Lula: 500 dias de injustiça e dignidade

"Já foram 500 dias de injustiça, mas também 500 dias de dignidade. Ele da’ lição de caráter para todo mundo, de coerência, de espirito de luta. Lula combina o realismo coma esperança viva não somente de que ele vai sair mas também de que o Brasil vai se recuperar A vitória da oposição na Argentina fortalece ainda mais nele essa convicção", diz o colunista Emir Sader sobre a prisão política de Lula

Lula cresce mesmo sem ir a debates
Lula cresce mesmo sem ir a debates (Foto: RICARDO STUCKERT)

A hora e meia de conversa que pude ter com ele e a entrevista ao Bob Fernandes me dão ideia de corpo e alma do Lula aos 500 dias de prisão e de resistência. Ele parece o mesmo que se despediu de cada um de nós em São Bernardo, para se apresentar à PF e ser trazido à masmorra em que o encerram ilegal e injustamente desde então.

 Como ele costuma reiterar, ele está ali voluntariamente, não apenas para provar que ele é inocente, como que os bandidos, que deveriam estar presos ali, são os que o acusaram e o condenaram sem provas. Que, se ele quisesse, poderia ter saído do Brasil. Estivemos juntos em Santana do Livramento, na Caravana do Sul, cruzamos a rua para Rivera, para comer numa churrascaria uruguaia. Bastaria ele ficar por ali e não teria que pagar esses já 500 dias de prisão e isolamento.

 Mas o Lula não e’ disso. Ele faz questão de enfrentar tudo isso para provar sua inocência, que é uma forma mais de seguir os conselhos da Dona Lindu, de jamais abaixar a cabeça. De vez em quando sai nota na internet de quem quer ganhar espaço, de que o Lula vai sair agora ou em setembro, mas ele não se cansa de dizer, para quem quer escuta-lo, que só sai totalmente inocente, sem condicionante algum. Está pedindo que deixem de dizer essas coisas, que são falta de respeito com ele e sua palavra.

Na entrevista ao Bob Fernandes se pode ver o Lula de corpo e alma, depois de 500 dias e 500 noites de prisão ilegal. Se esperavam quebrar espiritualmente ao Lula, se deram muito mal. Ele está mais forte do que nunca.

Ele disse, na abertura, que se sente numa encruzilhada pela quantidade de mentiras que ja foram contadas. Ele reafirmou que não precisa de favor, precisa de justiça. Na sua audiência ao Moro, ele lhe disse que ele está condenado a condena-lo, porque disseram tantas mentiras. O Dallagnol, depois daquele power point, não teve coragem de encara-lo em nenhuma audiência. Com o apoio da Rede Globo, que não sabe mais viver sem a grade da destruição politica do Brasil.

 Ele esta aguardando que a Suprema Corte retoma a direção do poder judicial neste pais e faça justiça. Ele disse o que a Intercept está revelando, que eles mentiram a seu respeito desde o começo. Pessoas que sabem que eles estão mentindo: Deus, ele Lula, o Dallagnol e o Moro. Ele tem desfiado a quem quer que seja que haja um real na vida dele que não seja resultado do seu trabalho.

 Ele tem expectativa, depois de tudo o que está acontecendo, que a Suprema Corte faça justiça no Brasil. O que ele espera é o restabelecimento do Estado democrático de direito, em que as pessoas acreditem na Justica.

Ele tem a plena convicção de que tudo o que esta’ acontecendo em torno da Lava Jato tem o dedo dos EUA, do Departamento de Justiça. 

No dia do tal power point, que termina com a declaração de que não tinha provas, só convicções, naquele dia o Conselho Nacional do Ministério Público deveria ter pedido a exoneração dele. 

O que estão fazendo com o Brasil – a maior preocupação do Lula - é um processo de destruição moral, ética, estão jogando fora tudo o que o Brasil construiu. Estão destruindo o que dá caráter a uma nação.

Comprar o básico, que foi conseguidos pelos governos do PT, não é consumismo. Nós demonstramos que é possível montar um esquema politico que torne possível o povo ter acesso aos bens básicos que ele precisa. Consumismo e’ querer ter 10 carros, ter não sei quantas casas.

Ele reafirma que provou, com muita humildade e com o apoio do povo brasileiro, que é possível consertar o pais. Ele conversou com todo mundo, foi amigo de todos os países do mundo, não teve inimigos. Governou para todos, privilegiando os mais frágeis. 

Na entrevista o Lula demonstra como está plenamente afiado para voltar a dirigir o Brasil. Que está informado e tem plena consciência dos problemas do pais. Que enriqueceu ainda mais sua visão do mundo com o encerro e as leituras sistemáticas que ele vem desenvolvendo.

Já foram 500 dias de injustiça, mas também 500 dias de dignidade. Ele da’ lição de caráter para todo mundo, de coerência, de espirito de luta. Lula combina o realismo coma esperança viva não somente de que ele vai sair mas também de que o Brasil vai se recuperar A vitória da oposição na Argentina fortalece ainda mais nele essa convicção.

Foram 500 dias de prisão injusta, de condenação sem provas, de resistência e de exemplo para todos. Ele só sai inocente e, como ele reiterou, para seguir fazendo politica, mais do que nunca, pelo compromisso de vida que ele tem com o Brasil e com o povo brasileiro.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247