CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Matheus de Andrade Bueno avatar

Matheus de Andrade Bueno

Procurador da República. Titular do 3º Ofício de Cidadania em Mato Grosso, com atribuição especializada em Reforma Agrária.

1 artigos

blog

Luta pela terra, violência no campo e duração razoável do processo

O dia 17 de abril pede reflexão sobre a luta pela terra, para realçar que o enfrentamento à violência no campo deve pautar-se pela efetivação da reforma agrária

Ocupação do MST em fazenda em Minas Gerais (Foto: Divulgação/MST)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Julio José Araujo Junior* e Matheus de Andrade Bueno* - O dia 17 de abril[1] retrata o “Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária”, instituído pela Lei 10.469/2002 em alusão ao massacre de Eldorado dos Carajás, ocorrido em 17 de abril de 1996. Na ocasião, 19 trabalhadores sem-terra foram assassinados por policiais militares no Pará após o bloqueio de uma rodovia[2]. 

Dessa forma, a data marca dois aspectos igualmente relevantes: de um lado, a celebração da luta pela terra e, de outro, a memória de um ainda persistente processo de violência no campo que se verifica em resposta a tais mobilizações sociais. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Com efeito, a trajetória da luta pela terra e o processo de violência dela decorrente se confundem no contexto da história brasileira. Embora as formas e métodos possam passar por algumas modificações, como pela recente tentativa de institucionalização de milícias rurais, os episódios de violência, infelizmente, ainda caracterizam o cotidiano da vida no campo. 

O já mencionado massacre de Eldorado dos Carajás foi sucedido por outros lamentáveis casos de violência no campo. Dentre eles, o assassinato da irmã Dorothy Stang em Anapu, região de Altamira, também no Pará. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Na perspectiva da jurisprudência dos Tribunais Superiores, alguns casos foram submetidos ao Superior Tribunal de Justiça e acarretaram o excepcional deslocamento da competência em favor da Justiça Federal (IDC 22, Rel. Min. Messod Azulay Neto, julgado em 23/08/2023). 

Na seara internacional, a temática dos conflitos agrários ensejou a condenação do Estado brasileiro nos casos Escher e outros vs. Brasil e Sales Pimenta vs. Brasil, os quais já são parte conhecida dessa lamentável realidade. Soma-se agora a recente condenação do Estado brasileiro no caso Antônio Tavares vs. Brasil, de 14 de março de 2024. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas os casos de violência no campo não se resumem a acontecimentos célebres e que ganham notoriedade e repercussão pública. Conforme dados catalogados pela Comissão Pastoral da Terra[3], e considerando apenas os casos de violência contra a pessoa, foram identificados, somente no ano de 2022, mais de dois mil conflitos pela terra envolvendo quase 1 milhão de pessoas. Uma enormidade de pessoas que suportam individualmente o ônus de uma luta coletiva. 

Há, portanto, uma imensidão de “casos anônimos” de defensores de direitos humanos que reclamam intervenção estatal firme. Certamente, uma das esferas associa-se à necessidade de investigação, processamento e responsabilização. Essa circunstância não exclui, contudo, a indispensabilidade de que ações administrativas sejam priorizadas a fim de solucionar esses conflitos. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

É crucial, nessa linha, reconhecer a indissociável correlação entre a concretização de direitos fundamentais e a proteção de defensores de direitos humanos que se mobilizam pelo cumprimento da Constituição. 

Nessa linha, a Declaração sobre Defensores de Direito Humanos da ONU é expressa ao consignar que “todos têm o direito, individualmente e em associação com outros, a uma protecção eficaz da lei nacional ao reagir ou manifestar oposição, por meios pacíficos, relativamente a atividades, atos e omissões imputáveis aos Estados, que resultem em violações de direitos humanos e liberdades fundamentais”. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em sentido semelhante, o Acordo Regional sobre Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Assuntos Ambientais na América Latina e no Caribe (Acordo de Escazú), do qual o Estado brasileiro é signatário (embora ainda sem ratificação), estabelece o direito a um “ambiente seguro e propício para as pessoas, grupos e organizações que promovam e defendam os direitos humanos”. 

Com relação à proteção em âmbito nacional, ao julgar o caso Sales Pimenta vs. Brasil, a Corte Interamericana reconheceu a insuficiência da Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos, instituída pelo Decreto n. 6.044/2007. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Não se ignora que, como desdobramento dessa condenação, o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania instituiu o Grupo de Trabalho Técnico Sales Pimenta, ao qual incumbe a formatação de uma minuta de projeto de lei e a confecção de um plano nacional de proteção. 

