Mais um exemplo de inépcia do governo federal

"Este seria apenas mais um caso de inépcia do governo federal não fosse o fato de, mais uma vez, ter sido cabalmente demonstrado que, na ausência de direção central em que se afunda o país, são os arranjos estaduais a tentarem solucionar os problemas não solucionados (antes, potencializados) pelo poder central"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No último 31 de março, tomei conhecimento da “Proposta de Criação de Rede Nacional Educativa” por parte do governo federal, numa iniciativa que dependia diretamente da articulação entre o Ministério da Educação e da Empresa Brasil de Comunicação.

Seu objetivo é o de “criar uma rede nacional de TV aberta que proporcione a oferta de conteúdos e atividades educativas para estudantes em casa em função do fechamento das escolas pelo (sic) COVID-19”.

Isso, porque “a TV aberta é considerada neste momento o meio mais democrático (o grifo é do documento) de disseminação de atividades educativas devido à sua capilaridade, dificuldades de conectividade e de acesso à (sic) equipamentos pelos estudantes”.

Na divisão de tarefas estabelecida, caberia à EBC a tarefa de veicular durante quatro horas diárias os conteúdos produzidos pelo Ministério da Educação dirigido por Abraham Weintraub, para estudantes do Ensino Fundamental 1 e 2 e do Ensino Médio.

Pelo cronograma que compunha a proposta, a data de lançamento da Rede Nacional Educativa estava prevista para o dia 13 de abril.

No entanto, passadas três semanas, a RNE ainda não foi lançada, não havendo também nenhuma previsão para o seu lançamento, devido ao atraso do MEC de Weintraub.

Este seria apenas mais um caso de inépcia do governo federal não fosse o fato de, mais uma vez, ter sido cabalmente demonstrado que, na ausência de direção central em que se afunda o país, são os arranjos estaduais a tentarem solucionar os problemas não solucionados (antes, potencializados) pelo poder central.

No exemplo da tentativa até agora frustrada de criação da Rede Nacional Educativa pelo MEC/EBC, pelo menos no estado de Pernambuco, a solução já se encontra em curso desde o dia 6 de abril com a formação de um pool de emissoras públicas (a TVPE, a TV ALEPE e a TVU da UFPE) que transmite as aulas preparadas pelos professores do Ensino Médio da Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco, de segunda a sexta em horários variados: o EDUCA-PE.

Esse e outros vários exemplos só fazem demonstrar a completa incapacidade do atual governo federal de comandar a nação em tempos normais, imaginem em tempos absolutamente anormais como aqueles que estamos vivendo hoje em função da pandemia da COVID-19.

Nunca imaginei que um dia citaria o atual governador do estado do Rio de Janeiro num texto por mim escrito, mas o farei hoje, quando, em resposta à tentativa de JM Bolsonaro de jogar a responsabilidade pelo estado de coisas catastrófico no qual nos encontramos nas costas dos governadores, Wilson Witzel afirmou: “Não vai ser assim, presidente. Assuma sua responsabilidade. Ou sua irresponsabilidade”.

Os 30% que insistem messianicamente em apoiar o homem do “E daí?” deveriam reconhecer na figura dos atuais governadores, com raras exceções, a racionalidade mínima exigida para enfrentar tempos tão incertos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247