Lula sofre ataque de milícia bolsonarista

A caravana do ex-presidente Lula, que visita cidades no Rio Grande Sul, foi alvo de atuação violenta de milícias profissionais que agem na região Sul do país

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A caravana do ex-presidente Lula, que visita cidades no Rio Grande Sul, foi alvo de atuação violenta de milícias profissionais que agem na região Sul do país. A denúncia é da presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann.

Dirigentes nacionais petista relatam que em alguns pontos da caravana os ruralistas — que se dizem fãs do deputado Jair Bolsonaro — chegaram muito perto de Lula.

"A situação é grave, é o direito de ir e vir de dois ex-presidentes da República, Lula e Dilma, que está sendo colocado em questionamento. Não é só o direito de ir e vir, mas também a integridade física de dois ex-presidentes", afirmou Gleisi em entrevista coletiva na noite de ontem (20).

A presidenta nacional do PT disse ainda que preocupa muito o clima de intolerância na sociedade, em que grupos de extrema direita usem de milícia armada. "Espero que isso não seja um prenúncio de como vai se dar o processo eleitoral, ou como não vai se dar."

Segundo Gleisi, uma caminhonete foi apreendida em Santa Maria carregada de bombas e rojões. "Pessoas que jogaram pedras, gente com soco inglês", relatou.

"A caravana passa... e os cães ladram", já havia dito antes a senadora.

Assista ao vídeo:

 

Leia na íntegra a declaração da presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann

“A caravana pacífica e democrática do presidente Lula está sendo ameaçada e agredida por milícias armadas pela extrema direita aqui no Rio Grande do Sul, com características fascistas. Essas milícias querem impedir a caravana de prosseguir e utilizam de violência física em relação aos manifestantes que estão com o Lula.

Quero agradecer à nossa militância, aos movimentos sociais, às pessoas que estão indo abraçar e acolher o presidente Lula e têm feito a sua segurança.

A situação é grave, é o direito de ir e vir de dois ex-presidentes da República, Lula e Dilma, que está sendo colocado em questionamento. Não é só o direito de ir e vir, mas também a integridade física de dois ex-presidentes.

O governo do estado do Rio Grande do Sul disponibilizou a segurança e a polícia para acompanhar (a caravana), mas tememos que isso seja insuficiente. Por isso, hoje fizemos contato formal com o ministro da Segurança Pública do governo federal, também com o ministro da Justiça e com o governador do Rio Grande.

A segurança de Lula e Dilma é responsabilidade do Estado brasileiro. O direito de ir e vir está assegurado na Constituição. Nós não podemos admitir que milícias de direita com práticas fascistas que utilizam armamento, soco inglês, pedras, vão para cima dos manifestantes, e queiram impedir o direito de ir e vir dos presidentes, prevaleçam.

Estamos fazendo essa denúncia. Estou aqui com Pepe Vargas, presidente do PT do RS, Marcio Macedo, que é coordenador da caravana, também deputados, como Marco Maia (PT-RS). A situação é grave e queremos providências por parte das autoridades brasileiras no sentido de resguardar a segurança e a integridade de Lula e da ex-presidenta Dilma.

Teve inclusive uma caminhonete que foi parada onde foram apreendidos fogos de artifício. Tivemos pessoas que atiraram pedras nos ônibus e nos manifestantes, teve pessoas com soco inglês. São poucas pessoas, mas sabemos que há inclusive profissionais da área de segurança para instigar e ir para cima da militância que acompanha a caravana de Lula.

Nos preocupa muito que tenhamos chegado a esse clima de intolerância na sociedade, em que grupos de extrema direita usem de milícia armada. Espero que isso não seja um prenúncio de como vai se dar o processo eleitoral, ou como não vai se dar.

O que estamos dizendo é que a divergência política e as divergências de ordem de disputa eleitoral estão na normalidade democrática. O que não está na normalidade democrática é o uso de violência e o uso de grupos armados para impedir alguém de se manifestar. Nossa Constituição assegura o direito de ir e vir e assegura manifestações democráticas. É isso que queremos que o Estado brasileiro garanta.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247