Os trabalhos, pelo que se tem notícia, se encontram em fase de escuta pública e se alicerçam sobre os eixos de fortalecimento da proteção popular, institucionalidade protetiva, investigação e responsabilização e medidas protetivas e de reparação.

No entanto, e sobretudo diante da urgência que caracteriza os casos de violência no campo, é preciso reconhecer que alguns avanços podem ser alcançados antes mesmo da conclusão de um programa nacional e da submissão do tema ao Congresso Nacional. 

De fato, a ocorrência e persistência de inúmeros conflitos no campo decorre da incapacidade do poder público em promover a adequada destinação e alocação territorial. Em outras palavras, a indefinição da afetação de terras públicas à luz dos mandamentos constitucionais é um dos principais fatores que conflagram disputas pela terra e, por consequência, produz as condições para a deflagração e persistência de conflitos no campo. 

Ademais, a Constituição prescreve a duração razoável do processo, com expressa incidência em processos judiciais e administrativos (art. 5º, LXXVIII, CRFB). Essa duração razoável, embora não guarde relação com parâmetros temporais com precisão aritmética, deve ser mensurada a partir do gravame acarretado pela pendência de um processo administrativo e judicial. 

É por essa razão que, por exemplo, sem qualquer vínculo com o juízo de culpabilidade, os processos com acusados presos contam com prioridade de processamento e julgamento no Poder Judiciário. 

Os casos de violência no campo, sobretudo nas hipóteses de ameaça ou violência contra a pessoa, os quais traduzem risco iminente à incolumidade individual, seguramente produzem prejuízo considerável à esfera jurídica dos interessados que aguardam algum desfecho. 

Nesse sentido, cabe ao poder público, especialmente aos órgãos fundiários, mas também ao sistema de Justiça como um todo, identificar, catalogar, impulsionar e solucionar com preferência os casos de disputas de terras que envolvam violência contra a pessoa e, com ainda maior razão, nas hipóteses de pessoas incluídas nos programas de proteção a defensores de direitos humanos. 

De fato, as diversas medidas emergenciais comumente adotadas pelos programas de proteção são essenciais e atuam como resposta aos sintomas manifestados. Mas é indispensável que o poder público atue na causa e promova a destinação fundiária de acordo com os comandos constitucionais. 

O Min. Luiz Edson Fachin, no julgamento do marco temporal de demarcação de terras indígenas, bem afirmou que “não há segurança jurídica maior que cumprir a Constituição” (STF, RE 1.017.365/SC, Tribunal Pleno, julgado em 27/09/2023). Na espacialidade da proteção de defensores de direitos humanos, essa racionalidade também pode ser empregada. 

Portanto, o dia 17 de abril conclama pela reflexão sobre a luta pela terra, principalmente para realçar que a proteção de defensores de direitos humanos e o enfrentamento à violência no campo devem pautar-se pelo ainda incompleto e mais poderoso remédio normativo:  à luz dos comandos constitucionais. 

[1] O acontecimento também ensejou a instituição de 17 de abril como o do “Dia Internacional de Luta dos Trabalhadores do Campo”.

[2] Disponível em https://www.camara.leg.br/radio/programas/270046-especial-luta-pela-terra-o-massacre-de-eldorado-do-carajas-0547/, acesso em 16 de abril de 2024.

[3] A CPT catalogou 2018 conflitos envolvendo 909450 pessoas. Disponível em https://www.cptnacional.org.br/downlods?task=download.send&id=14297:viole-ncia-contra-a-pessoa-2022&catid=14, acesso em 16 de abril de 2024.

*Júlio José Araújo Júnior - Mestre em Direito Público pela UERJ, especialista em politica e sociedade pelo IESP-UERJ, autor de “Direitos territoriais indígenas: uma interpretação intercultural” e “Ministério Público e movimentos sociais: encontros e desencontros”.

*Matheus de Andrade Bueno - Procurador da República. Titular do 3º Ofício de Cidadania em Mato Grosso, com atribuição especializada em Reforma Agrária. Membro do Grupo de Trabalho “Reforma Agrária e Conflitos Fundiários”, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF). Mestrando em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília (UnB). Ex-Assessor de Ministro do STF.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO