Maioria absoluta do povo brasileiro apoia impeachment

54% dos brasileiros e brasileiras querem Jair Bolsonaro fora do Palácio do Planalto, segundo pesquisa realizada pela empresa de consultoria Atlas Político nos dias 24 a 26 de abril, divulgada nesta segunda (27)



54% dos brasileiros e brasileiras querem Jair Bolsonaro fora do Palácio do Planalto, segundo pesquisa realizada pela empresa de consultoria Atlas Político nos dias 24 a 26 de abril, divulgada nesta segunda (27). Entre as mulheres, o índice sobe a 58%. O levantamento indica ainda que 64,4% desaprovam o líder da extrema direita, apoiado agora por apenas 30%.

A popularidade de Bolsonaro já descrevia uma linha de queda nas pesquisas desde fevereiro, o que diferentes analistas atribuem ao seu comportamento errático e irresponsável diante da pandemia do coronavírus, em aberta oposição à ciência, à OMS e ao Ministério da Saúde, que resultou na demissão do ministro Mandetta.

Briga de bandidos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cenário piorou significativamente após a saída de SergioMoro e a demissão do comandante da Polícia Federal, Maurício Valeixo, desaprovada por 68% das pessoas entrevistadas. As graves denúncias feitas pelo ex-juiz, que procurou recolher provas para ilustrar suas declarações, mostram que Jair Bolsonaro quer a PF sob seu total controle para livrar a cara dos filhos investigados por corrupção, usando os poderes presidenciais para a finalidade escusa, o que configura crime de responsabilidade. Fatos deixam pouca margem a dúvidas e não é por mera coincidência que o substituto de Valeixo seja um amigo íntimo e fiel do Clã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sergio Moro não é flor que se cheire. Não se pode olvidar o fato de que à frente da Lava Jato o ex-juiz curibibano fez o jogo dos EUA, em março do ano passado visitou a sede da CIA em Washington com Bolsonaro a tiracolo, destruiu multinacionais brasileiras e, com eleas, milhões de empregos na cadeia da construção e, além deste e de outros prejuízos à nação, deu uma contribuição decisiva para a eleição do político neofascista, condenando e prendendo Lula sem provas e divulgando, em cumplicidade com a Globo, delações do traidor Palloci contra o PT na véspera do pleito. 

De todo modo, conforme reza um antigo ditado inglês, geralmente quando dois ladrões brigam algo de bom acontece. O delínio da popularidade do atual chefe do Executivo é uma notícia alvissareira, uma luz em noite de trevas, que merece comemoração. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A última pesquisa realizada pela Atlas Político sinalizava um empate técnico entre os que eram a favor (48%) e contra (46%) o impeachment. A sociedade estava dividida. Agora o placar (54% a 37%) indica que a vontade majoritária do povo é pelo impedimento. É o grito que ecoa pelas noites no ritmo das penalas.

“Há uma queda sem precedentes da imagem positiva que o presidente tinha na nossa série histórica. Isso se reflete em várias perguntas relacionadas, como a pergunta sobre o impeachment. Pela primeira vez, a gente observa uma maioria a favor num momento em que se começa a discutir mais sobre isso, o que pode criar uma pressão popular sobre o Congresso”, afirmou o cientista político Andrei Roman, criador do Atlas Político.

Crescem também as pressões no Parlamento. Até a última sexta-feira (24), 29 pedidos de impeachment contra o presidente foram protocolados na Câmara dos Deputados. Apenas um deles foi apreciado por Rodrigo Maia (DEM-RJ), a quem compete fazer uma análise inicial de denúncias por crime de responsabilidade contra o chefe do Executivo federal. O pedido analisado acabou sendo indeferido porque a denúncia era anônima, o que é vedado pelo regimento interno da Casa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A estranha inércia do presidente da Câmara suscitou cobranças e críticas do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF). Está sob a relatoria de Mello o inquérito pedido pelo PRG que vai apurar a veracidade das denúncias feitas por Moro contra o chefe do Executivo relativas às ingerências políticas para orientar e restringir as investigações da Polícia Federal contra seus rebentos. 

Aliado do líder da extrema direita, que o indicou para o cargo, o PRG Augusto Aras aparentemente quer atingir o ex-juiz (enquadrando-o nos crimes de calúnia, difamação e denúncia caluniosa). Mas o tiro pode sair pela culatra. A correlação de forças está mudando e já não favorece o projeto neofascista do Clã Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email