Mal-estar acompanha indicação de Múcio para Defesa

"Candidatura de José Múcio para o Ministério da Defesa ameaça transformar-se no primeiro grande conflito político do governo Lula", acredita Paulo Moreira Leite

www.brasil247.com - José Múcio
José Múcio (Foto: José Cruz/Agência Brasil)


Por Paulo Moreira Leite

A candidatura de José Múcio para o Ministério da Defesa ameaça transformar-se no primeiro grande conflito político do governo Lula.  

Num universo habituado a se mover em silêncio, as tensões provocadas pela indicação são crescentes. Quadro experiente do conservadorismo brasileiro, que passou o regime de 64 nas asas do PFL e adjacências, Múcio tem sido apontado como o gerente ideal para administrar uma das mais delicadas questões políticas da República -- o lugar dos comandantes militares em nossa democracia. A questão é complexa, porém.

Sabemos que no artigo 142 a Carta de 1988 consagra subordinação das Forças Armadas ao poder civil ao dizer que elas constituem "instituições nacionais, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do presidente da República". 

Outro fato sabido é que a história recente andou por caminhos tortuosos e mesmo sombrios. A partir do tuíte do general Villas Boas, que pressionou o STF a abandonar sua obrigação de defesa da presunção da inocência e abriu a porta da cela de Curitiba para a prisão de Lula, impedindo sua candidatura em 2018, consolidou-se outra força nos subterrâneos do país, o chamado Partido Militar. 

Numa cena emblemática desses tempos, Villas Boas foi o principal homenageado na posse presidencial de 2019, quando Bolsonaro curvou-se diante do general e lhe disse: "Você é um dos responsáveis por estarmos aqui". 

Quatro anos mais tarde, a partir da vitória de Lula em outubro de 2022, o quadro sofreu uma mudança radical, deixando caminhos abertos para um retorno a um ambiente de recuperação democrática, sem forças paralelas em atividade. 

É nessa situação que, conforme apurou o Estado de S. Paulo, o Alto Comando do Exército, integrado por oficiais de quatro estrelas nomeados por Bolsonaro ao longo do mandato, 

decidiu fazer uma mudança no calendário e organizar um novo retrocesso. 

Em vez de respeitar uma tradição que reserva ao presidente eleito e recém-empossado o direito de nomear seus generais, como legítimo representante da soberania popular traduzida nas urnas, a ideia agora é outra. 

Permitir que Bolsonaro nomeie novos generais -- e deixe um time já escalado para receber Lula, privando o novo presidente de exercer uma das mais importantes atribuições de um chefe de governo em qualquer país do mundo -- o direito de escolher comandantes militares de sua confiança. 

A indicação de José Múcio nasce daí. “Julgo que seria muito bem visto pelas Forças Armadas”, disse o vice-presidente Mourão, que mais uma vez tenta embarcar numa caravana de idéias erradas para o país. 

Alguma dúvida?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247