CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Valter Pomar avatar

Valter Pomar

Historiador e integrante da Direção Nacional do PT

212 artigos

blog

Lula e a greve nas universidades

"O governo acha que está fazendo tudo certo", escreve Valter Pomar

Imagem Thumbnail
(Foto: José Cruz/ Agência Brasil )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Lula reuniu, neste dia 10 de junho de 2024, com os reitores de Universidades e Institutos Federais.

Lula foi o último a falar e suas últimas frases foram considerações acerca da greve.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas antes de falar disso, recomendo que todos assistam à integra da cerimônia.

A cerimônia começou com o ministro Camilo Santana, falando de tudo o que o governo já fez e pretende fazer.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Depois falou a ministra Luciana Santos, na mesma linha.

Em seguida falou a Márcia Abrahão Moura, reitora da UnB e presidente da Andifes. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A reitora fez os elogios devidos ao governo, mas também disse que "o valor ainda é insuficiente" e que a reinvindicação da Andifes é de um orçamento de 8,5 bi (e não de 6,38 bi). De maneira delicada, a reitora lembrou que não vale comparar orçamentos nominais, é preciso fazer contas "considerando a inflação".

Entre outras coisas importantes que também foram ditas pela reitora, cito mais uma: seu reconhecimento de que os trabalhadores e trabalhadoras que estão em greve são "essenciais", que em alguns casos a remuneração está muito defasada, lembrou de outras categorias que tiveram tratamento diferenciado, agregando que é preciso uma solução negociada, "pacificando a situação".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Destaco esta palavra: "pacificando".

O quarto a falar foi Elias de Pádua Monteiro, presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) e reitor do Instituto Federal Goiano (IF Goiano).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Elias de Pádua falou da "escassez de recursos", da "fome" sentida por alguns estudantes, da "ausência de transporte escolar" e disse que o atual orçamento é equivalente a 2015, quando havia 60% do número de instituições atualmente existentes.

O reitor disse ainda que "suplicamos" que "avancemos nas negociações", ressaltando que a demanda é legítima e justa, agregando que "necessitamos que retornemos à normalidade" e lembrando a frase de Lula: "educação é investimento, não gasto".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Falou ainda a reitora de Pelotas, Isabela Fernandes Andrade, que destacou a situação do Rio Grande do Sul.

Na sequência voltou a falar o ministro Camilo. Pediu uma salva de palmas para professores e técnicos. E agregou, entre outras coisas, a seguinte opinião: ele não via "necessidade" de uma greve, destacando que o governo deu 9% de reposição em 2023. 

Camilo não fez nenhuma referência ao fato do governo ter dado zero reposição em 2024. Tampouco reconheceu que exista uma relação entre os anúncios positivos do governo e a existência da greve.

O ministro tentou, ainda, responder ao questionamento feito pelos reitores, acerca da diferença entre valores nominais e valores reajustados. Recomendo verem no endereço supracitado a tentativa.

Finalmente, foi o momento de Lula falar.

Lula falou de diversos temas, entre os quais destacar que "nunca antes" na história do nosso país tivemos um governo tão empenhado na educação. Ademais, afirmou que vivemos um momento extraordinário (geração de empregos, crescimento da massa salarial, PAC etc.). Destacou a importâncias das universidades particularmente neste momento. Fez uma referência, neste contexto, ao tema da Inteligência Artificial. Reconheceu ficar chateado e ser melancólico ouvir, pela imprensa, a situação de algumas universidades (citou a UFRJ) e pediu ajuda, uma vez que a elite não teria interesse na educação.

Lula falou de outros assuntos (demora na execução dos compromissos do governo, Olimpíada de matemática, chatice das aulas etc.), terminando com sua opinião sobre a greve. 

Disse (cito de memória) que greve tem hora para começar e hora para terminar; que é muito ruim as greves terminarem por inanição e com as pessoas desmoralizadas; que é preciso ter coragem para terminar com a greve; que é errado adotar a linha do "tudo ou nada"; que o conjunto da obra é positiva; que foi dirigente sindical e sabe como funciona; que é um montante não recusável; e que se a greve continua quem perde é o Brasil.

Neste momento sindical de sua fala, Lula não comentou a coincidência de ter sido publicado, no Diário Oficial, um presente dado ao sindicato que assinou o acordo do governo, furando uma fila imensa. Mais detalhes aqui:  Valter Pomar: Proifes: é dando que se recebe

Feito este relato, qual o resumo das posições de governo?

Primeiro, o governo acha que está fazendo tudo certo.

Segundo, o esforço feito pelo governo resultou numa suplementação bem menor do que as necessidades apontadas pelos reitores. 

Terceiro, o governo decidiu não fazer nenhum movimento novo em relação aos professores.

Quarto, o governo insinua que fará um movimento novo em relação aos técnicos administrativos.

Quinto, o governo considera que, ou o movimento grevista recua, ou o movimento será derrotado ("inanição", "desmoralização").

Sexto, que o governo segue repetindo informações incorretas acerca da greve (por exemplo, insinuar que a greve seria por "tudo ou nada"), num tom cujo efeito prático é provocação, não a pacificação indicada pela presidenta da Andifes.

Isto posto, duas questões 

Primeiro, governante não é assessor sindical. Que tanto o ministro quanto o presidente tenham tentado assumir este "lugar de fala" é muito revelador acerca da situação real, a saber, existe uma greve forte.

Segundo: quem será "desmoralizado", se a greve for derrotada desta forma que o governo indica? O governo parece achar que serão os sindicatos que estão conduzindo a greve. Pode ser que seja isto, sempre pode ser. 

Mas há vários indícios de que a desmoralização será de outro tipo e atingirá outros atores. Entre estes indícios, informo existir uma grande tristeza e decepção entre professores e professoras que lutaram contra o golpe, contra a prisão de Lula, contra o governo cavernícola e pela eleição de Lula. A tristeza e a decepção inclui, também, muitos professores e professoras petistas. O governo está subestimando os efeitos deste sentimento, especialmente nessa conjuntura. Talvez o governo saiba algo que não sabemos. Mas, infelizmente, acho que está é cometendo um imenso erro.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO