Lula é o centro e Ciro é o cavalo de Tróia da direita a sabotar a esquerda

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Luiz Inácio Lula da Silva só não será candidato a presidente da República pelo Partido dos Trabalhadores se ele decidir não concorrer ao certame eleitoral ou se ocorrer algo fora de seu controle, bem como de seu partido e de seus milhões de eleitores, tanto os convictos quanto os não convictos, mas que perceberam com o passar do tempo que Lula é um político civilizado, que tem sincera preocupação social e que governa para todos os brasileiros de diferentes classes sociais, além de tratar a soberania do País e os interesses da população brasileira como política de Estado.

Outrossim, nota-se claramente que o País, após o trágico desgoverno de um político moralmente traidor e golpista, da laia de Michel Temer, para logo após ascender ao poder central o ex-deputado do baixo clero, Jair Bolsonaro, um político neofascista que implementa no País o fracassado neoliberalismo, que faz do Brasil terra de ninguém, com índices e números sociais e econômicos vergonhosos, além de ser o maior responsável pela mega crise sanitária que coloco o povo brasileiro de joelhos e para debaixo da terra, sendo o País atualmente o campeão mundial de mortes por Covid-19.

Dito isto, voltemos a Ciro Gomes, o político de direita que há duas décadas ou mais tenta disfarçar sobre suas origens burguesas e liderança de seus interesses, porque aliado do político tucano e grande empresário, Tasso Jereissati, além de ser cria do PDS, sigla partidária herdeira da Arena, dois partidos que foram a base da maioria que deu sustentação à ditadura militar, que torturou, matou e durou 21 longos anos, assim como sua vida partidária é uma tragédia, pois a trocar de partido como se troca de camisa, a demonstrar, sem sombra de dúvida, sua instabilidade política e ideológica.

Ciro Gomes foi do PDS, PMDB, PSDB, PPS, PSB, PROS e ultimamente está a dar uma de trabalhista, pois filiado ao PDT, partido fundado pelo trabalhista histórico Leonel Brizola, que se fosse vivo certamente entraria em conflito com Ciro, que jamais foi um político de esquerda como o foi Brizola, que pagou caro por isso, porque foi forçado a um exílio de 15 anos (1964/1979), o mais longo de todos os brasileiros que foram exilados para não morrer nas mãos do regime ditatorial implantado em 1964.

Ciro Gomes está agora a testar todos seus limites e contradições de seu passo a passo como político que há anos luta para ser o representante da maioria da esquerda se não fosse o PT de Lula, o mais importante político brasileiro desde a década de 1980 e o líder do maior partido de esquerda da América Latina e um dos maiores do mundo, assim como um dos fundadores da CUT e construtor de uma base social sólida, que ora está a enfrentar a violência e as irresponsabilidades do desgoverno de Bolsonaro.

Exatamente o PT, o partido umbilicalmente ligado aos movimentos sociais, sindicais, às classes trabalhadoras, ongs, minorias, CUT, sem teto e sem terra, bem como está inserido no mundo estudantil secundarista e universitário, além de sempre contar com o voto de parte da classe média, os setores que não foram às ruas para dar golpe de estado e nem pagar mico vestida de amarelo ou verde como se fosse papagaio ou periquito, a fim de ter "sua" doméstica de volta ao quartinho de empregada, como vi presencialmente em alguns cartazes expostos por "madames" estúpidas em Copacabana.

Ciro, na verdade e ao perceber que não terá o apoio da maioria da esquerda, bandeou-se de vez da onde jamais deveria ter saído, ou seja, o campo da direita. O problema é que ele mesmo, sendo filho da direita, a direita não confia nele, fato este que também ocorre nas fileiras da esquerda. Então Ciro se tornou um pária do mundo político, um franco atirador míope, com enormes dificuldades para dialogar com a sociedade em geral, bem como com os partidos em particular, o que o leva a não se tornar confiável aos milhões de eleitores brasileiros, tanto à direita quanto à esquerda. E ele sabe disso muito bem, assim como o status quo.

