Mais uma 'cagada' do desgoverno Bolsonaro

Jair Bolsonaro vetou a inscrição do nome da psiquiatra alagoana Nise da Silveira no livro dos 'Heróis e Heroínas da Pátria'

www.brasil247.com - Nise da Silveira
Nise da Silveira (Foto: Centro Cultural da Saúde/Ministério da Saúde)


O presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (25/5/2022), vetou a inscrição do nome da psiquiatra alagoana Nise da Silveira no livro dos 'Heróis e Heroínas da Pátria'.

A homenagem à médica, conhecida por revolucionar o tratamento de transtornos mentais, foi aprovada pelo Senado em 27 e abril.

Na justificativa para o veto, Bozo afirma que "não é possível avaliar a envergadura dos feitos da médica Nise Magalhães da Silveira e o impacto destes no desenvolvimento da Nação, a despeito de sua contribuição para a área da terapia ocupacional".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conheça um pouco da genial Nise da Silveira:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

NISE DA SILVEIRA - UM ANJO NO CORAÇÃO DA LOUCURA

"Não se curem além da conta. Gente curada demais é gente chata. Todo mundo tem um pouco de loucura. Vou lhes fazer um pedido: Vivam a imaginação, pois ela é a nossa realidade mais profunda. Felizmente, eu nunca convivi com pessoas ajuizadas.” 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Nise da Silveira)

Rio - Dia desses, assisti, com imperdoável atraso, “Nise - O Coração da Loucura”, um longa metragem brasileiro, de 2016, dirigido por Roberto Berliner. O filme é a cinebiografia da psiquiatra brasileira Nise da Silveira, interpretada por Glória Pires.  

Uma história comovente. Um filme maravilhoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nise Magalhães da Silveira foi uma psiquiatra brasileira reconhecida por transformar o tratamento de saúde mental no Brasil em meados do século XX.

Filha do jornalista e diretor do "Jornal de Alagoas", Faustino Magalhães da Silveira e da pianista Maria Lídia da Silveira, Nise realizou sua formação básica em um colégio de freiras - na época exclusivo para meninas - o Colégio Santíssimo Sacramento.  

Nascida em Maceió, Alagoas, em 15 de fevereiro de 1905; de 1921 a 1926 cursou a Faculdade de Medicina da Bahia, onde se formou como a única mulher entre os 157 homens daquela turma. 

Foi nessa época que conheceu e casou-se com o sanitarista Mário Magalhães da Silveira, seu colega de turma na faculdade, com quem viveu até seu falecimento em 1986. O casal não teve filhos.

Em 1927, já casada e formada, mudou-se com o marido para o Rio de Janeiro onde teriam mais oportunidades de trabalho. Na então capital do Brasil, Nise tornou-se psiquiatra. Atuando em hospitais do Rio, a médica se voltou contra os métodos agressivos normalmente usados em pacientes, como eletrochoques e a lobotomia. Em substituição aos métodos violentos, desenvolveu e aplicou tratamentos humanos como a arteterapia e a interação com animais.

Ela amava os loucos e os gatos: “Os gatos são excelentes companheiros de estudos, amam o silêncio e cultivam a concentração. Admiro a independência dos felinos, sempre ronronando ao seu redor. Cultivo muito a independência. Por isso gosto do gato. Muita gente não gosta da liberdade que ele precisa para viver. No circo você vê tigre e urso, mas não vê um gato. O gato é altivo, e o ser humano não gosta de quem é altivo.” - dizia. 

Nise desenvolveu um importante trabalho no Centro Psiquiátrico Nacional Pedro II, no Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro. Ingressou na instituição em 1944 e travou uma verdadeira luta contra os métodos violentos de tratamento que eram comuns na época.

Por isso, foi redirecionada à área da terapia ocupacional, que era menosprezada no local. Lá, ela teve como enfermeira assistente, Ivone, uma jovem negra que mais tarde viria se tornar a grande dama do samba, Dona Ivone Lara.

Foi assim que conseguiu aplicar em seus pacientes - chamados pela médica de “clientes” - uma nova forma de cuidado mental.

Aluna do psiquiatra suíço Carl G. Jung, Nise valorizava o tratamento humanizado e inseriu a pintura e modelagem em argila como técnicas de atendimento. Isso possibilitou que as pessoas se expressassem através da arte, transmitindo em cores, formas e símbolos suas angústias mais profundas, no que mais tarde foi chamado de arteterapia.

Além disso, Nise era contra o confinamento e isolamento dos internos. Foi inserida a convivência com animais - que a médica chamava de co-terapeutas - o que contribui muito para baixar os níveis de estresse e ansiedade, diminuindo crises dos pacientes.

Em 1936, durante a Intentona Comunista, denunciada por uma enfermeira pela posse de livros marxistas, foi afastada do serviço público durante a ditadura Vargas (1936-1944) e presa como comunista no presídio Frei Caneca, por 18 meses. 

Durante a prisão, conheceu e tornou-se amiga do escritor Graciliano Ramos, de quem tornou-se uma das personagens de seu livro ‘Memórias do Cárcere”.

Ainda nos anos 30, militou no Partido Comunista Brasileiro e foi uma das poucas mulheres a assinar o "Manifesto dos trabalhadores intelectuais ao povo brasileiro". No entanto, acabou por ser expulsa de sua célula, sob a acusação de trotskismo.

De 1936 a 1944 permaneceu na semi-clandestinidade. Durante esse período fez uma profunda leitura reflexiva das obras de Spinoza, material publicado em seu livro Cartas a Spinoza, de 1995.

Com a anistia, fundou, em 1946, a Seção de Terapêutica Ocupacional no Centro Psiquiátrico Pedro II. 

Em 20 de maio de 1952, criou o Museu de Imagens do Inconsciente, um centro de estudo e pesquisa. Vinculado aos ateliês de pintura e modelagem, o Museu não cessou de crescer, seu acervo possui atualmente cerca de 350 mil documentos entre telas, desenhos, pinturas e modelagens. 

Em 1956, criou também a ‘Casa das Palmeiras’, primeira clínica brasileira destinada ao tratamento psiquiátrico em regime de externato. 

Introduziu a Psicologia Junguiana no Brasil. Escreveu vários livros dentre os quais destacam-se ‘Imagens do Inconsciente’ (1982) e ‘O Mundo das Imagens’ (1992). 

Como reconhecimento de sua obra recebeu condecorações, títulos e prêmios em diferentes áreas do conhecimento. Seu trabalho e seus princípios inspiraram a criação de museus, centros culturais e instituições psiquiátricas no Brasil e no exterior.

A médica faleceu aos 94 anos, em 1999, no Rio de Janeiro, de insuficiência respiratória.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email