Lira é mais uma vítima da “maldição de Bolsonaro”

"Apoiado por Bolsonaro para a presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira vendeu a ideia de que tinha maioria para se eleger, com os votos do centrão", avalia o jornalista Alex Solnik. "O anel, que era de vidro, se quebrou ontem, quando o PT confirmou apoio de seus 52 deputados a Baleia Rossi, colocando-o em vantagem na disputa", diz Solnik

Arthur Lira (PP-AL) blindaria Jair Bolsonaro, dizem palacianos
Arthur Lira (PP-AL) blindaria Jair Bolsonaro, dizem palacianos (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

No dia 23 de janeiro de 2019, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro tuitou, em inglês:

“Brazil recognizes Mr. Juan Guaidó as President in charge of Venezuela”.

Por que escreveu em inglês, se a sua língua é o português e a de “Mr. Juan Guaidó”, o castelhano?

Talvez para Trump ler a mensagem.

Nos meses seguintes, o tal “presidente encarregado” (?) foi caindo ladeira abaixo em razão de sucessivos fracassos, como a tentativa de invadir seu próprio país por um “comboio humanitário”.

Era, então, presidente do Congresso Nacional.

Hoje não é nada.

Em março de 2019, em visita aos Estados Unidos, Bolsonaro afirmou:

“Acredito na eleição de Trump. O povo americano que o elegeu vai repetir o voto”.

No dia 3 de novembro de 2020, as urnas apontaram Biden 306 contra 232 de Trump.

No dia 6 de junho de 2019, Bolsonaro declarou apoio a Macri nas eleições argentinas e disse:

“Só queremos que aquela velha esquerda não volte ao poder”.

Seria melhor ter ficado quieto. Quatro meses depois, “aquela velha esquerda”, representada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner derrotou Macri no primeiro turno, por 48% a 40,5%.

No dia 1o. de janeiro de 2019, o presidente do Brasil disse ao “Estadão” que preferia Lacalle Pou no segundo turno da eleição presidencial do Uruguai.

No mesmo dia, Pou rejeitou o apoio:

“Se eu fosse presidente da República e houvesse eleições no Brasil, a última coisa que eu faria seria dizer quem eu prefiro que ganhe”.

No dia 24 de novembro de 2019, Pou derrotou Daniel Martinez por 48,7% a 47,5%.

Nas recentes eleições municipais, Bolsonaro abraçou-se e dançou com Crivella, no Rio e apostou as fichas em Russomanno, em São Paulo.

Russomanno, que antes do apoio presidencial pontuava nas pesquisas, nem chegou ao segundo turno; Crivella, além de perder no segundo turno, foi preso e hoje usa tornozeleira eletrônica.

Apoiado por Bolsonaro para a presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira vendeu a ideia de que tinha maioria para se eleger, com os votos do centrão, que lidera e, em contrapartida, já negociava reluzentes ministérios.

O anel, que era de vidro, se quebrou ontem, quando o PT confirmou apoio de seus 52 deputados a Baleia Rossi, colocando-o em vantagem na disputa.

Percebendo que Lira tinha blefado, e que periga Baleia ganhar, o governo não quer mais entregar ministérios antes da eleição, a 1o de fevereiro, o que vai irritar a Lira e a seus aliados e piorar ainda mais a situação.

Como se vê, Lira é mais uma vítima da “maldição de Bolsonaro”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email