Ciro, meus camaradas, é o andrógino da política brasileira, pois ele não sabe se é de direita, de esquerda ou de centro, que é a direita metida a civilizada, mas que apoia golpes quando acontecem golpes neste País. Tais realidades, porém, forçam o Ciro Gomes ser um eterno migrante de seus próprios pensamentos, ideologias, valores e princípios, que possam formar um conjunto de propostas e práticas que o levassem a fundamentar um projeto de País e programa de governo.

A verdade é que Ciro ao ser extremamente agressivo ao PT e às suas principais lideranças, à frente o Lula, ele metodicamente e frontalmente se alia às forças mais atrasadas e retrógadas deste País de alma escravocrata, em um discurso belicista e altamente desrespeitoso ao ponto de uma pessoa que não conhece o Brasil ou não acompanha a política nacional pensar que Ciro Gomes é um membro fanático da Lava Jato ou pertence aos grupos de bolsominions que infestam o País por meio de seus venenos, a exemplo de pedir golpe militar para fechar o Congresso e o STF, dentre outros órgãos e instituições republicanas.

O problema de Ciro é o próprio Ciro com seu incomensurável ego e sua indescritível vaidade e agressividade, além de vocação para a derrota em âmbito nacional, pois um político que quando concorre às eleições por qualquer partido, pois pertenceu a sete deles, possui em média 10% ou um pouco mais do que esta porcentagem, o que, sobremaneira, não o coloca como candidato com fôlego suficiente para vencer as eleições.

Ciro sabe disso e por isso opta por um discurso contundente e pleno de violência contra um partido que melhorou as condições de vida do povo brasileiro, que é o caso do PT, além de ser injusto e ao mesmo tempo sórdido quando comete infâmias ao atacar Lula com palavras impróprias e completamente ausentes de veracidades, pois o propósito é desmontar e desconstruir o virtual candidato Lula nem que tenha de fazer um discurso odiento, vexatório e próximo ao que a extrema direita fez e faz para que o candidato do PT não concorresse às eleições de 2018, assim como impedi-lo de concorrer também ao pleito eleitoral de 2022.

Ciro tem como estratégia demonizar o PT e Lula para agradar o Centrão e setores reacionários da sociedade. Trata-se de políticos conservadores e de direita que são também considerados como representantes da direita tradicional, a tentar se descolar do bolsonarismo de extrema direita, xucro e tratado como algo inusitado, além de bizarro no mundo civilizado. O Centrão é a direita que golpeou a presidente Dilma Rousseff e que pavimentou o caminho para que Bolsonaro e os militares assumissem o poder central, mas a arrasar a economia do País e os interesses dos grandes empresários, ao ponto de os banqueiros já terem anunciado que desejam outra via que não seja o Bolsonaro com seus milicos elitistas, sectários e incompetentes, além de totalmente desprovidos de projeto de País e programa de governo.

A verdade é que essa gente inconsequente e irresponsável deu com os burros n'água e pariram uma sujeito que é isolado no mundo e que envergonha qualquer brasileiro que tenha um pouco de consciência política e sentimento de preservação moral. Trata-se de um verdadeiro desastre o que acontece desde 2013 no Brasil. E Ciro sabe disso, como tem a plena compreensão que cooperou, e muito, com a ascensão de Bolsonaro ao poder, quando resolveu fugir para Paris e abandonar as fileiras dos segmentos políticos e sociais democráticos que enfrentavam os fascistas no segundo turno das eleições de 2018.

