Lula e o Santo Sudário

Não importa que não existam provas, não importa que a defesa fosse cerceada, que o julgamento se baseou no testemunho de uma pessoa em contra outras dezenas. Lula já estava condenado muito antes de entrar no plenário porque a crença de seu juiz na sua culpa era de uma fé celestial inabalável, assim como daqueles que ainda acreditam nesta farsa

Lula e o Santo Sudário
Lula e o Santo Sudário (Foto: Ricardo Stuckert)

Sabem aquela criança que colocou o dedo no fogo da vela para ver se queimava? Que botou o dedo na tomada para ver se dava choque? Aquela criança fui eu. Aliás, fui, não, sou eu.

Desde sempre tive certa dificuldade em aceitar verdades absolutas sem uma boa explicação. Infelizmente algumas delas exigiram também dolorosas comprovações físicas. Fazer o que? Eu precisava ter certeza.

Provavelmente por conta disso que a religião nunca foi a minha praia. Digo que sempre fui a favor da tradição, mas nunca uma pessoa de crença religiosa. Em vista disso, eu me sinto perfeitamente bem fazendo uma reza do vinho no Shabat Judaico, e nem por isso acreditando na entidade a qual a reza menciona. Pode parecer estranho para um crente, mas na minha cabeça isso está perfeitamente resolvido. Eu acho bonita a tradição do ascender das velas no final de tarde da sexta-feira, da reza do vinho, do pão especial etc., da cerimônia passada de geração a geração. Mas isto não me faz acreditar em nenhum ser superior. Enfim, este sou eu e contudo, respeito e admiro inúmeros amigos queridos que seguem a sua religião.

Uma das questões que envolvem a fé é a crença radical e dogmática sobre certos acontecimentos. Por exemplo, existem inúmeros relatos da aparição de Nossa Senhora, ou a Virgem Maria para diversas pessoas, inclusive crianças. Fátima e Lurdes são as mais famosas. Em todos estes casos o que existe em comum é alguém dizendo que viu e acreditem. Nunca foi possível uma análise científica por razões óbvias.

O Sudário de Turin, no entanto é uma história completamente diferente. Ele é uma peça de linho onde existe uma imagem de um homem que aparentemente sofreu traumatismos físicos de maneira consistente com uma crucificação. Nada demais se não fosse atribuído a ele ser o manto que envolveu o corpo de Jesus depois da crucificação.

Neste caso específico a ciência pode fazer o seu trabalho e constatou que não se tratava do corpo de Jesus por se tratar de um manto com idade menor do que aquela atribuída a morte de Jesus e porque a distribuição do sangue no tecido não é compatível com os ferimentos. Portanto uma falsificação. Não sei se foi este o propósito desde o início, mas o fato é que muita gente ganhou dinheiro com o Sudário.

Com todas as evidências científicas, ainda assim, muitos cristãos acreditam se tratar do manto que envolveu Jesus, portanto na santidade da relíquia. Nada fará com que mudem de ideia. A fé é muito mais forte e esta crença é inabalável.

Mas afinal de contas o que tem Lula a ver com isso? É que eu acredito que a analogia entre o fato de a despeito de toda ciência dizer o contrário, as pessoas seguirem acreditando no Santo Sudário, explique o fato de apesar de todas as provas em contrário, ou justamente a falta delas, fazer com que ainda existam pessoas que acreditem que Lula é ladrão.

Eu quero acreditar que a maioria das pessoas tem bom senso, mas isso não é uma verdade absoluta já que possuímos discernimento para algumas coisas, e a falta dele para outras.

Neste sentido eu diria então que boa parte de nós sabe distinguir o certo do errado e que aqueles que não sabem são os chamados perturbados de conduta, ou sociopatas. Vou dar o desconto para o que possa ser certo em determinadas culturas, ser errado para outras, me atendo ao que seria comum em todas elas.

Em qualquer país civilizado onde vigora o estado de direito e o exercício pleno da democracia, nenhum ser humano pode pagar por um crime que não cometeu e a presunção de inocência prevalece até prova em contrário. Eu disse PROVA em contrário. Pode-se acreditar que determinada pessoa cometeu um crime, mas é preciso provar que de fato foi ela. Até prova em contrário esta pessoa é inocente.

Na religião não existe a necessidade de uma prova. A fé religiosa e a crença são mais do que suficientes. Assim sendo, em cada uma das religiões de uma forma ou de outra, como distintos nomes e atribuições, a existência de um ser superior é fato.

Será que nós poderíamos trazer esta fé para nossa vida diária e fazer dela um fato? A gente poderia acabar com a medicina e viver da cura pela fé? A gente poderia acabar com a ciência e viver das descobertas da fé?

Acho que seria muito difícil e por isso a convivência deve ser harmoniosa. Ao homem o que é do homem e a Deus o que é de Deus.

Sendo assim, posso afirmar que no mundo real o julgamento de uma pessoa acusada de um crime deve ser baseado em provas cabais. A privação da liberdade de um ser humano precisa estar baseada na inabalável convicção de que o legítimo processo transcorreu em ordem e que todas as provas e fatos trazidos a ele mostraram sem a menor dúvida que tal pessoa cometeu o crime. Isso vale para todos.

Aqueles que ainda querem acreditar que Lula cometeu um crime são as mesmas que ainda acreditam no Santo Sudário.

Não importa que não existam provas, não importa que a defesa fosse cerceada, que o julgamento se baseou no testemunho de uma pessoa em contra outras dezenas. Lula já estava condenado muito antes de entrar no plenário porque a crença de seu juiz na sua culpa era de uma fé celestial inabalável, assim como daqueles que ainda acreditam nesta farsa.

Apesar disso tudo, escutamos algumas vozes do bom senso e uma delas acaba de vir do Comitê de Direitos Humanos da ONU. Um grupo de homens de diferentes países, de diferentes culturas acaba de dizer que, independente do fato da culpa ou não de Lula, ele tem direito a concorrer à presidência enquanto existirem recursos em andamento e que os mesmos devem ser julgados com isenção. O Brasil é signatário de uma convenção que torna as resoluções deste comitê aplicáveis acima da lei brasileira neste assunto, qual seja os direitos humanos.

É compreensível a demanda, uma vez que não podendo concorrer e vindo a ser o vencedor, ficando provada sua inocência, não haveria como reparar o mal causado a ele. Todas as causas que precederam a de Lula neste mesmo sentido, tiveram ganho favorável nas cortes nacionais.

E agora, vamos ter uma decisão baseada na convicção celestial ou na fé dos homens?  

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247