Leiam Amoêdo

Não adianta fazer uma campanha moderada, não adianta fazer autocríticas, não adianta fazer concessões programáticas, não adianta elogiar tucanos e torquemadas. "Eles" não admitem nossa "existência"

Leiam Amoêdo
Leiam Amoêdo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O senhor João Amôedo assinou e o jornal Folha de S. Paulo de 21 de outubro de 2018 publicou artigo intitulado "Estamos ainda distantes do Brasil que queremos".

O artigo anuncia que, no domingo 28 de outubro, Amoêdo votará "mais uma vez contra o PT, mas, como das vezes anteriores, não é em um projeto em que acredito".

Amoêdo não explica por quais motivos ele não acredita em Bolsonaro, acerca do qual nos diz apenas que faria "um governo cujos planos e capacidade de execução desconhecemos".

Por outro lado, Amoêdo desanca o PT. Entre as críticas usuais, aparecem três afirmações que recapitulo a seguir, na mesma ordem em que aparecem no artigo supracitado:

1/ o PT "deveria ter seu registro no mínimo questionado";

2/ "ninguém que tenha um mínimo de informação e coerência pode aceitar a existência de um partido como o PT";

3/ "a saída do PT do poder de forma consistente só acontecerá com a nossa evolução como sociedade".

O roteiro está claro.

1/ Cassar o registro do PT.

2/ Proibir que o PT exista.

3/ Eliminar as condições de uma possível ressurgência do PT.

Amoêdo foi candidato à presidência da República pelo partido Novo. Recebeu 2.679.744 votos no primeiro turno. Seu patrimônio, declarado ao TSE, é de 425 milhões de reais.

Sua posição sobre o PT é a mesma de boa parte da "elite" econômica: usar Bolsonaro para "limpar as cavalariças". E depois, no futuro, produzir uma alternativa "consistente".

Acontece que "ninguém que tenha um mínimo de informação e coerência" pode desconhecer que acerca dessas coisas (eleger um fascista, cassar e caçar a esquerda), só se pode ter certeza sobre como começam. Mas ninguém pode ter certeza sobre como terminam. E geralmente não terminam nada bem.

Seja como for, os petistas e toda a esquerda precisam ter claro que este é o plano de grande parte das "elites" brasileiras.

Não adianta fazer uma campanha moderada, não adianta fazer autocríticas, não adianta fazer concessões programáticas, não adianta elogiar tucanos e torquemadas. "Eles" não admitem nossa "existência".

Mais um motivo para derrotar esta gente no dia 28 de outubro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247