Ciro pensa que engana a quem, se todos sabemos que ele é o cavalo de Tróia da direita a lutar para dividir a esquerda, além de desejar ser o candidato da direita tradicional, que apoiou e votou na extrema direita, que tem à frente o Partido dos Militares ou dos Generais, que não é oficial, mas está no poder da forma mais escancarada possível, após 30 anos sem encher o saco da sociedade brasileira, que hoje vê e percebe o quão esses milicos são antipovo e a favor dos interesses empresariais em forma, inclusive, de privatizações do patrimônio público. Surreal, os milicos do país de terceiro mundo praticante de golpes de estado são privatistas. Milicos privatistas! É isto mesmo. Ninguém merece.

A verdade é que Ciro Gomes não terá nenhuma coisa e nem outra, pois ninguém, volto a comentar, confia nele, tanto à esquerda quanto à direita. Entretanto, para ter o apoio de segmentos radicais de direita e de setores de esquerda infantilizados e malcriados como forma de se expressar quando são derrotados em seus interesses, Ciro apela de forma violenta quando ataca o Lula, a chamá-lo, inclusive de corrupto ou de responsável pela corrupção em seu governo, no governo da Dilma e, se bobear, nos governos entreguistas e contra os trabalhadores dos tucanos.

Lula foi acusado pela corrupta e criminosa Lava Jato de ser o responsável por decisões tomadas legalmente pelo governo Dilma, a exemplo dos aviões comprados junto à Suécia. Decisões legais consideradas pelo bando da Lava Jato como criminosas, quando a verdade é que Lula não participava do governo e não era o responsável por quaisquer decisões administrativas. Para quem não sabe, muitos outros casos juntados pelos bandidos da Lava Jato tiveram como procedimento essa mesma farsa e fraude, que se comprovaram com os julgamentos do Supremo a favor de Lula.

Por sua vez, Ciro sabe disso tudo, inclusive ele contestou duramente a Lava Jato e seu modo de operar digno de fascistas e cafajestes. Ciro aposta na divisão da esquerda, como sempre o fez, bem como tenta atrair o Centrão que no Congresso é porta-voz do empresariado, que busca desesperadamente um candidato palatável para a população que vota na direita e na extrema direita, mesmo sendo esta última mais refratária e fanática quando se trata de adorar seu ídolo, que se encontra com ela nas redes sociais e no curralzinho de gado amarelado próximo ao Palácio do Planalto.

A realidade é que o Brasil passa por uma luta de classe sem precedentes, a partir da hora que milhões de pessoas consideradas pela pequena burguesia e burguesia como massa que compõe o lumpesinato, que é o seguinte: proletariado e pobres, que tiveram o atrevimento e a ousadia de melhorar de vida, comer carne e comprar frios, ir a shopping e voar de avião, frequentar a universidade pública e ter reposição salarial com exigência de carteira assinada até para as empregadas domésticas.

Lula descentralizou o orçamento da União e combateu as desigualdades sociais e regionais. Isto mesmo, começou a mandar mais dinheiro para as regiões e estados mais pobres e incluiu as populações ou grupos sociais mais frágeis no orçamento da União. Deu voz às minorias e as recebeu no Palácio do Planalto, protegeu os índios e quilombolas, tentou melhorar a vida nas favelas e periferias, bem como abriu as universidades e escolas técnicas aos pobres e negros.

O político trabalhista e de esquerda criou centenas de programas de inclusão social, a concretizar um cinturão de proteção, inclusive alimentar. E tudo isto, cara pálida, causou ódio, muito ódio, que aflorou como se saísse dos infernos provenientes dos âmagos das próprias pessoas, que odiaram ver o pobre melhorar um pouco de vida. Ciro sabe disso, bem como a direita que o destemperado político camaleônico quer representar para concorrer às eleições de 2022.

O problema é que Lula é o centro e não o Ciro. Lula é o centro. Ponto! É a realidade do tabuleiro político que se apresenta para quem quiser ver e se certificar. O político com capacidade de diálogo e de negociação acima da média. Um gênio político raro, que somente aparece de tempos em tempos na história da humanidade.

