Lula, a única saída democrática possível em 2018

Em relação à corrida presidencial de 2018, a direita liberal, que comandou o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, está num “mato sem cachorro”, como diz o ditado popular. Se Lula for candidato, só conta com o fascista Bolsonaro para enfrentá-lo. Se Lula não for candidato, não tem nenhum nome que enfrente Bolsonaro

www.brasil247.com - Lula
Lula (Foto: Benedita da Silva)


Em relação à corrida presidencial de 2018, a direita liberal, que comandou o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, está num “mato sem cachorro”, como diz o ditado popular. Se Lula for candidato, só conta com o fascista Bolsonaro para enfrentá-lo. Se Lula não for candidato, não tem nenhum nome que enfrente Bolsonaro.

O colunista do Globo, Merval Pereira, já admite que o tucano Alckmin não tem condições. Por isso os alquimistas políticos das Organizações Globo continuam inventando nomes: primeiro foi Dória. Não deu certo. Agora, falam em outros possíveis candidatos, igualmente artificiais, como Luciano Huck e Henrique Meirelles. Provavelmente não devem parar por aí.

Expressando o pensamento da direita golpista, o jornalista Merval passou a defender um nome de “centro”. Isso significa que as elites conservadoras já desistiram de lançar um nome da direita liberal. O problema deles é que o centro vem sendo ocupado também pela rápida ascensão política de Lula, visto como saída democrática do atoleiro golpista. É isso o que mostra cada nova pesquisa.

Pressionados pela falta de perspectiva da política econômica do golpe, onde só quem ganha são os banqueiros e o capital estrangeiro, o centro se sente sem espaço econômico e sem motivos para continuar apoiando Temer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esses setores precisam de investimentos públicos, de bancos públicos, de política de conteúdo nacional para a indústria e de revigoramento do mercado interno, coisas detestadas pelos banqueiros e pelo capital estrangeiro, e que só vão encontrar num governo Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem puder ir além da visão oficialista da grande mídia, verá três movimentos ocultados por ela: o grande anseio popular por mudanças democráticas, manifestado nas Caravanas de Lula pelo Brasil, o deslocamento do núcleo golpista de setores do centro, os chamados “arrependidos”, e o desespero de Moro e da Lava Jato para impedir Lula de se candidatar em 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao demonstrar perda de controle do processo golpista, esse desespero da Lava Jato acaba revelando ao país que o ser verdadeiro objetivo não é o combate à corrupção, mas apenas a cassação de Lula. Isso aumenta ainda mais o apoio popular e o deslocamento do centro social e político em torno da liderança democrática de Lula.

É um processo político que já começa a crescer como uma bola de neve, especialmente quando começar, no próximo sábado, dia 11 de novembro, da vigência da chamada “reforma trabalhista”. O trabalhador logo vai ver que se trata da volta da escravidão assalariada de antes da CLT de Vargas, quando não tinha nenhum direito trabalhista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email