Macri entrega as chaves da Argentina ao FMI

O que se aclara na chegada de Macri é o início de um caminho em direção à dolarização e recessão, bem como em abdicar de um projeto de desenvolvimento e soberania

macri lagarde fmi
macri lagarde fmi (Foto: Túlio Ribeiro)

Enfim a Argentina passa ser governada pelo Fundo Monetário Internacional. O acordo de 50 bilhões de dólares exige tantas premissas para impedir o "default", que o país portenho, na prática, abdica da sua independência política e econômica. Maurício Macri, seguindo as determinações do FMI, trocou dois ministros (energia e produção) neste 16 de maio, além do presidente do Banco Central, retirado há poucos dias. O único plano econômico do partido governista Cambiemos é o que determina o fundo. Nesta situação vale esquecer a história, quando em 2001 um milhão de pessoas na "Plaza de Mayo" rechaçaram a instituição financeira.

Fica visível, mesmo o governo declarando que o FMI mudou, que a realidade aclara de forma diferente. Apenas 15 bilhões neste momento, já que os 35 restantes dependem do cumprimento trimestral da carta de intensão. Na prática, a segunda parte serve como garantia caso o setor privado não cumpra pagamentos futuros. O endividamento pode ser maior se vier créditos do Banco Mundial e de BCs de outros países como os EUA, em troca poder se apoderar do que resta dos recursos naturais e de conglomerados produtivos.

A reciprocidade desta história ainda cobra a renúncia de um futuro para mais vulneráveis. A primeira condição é suspender os subsídios, mesmo a classe trabalhadora já estando debilitada com a desvalorização do peso lhe tirando a renda via aumentos de produtos, tarifas e combustíveis. A redução de obras públicas deve chegar a 80%, um golpe direto sobre o nível de atividade econômica e de emprego. Uma nova exigência é reduzir em 0,2% no total do PIB o salário público, numa inflação que beira 30%. É de fácil compreensão que este objetivo só pode ser alcançado por dois caminhos: demissão em massa e/ou congelamento de salário.

O ajuste vai chegar aos governos estaduais via diminuição de despesas e controle de emissão de títulos como forma de se financiar. Os governadores podem retornar aos anos noventa, quando se emitiam moedas regionais para custear a administração. O efeito vai ser direto sobre serviços básicos como saúde e educação.

Na seara do câmbio, o acordo limita a intervenção estatal. Se antes o governo ofertava dólares junto com os exportadores e bancos, agora caberá somente ação da "livre disponibilidade" para decidir o ponto de "equilíbrio". A economia aponta para uma elevação na paridade. Este foi o caminho quando o dólar fechou a semana no patamar de 28,9 pesos e com tendência de aumentar pois neste 19 de junho vence US$ 670 milhões em títulos do governo (LEBACS). Os investidores devem especular com a possibilidade saírem dos papéis para buscar fundos de câmbio. A volatilidade domina o mercado, mesmo o BC fazendo ações diárias no sentido gerar calma. O mercado futuro já sinaliza uma taxa de 33,5 pesos pela moeda estadunidense, um proporção semelhante ao que aponta a paridade no Brasil e Uruguai, se relacionar real, peso argentino, dólar e peso uruguaio. Em verdade os bancos privados e o FMI já miram um patamar de 41, uma realidade insustentável para o trabalhador numa economia dolarizada em mercadorias, tarifas e impostos.

A questão que se faz necessário dissertar é a razão de faltar dólares. A primeira é que a Argentina possui um governo administrado pelos endinheirados, já que a maioria dos ministros são representantes de conglomerados, que gerenciam para a elite financeira e rentista. No país, nem todos perdem com a crise. Os exportadores, os fundos e bancos são os grandes vencedores e avançam contra o patrimônio da maioria. Faltam dólares pela saída demasiada da moeda estadunidense e obviamente reduzindo a oferta. A escolha do presidente Mauricio Macri pela abertura das exportações gera um déficit comercial gritante na ordem de US$ 10 bilhões anual. O endividamento requer pagar cada vez mais juros aos credores, aumentando o fluxo para fora do país. A fuga de divisas, inclusive praticada pelos capitalistas nacionais com objetivo de não recolher impostos, e por investimentos especulativos de curto prazo reforça a saída de recursos. Nesta mesma ordem de ideia se apresenta a liberdade remessas de lucro pelas filiais portenhas para matrizes do norte. Mesmo os exportadores, fonte de recursos, agora possuem até 5 anos onde antes eram 6 meses. Assim, faltam dólares pelas decisões políticas e econômicas que seguiram a lógica neoliberal.

Em que pese a Argentina possuir dificuldades por não ter construído uma indústria de base nem uma um diversificação no setor de bens finais, é incontestável seu poder na agro-indústria, pois alimenta boa parte do planeta. O que se aclara na chegada de Macri é o início de um caminho em direção à dolarização e recessão, bem como em abdicar de um projeto de desenvolvimento e soberania. Entregando a chave da nação para Christine Lagarde, presidente do FMI,
demonstra que sua gestão via mercado não conseguiu enganar todo o tempo.

Impõe-se resgatar um projeto de nação que olhe para a maioria da população, uma política comprometida com os trabalhadores e empresas nacionais, sejam estatais ou privadas. Não pode existir justiça social sem que a supremacia do trabalho exista sobre o capital financeiro. Neste paradigma é fundamental a integração da América Latina, que mais do que uma solução apontada pelos libertadores se tornou uma questão de sobrevivência. A Argentina que já possuiu o melhor IDH do hemisfério americano do sul mira se aproximar 44% de pobres em seus limites. A grandeza histórica desta nação impulsiona uma esperança em mudar este processo elegendo um governo nacionalista em 2019 e deixando as amarguras geradas pelo neoliberalismo no passado.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247