Largada eleitoral: uma análise em 9 volumes

"O PT foi inteligente: esperou as outras candidaturas golpistas errarem e se comprometerem umas com as outras. Agora, a cena ficou clara: são “eles e nós”, mais uma vez, por mais que doa a dicotomia. É a barbárie versus a civilização, a subserviência versus a soberania, o vale-tudo versus a concertação, o delírio de poder versus o projeto de nação, a democracia versus o golpe", diz o colunista Gustavo Conde, sobre a largada eleitoral para as eleições de 2018

Largada eleitoral: uma análise em 9 volumes
Largada eleitoral: uma análise em 9 volumes

Análise eleitoral Vol. 1: o lançamento da candidatura Bolsonaro pareceu uma despedida (ele até chorou). Óbvio que Bolsonaro atingiu seu teto de intenção de voto em meio à devastação cognitiva do golpe e do pré-golpe. Agora, ele desaba, até porque ele não tem absolutamente nada a dizer. Zero aliança, zero tempo de TV, zero inteligência, zero tudo.

Todo mundo sabia (todo mundo do bastidor político e do bastidor dos institutos de pesquisa) que assim que começasse a campanha, Bolsonaro ficaria no meio do caminho como o coelho que puxa o ritmo da corrida e depois deixa os corredores disputarem a prova real.

Ele não tem força, nem espiritual, nem eleitoral.

Só precisa ver para onde os votos dele vão. Vão para o centrão, claro. Mas é preciso ver se vão para Alckmin. Como tudo que organiza a mente fraca desse segmento é o anti petismo, provavelmente os bolsonaristas taparão o nariz e abraçarão o picolé.

É muita degradação, mas é o quadro.

***

Análise eleitoral Vol. 2: o centrão quer ‘destucanizar’ Alckmin (usou esse neologismo). A situação de Alckmin continua dramática. Ele saiu do isolamento, mas para adentrar a arena de leões esfomeados do centrão. É refém.

Alckmin só conseguiu o apoio do blocão porque Temer chantageou a ‘gurizada’ fisiológica de Brasília. Ameaçou tirar-lhe os cargos em seu governo, caso eles aderissem ao ‘débil mental’ do Ciro (palavras do elegante Carlos Marun, operador político de Temer).

O blocão quer fazer uma verdadeira recauchutagem em Alckmin. Tratam-no como um fantoche sem brilho (o que, de fato, ele é). ‘Destucanizar’, no entanto, é muito humilhante para o PSDB.

Não demora e as implosões internas deste que parece um partido político, mas que é apenas uma aglomerado de interesses elitistas (O PSDB), começam a pipocar. Tem ainda o Doria em São Paulo, cujo nariz cheio de botox nenhum tucano bica.

Traduzindo: a coisa começa feia para a candidatura Alckmin.

***

Análise eleitoral Vol. 3: segundo o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, Marina Silva vai sumir. Ela só tem recall. Está isolada e sem discurso. A janela de Marina já se foi (como sua reputação conquistada no primeiro governo Lula, reputação de gestora séria e comprometida com o meio ambiente).

Marina é hoje uma sombra do que foi.

***

Análise eleitoral Vol. 4: o golpe organizado em torno de Alckmin já começa a provocar deslocamentos na compreensão dos cenários por parte das candidaturas progressistas. A ideia de ‘união’ antes do segundo turno voltou a aparecer. Se todos se unem do lado de lá, a ideia de todos se unirem do lado de cá passa a ser um caminho. O enfraquecimento da candidatura Ciro Gomes nesse quadro pode ser o fiel da balança.

***

Análise eleitoral Vol. 5: Ciro Gomes ficou com a broxa na mão (e olha que ‘broxa’ para ele, deve ser uma coisa bastante difícil). Brincadeiras à parte, Ciro foi vítima dele mesmo. Frustrou uma população inteira de ciristas, que agora ficou órfã. O fato que é que Ciro tem uma chance de renascer com a esquerda. Ele deve estar neste momento refazendo as contas (ele é muito bom em contas).

Eu sempre defendi a legitimidade e o caráter estratégico da candidatura Ciro. Óbvio que, político experiente que é, ele não iria compor com Lula logo de cara. Isso é o beabá da política: tem que vender caro o apoio para não sofrer ingerência na aliança. Mas, Ciro exagerou e ele sabe disso.

O caso é que Ciro fazia parte do script eleitoral padrão de maneira muito acertada. Fortalecia sua posição para “ver o que viria depois”. Tirando sua deselegância (e a deselegância de seus apoiadores), sua truculência e seu oportunismo em não defender a liberdade de Lula, a linha de sua campanha tinha alguma consistência tática.

Agora, tudo zerou. Este escriba, no entanto, aposta na capacidade de Ciro se reinventar a toque de caixa. Se ele tiver um pouco de humildade, ele pode ser uma peça importante para erodir a aberração que é a candidatura Alckmin + Centrão (e até tirar proveito pessoal disso).

Um pouco à revelia, entendo que o Ciro volta a ser o Ciro velho de guerra e está na iminência de recompor as forças da esquerda progressista. O PDT é grande e não é só dele. É, a meu ver, a candidatura mais propensa a um ‘cavalo de pau’ político de todas existentes no cardápio.

***

 

Análise eleitoral Vol. 6: Manuela d’Ávila e o PCdo B têm demarcado desde o início da pré-campanha uma atitude assertiva e profundamente comprometida com a retomada da democracia. Manuela é muito qualificada e eleva o nível de qualquer debate.