Lula é o político que enfrentou o sistema, o establishment, o status quo, sem fugir da raia. A Justiça viu. A PF viu e o MPF mais do que viu, pois sentiu o golpe, que nocauteou e, com efeito, desmoralizou a Lava Jato, um covil de delinquentes e golpistas. Trata-se da liderança brasileira de grandeza mundial, que recebeu visitas e apoios de gente importante e famosa no Brasil e no mundo dentro da cadeia. Lula recebeu mais gente importante do que o Bolsonaro no poder. O Bozo fascista, que odeia o país e por isto o desmonta sem piedade e compaixão. O Bozo negacionista e irresponsável que o Ciro Gomes ajudou a colocar no poder.

Quando Ciro toma essa atitude nefasta, porém, premeditada e calculada, ele na verdade sinaliza que vai se bandear definitivamente para a direita e parar de fingir que é de esquerda, uma atitude muito boa para os brasileiros que não serão mais enganados quanto aos propósitos políticos de Ciro Gomes. Aliás, não apenas o Ciro preferiu o Bolsonaro em vez do candidato do PT, o professor Fernando Haddad. Nada disso. Além de Ciro, os possíveis candidatos, todos de direita, a presidente da República votaram em Jair Bolsonaro e anunciaram seus votos ao público, em 2018.

Vamos a eles. Eduardo Leite (PSDB), João Amoêdo (Novo), João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Luciano Huck (sem partido), além do Ciro Gomes, que não anunciou voto no Bolsonaro, mas o favoreceu ao ir a Paris, como já comentei anteriormente. Entretanto, o problema é o seguinte: Ciro se diz de "esquerda", mas evidentemente que não é, nunca foi e jamais será. Só quem acredita em mula sem cabeça, papai noel e saci pererê, dentre outros personagens de fábulas, levaria a sério que Ciro Gomes é de esquerda. Não é, camarada?

Contudo, não disse ainda o que queria perguntar para responder: o que tem em comum esses possíveis candidatos a presidente em 2021? Respondo: Todos eles, sem exceção, votaram em Bolsonaro e hoje são signatários de uma carta pró-democracia. Na carta, como disse, afirmam que defendem a democracia e que são, pasmem, anti-Bolsonaro. Só que o Ciro viajou a Paris, assim como os cinco signatários restantes apoiaram o golpe contra Dilma, a prisão de Lula e o desmonte do estado nacional.

Agora, pergunto: eles são cínicos, hipócritas e covardes ou eles são covardes, hipócritas e cínicos. Quanta infâmia e iniquidade, meu Deus! Lula é o centro, e a direita sabe disso, bem como ela precisa retomar seus negócios no Brasil e no exterior, e por causa disso necessita de estabilidade política e econômica, além de uma Itamaraty que volte a ser o Itamaraty, assim como precisa urgentemente de um mandatário que ponha a roda da economia girar.

Lula sempre diz: "Distribuí renda e riqueza para os pobres, mas os ricos nunca ganharam tanto dinheiro como em meu governo". O Centrão sabe disso. A direita sabe disso. Os empresários sabem disso. Os banqueiros sabem disso. Os juízes, muitos deles que se mostraram analfabetos políticos, sabem disso. O povão agora, na dor, está a aprender a saber disso. As donas de casa, os trabalhadores e os estudantes sabem disso.

Quem não sabe disso é a turma dos bolsominions, uma minoria radical e fanática de 15% dos eleitores, com problemas cognitivos e visão de mundo que não ultrapassa os limites de seus umbigos ou narizes. Porém, ratifico, eles serão minoria se os brasileiros resolverem tomar vergonha para colocar o fascista Jair Bolsonaro, seus milicos despreparados e arrivistas, assim como sua turma ministerial de celerados para fora da Presidência, dentro da legalidade, porque por intermédio do voto popular. Ciro não é confiável à esquerda e à direita, pois o Cavalo de Tróia. Lula é o centro. O centro é o Lula.  É isso aí.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email