Malufar agora também significa “morar” e “dalanhar”

www.brasil247.com - Congresso quer Moro zumbi e cabeça de Dallagnol
Congresso quer Moro zumbi e cabeça de Dallagnol (Foto: Marcelo Camargo - ABR)


De repente vemos surgir no imaginário linguista nacional dois verbos para explicar a mesma ação delituosa: trapacear, fraudar, ludibriar, enganar, enganar. Os verbos são “morar”, em homenagem ao ministro da Justiça Sérgio Moro e “dalanhar”, tributo  ao caráter nebuloso e dissimulado do procurador paranaense da Lava Jato Daltan Dallagnol.

É uma lástima que a operação anticorrupção, desenvolvida à luz dos holofotes da grande mídia, tenha em tão pouco tempo, pouco mais de quatro anos, se desnudado de maneira tão mequetrefe e despudorada ante os olhos da Nação. 

Sérgio Moro, ególatra, vaidoso ao extremo, arrogante sempre, agiu com extrema parcialidade em sua então condição de juiz. Foi além, rasgou o estatuto da Magistratura ao se aliar de forma vil e contumaz com a  acusação, fazendo dobradinhas com o intuito de condenar quem deveria julgar com justiça e equidade. E esse alguém, nos salta aos olhos estupefatos do país, é ninguém menos que o presidente Lula da Silva, duas vezes presidente, que terminou seu último mandato com 86% de aprovação popular e, à época de sua condenação pelo juiz maringaense, detinha 42% de intenções de voto na corrida presidencial de 2018. Lula foi “morado”, trapaceado, roubado. Essa é a cristalina verdade. Sérgio morou o Brasil e nos enfriou goela abaixo o circo de horrores da familícia Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deltan Dallagnol, fundamentalista messiânico, egocêntrico, deslumbrado com os holofotes da TV Globo é sua Globo News, brotado das hostes pentecostais do atraso brasileiro, corrompeu o devido processo legal ao firmar conluio com o juiz Sérgio Moro. Pusilânime, frágil ética e moralmente, caviloso é diabólico, Deltan “dalanhou”, cometeu fraude jurídica, contaminou qualquer senso comezinho da noção de Justiça. Graças às revelações do The Intercept sabemos hoje das decisões mancomunadas entre acusação e juiz, entre procuradores e juiz. O país foi “dalhanhado”, subvertido, manipulado. Deltan foi também subserviente, submisso, apequenou o Ministério Público do Paraná e assim, falhou vergonhosamente como operador do Direito, tornando a LavaJato em uma verdadeira FarsaJato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dois merecem punições exemplares: demissão a bem do serviço público, penas a cumprir em regime fechado, aposentadoria e benesses confiscadas, interrompidas. Os dois escreveram a mais escabrosa página da história judiciária do Brasil e suas ações delituosas quebraram a construção civil, se aliaram a nações estrangeiras, cometeram crimes de lesa pátria e conspurcaram de forma inequívoca as eleições presidenciais de 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Haverá dia em que o braço da lei alcançará de forma implacável todo agente público que lese, more, dalanhe pessoas que são chamadas a juízo a responder por seus atos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email