 

Também não se pode subestimar a candidatura do PCdoB. O partido é grande, tem representatividade e tem história. Em condições normais de temperatura, pressão e incidência da luz solar, Manuela figura entre as favoritas, do ponto de vista do lastro político. Ela já atingiu 3% em algumas pesquisas e isso é praticamente o que Alckmin, o candidato do golpe, vem apresentando, a se considerar as margens de erro.

 

Manuela vai fazer a diferença nesta eleição, seja em compor uma frente (gesto que o PCdoB vem martelando há tempos), seja em seu voo solo, igualmente pleno de dignidade, legitimidade e propostas.

***

Análise eleitoral Vol.7: o operador de Temer no governo Carlos Marun vai se tornando peça-chave no cenário eleitoral, gerenciando a candidatura Alckmin e fazendo de conta que seu candidato é Meirelles. O cinismo aplicado dele tem se destacado bastante, merece nossos ‘cumprimentos’.

Fato é que a candidatura Alckmin+Centrão só existe em função de Marun. Ele articulou pessoalmente a chantagem que tirou o blocão de Ciro Gomes.

Marun já deixou claro que vai cobrar caro pelo serviço. Soltou mensagens cirúrgicas pelo WhatsApp, no grupo do MDB na câmara. Para minha surpresa, ele tem alguma inteligência. Vai costurando uma capacidade de auto sobrevivência como poucos políticos da ala fisiológica de Brasília.

O operador político de Temer começa a declarar, ele mesmo, o que ele quer para o próximo governo. Óbvio que orienta o centrão nessas declarações (e não Meirelles, uma espécie de café-com-leite naquela ceninha tosca do governo).

Marun declarou, simplesmente, que quer um tribunal acima do STF para a próxima gestão, a anistia do caixa 2 e um SUS pago. Quem no centrão não ira amá-lo após essas declarações? 

Marun é a peça do quebra-cabeça que faltava o cenário eleitoral do golpe. Teremos de ver se ele é tão resistente quanto falastrão-estrategista.

Eu lembraria Marun que ele serve ao maior traidor da história do Brasil, Michel Temer. Para Temer dar um chega-pra-lá em Marun, é só um pulinho.

***

Analise eleitoral Vol. 8: Boulos é colírio eleitoral em qualquer eleição do mundo. Raríssimamente, a história presenteia sociedades com um líder jovem, inteligente, leal e dotado de extrema força e caráter. O Brasil talvez não mereça Boulos neste momento, mas é assim que são feitos os embates e os ajustes políticos necessários para se escrever a história.

Diante de qualquer candidato deste cenário (tirando Lula, que é de outro planeta), Boulos nada de braçada no debate direto. Ele tem lastro, tem elegância, tem educação, tem formação e tem força (e tem liderança real, a mais impressionante do país, depois de Lula).

A Candidatura Boulos é fortíssima, ainda que frágil do ponto de vista das alianças e da representatividade. O ponto é que essas eleições não serão resolvidas apenas nessa lógica do passado.

O cenário eleitoral brasileiro é inédito, com espaço até para um candidato como Boulos, por alguma razão que ultrapasse as previsões conservadoras e ‘dentro da caixinha’, começar a ganhar um protagonismo tóxico para o golpe e para a mesmice partidária.

Boulos tem imenso conteúdo, coisa que quase nenhum candidato, neste momento, tem.

***

Análise eleitoral Vol. 9: finalmente, a percepção sobre a candidatura Lula e o PT. Adianto: para quem pensa que o PT dorme em serviço, que está “rachado”, “deslumbrado” ou fazendo prognósticos arriscados e delirantes, meus pêsames. O PT é o partido mais inteligente do país. Ele colegia suas decisões, discute caminhos de maneira democrática e essa é sua maior força.

O PT tem a candidatura mais forte do momento, com Lula vencendo no primeiro turno. O PT sabe que os outros partidos mais à direita estão se matando para equalizar interesses e chantagens mútuas. Isso está escancarado todos os dias nas mídias, alternativas ou não.

Com isso, o PT teve tempo para se organizar e costurar alianças que começarão a ser divulgadas no tempo certo, ou seja: daqui a pouco.

O PT foi inteligente: esperou as outras candidaturas golpistas errarem e se comprometerem umas com as outras. Agora, a cena ficou clara: são “eles e nós”, mais uma vez, por mais que doa a dicotomia. É a barbárie versus a civilização, a subserviência versus a soberania, o vale-tudo versus a concertação, o delírio de poder versus o projeto de nação, a democracia versus o golpe.

O programa de governo do PT anuncia ser um fato absolutamente novo no cenário eleitoral. É denso, é detalhista, é corajoso, é mais à esquerda ainda do que sempre foi. O texto do programa do PT foi coordenado por um intelectual que tem os pés também na luta, um quadro que revolucionou a educação no país com uma imensidão de projetos inclusivos que tiveram resultados fantásticos em pouquíssimo tempo de aplicação.

Fernando Haddad foi um desses ministros que também encantou Lula pelo volume de capacidade de trabalho e de coragem para erodir os nichos de poder estabelecidos há séculos no mundo da educação brasileira. Haddad, com sua elegância habitual, peitou interesses poderosíssimos e cravou uma nova realidade em nosso universo acadêmico, da pré-escola à pós-graduação.

É esse cidadão que coordenou a confecção do programa de governo de Lula. Por isso, é bom não subestimar a força do PT nesse início dos trabalhos eleitorais. O PT vem com tudo. Vai deixar, mais uma vez, sua marca na nossa democracia agora em coma, com seu desfibrilador discursivo e sua adrenalina popular.

A eleição, meus caros, começou.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247