de vans, conferentes e motoristas são exemplares da cinematografia do diretor. Além disso, o uso de atores pouco conhecidos (ou mesmo amadores) confere um realismo único ao seu cinema.

Sem o bom humor presente em outros projetos, o filme expressa um certo pessimismo, que se acentua na dolorosa sequencia final.

Alguns cinéfilos acusam o cineasta de “cansativo”, autor de cinema árido de frescor e novas idéias. Outros, apontam para o seu cinema excessivamente “panfletário”…

Ken Loach tem lado, nesta esquina cada vez mais crítica e preocupante da história.

Não consigo enxergar qualidade melhor num artista…

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email