Lula entra na campanha de 22

"É a primeira vez, desde a volta da cadeia, que Lula se manifesta dessa maneira, talvez por pressentir que o STF deverá devolver seus direitos políticos, o que tornará possível disputar a próxima eleição presidencial", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia, sobre o discurso do ex-presidente

Ex-presidente Lula
Ex-presidente Lula (Foto: Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Isso que o Lula fez hoje não foi apenas um discurso de 7 de setembro.

O vídeo marca a sua volta à cena política e o lança candidato ao Planalto em 2022.

É a primeira vez, desde a volta da cadeia, que Lula se manifesta dessa maneira, talvez por pressentir que o STF deverá devolver seus direitos políticos, o que tornará possível disputar a próxima eleição presidencial.

Trata-se de uma peça de propaganda política, inclusive por apresentar três slogans de campanha:

“Um Brasil de todos para todos”.

“O país dos nossos sonhos”.

“Vamos juntos reconstruir o Brasil”.

Espero que seja o primeiro de uma série de movimentos de Lula para retomar seu lugar na cena política brasileira e neutralizar o discurso de Bolsonaro que predomina nas mídias e faz a cabeça do eleitorado.

Bolsonaro, que estava sozinho em campanha de reeleição, agora não está mais só: Lula também coloca suas cartas na mesa ao dizer “me coloco à disposição do povo brasileiro”.

Sinal mais claro do que esse de que ele está disposto a enfrentar Bolsonaro em 22 não poderia haver.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247