Marielle, sempre Marielle

Depois que a corrupção tornou-se instrumento de assassinatos políticos, apurar o crime que marcou a campanha presidencial de 2018 tornou-se questão essencial na preservação da democracia, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

www.brasil247.com - O ex-deputado estadual e conselheiro afastado do TCE-RJ Domingos Brazão negou que conheça uma testemunha que aponta o miliciano Orlando Curicica e o vereador Marcelo Siciliano como responsáveis pela execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes
O ex-deputado estadual e conselheiro afastado do TCE-RJ Domingos Brazão negou que conheça uma testemunha que aponta o miliciano Orlando Curicica e o vereador Marcelo Siciliano como responsáveis pela execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes (Foto: Midia Ninja)


Por Paulo Moreira Leite, para o Jornalistas pela Democracia - Apurar os vínculos entre os operadores do gabinete do então deputado
Flavio Bolsonaro e os mandantes do assassinato de Marielle Franco e
Anderson Gomes devem ocupar a prioridade absoluta nas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro.

É aqui que se encontra o passo decisivo para vencer uma situação
inaceitável de incerteza  política, que envergonha o país e ameaça o
futuro de 210 milhões de brasileiros e brasileiras.

Desvios de dinheiro, "rachadinhas", investimentos-fantasma e cobrança
de propina constituem  práticas que acompanham os esquemas de poder de muitas décadas, em toda parte, ou quase.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Devem ser apurados, investigados e punidos porque constituem uma força
corrosiva que sabota a democracia e corrompe os valores da cidadania.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

No entanto, quando a corrupção e o assassinato político caminham de
braços dados, estamos diante de uma situação nova, que assinala um
grau de degeneração poucas vezes visto na história de qualquer país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se a corrupção costuma surgir em  todo tipo de regime, o crime que
tipifica a existência de uma ditadura é o assassinato, a tolerância
diante da eliminação de vidas humanas. Esta é a diferença, a
periculosidade, o horror próprio e  repulsivo.

Marca a ascensão de reflexos animalescos e impulsos imundos em mentes que assaltaram o Estado. Assinala a ruptura de um limite básico,
essencial, civilizatório -- a noção de que todos tem o direito de
usufruir a vida até onde sua natureza permitir. Seu peso -- real e
simbólico -- pode marcar mudanças na história de um país.

De repente, as ditaduras matam, sob a luz do dia  -- e tudo fica por
isso mesmo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Numa tarde de 28 de março de 1968, no centro do Rio de Janeiro, o
jornalista Washington Novaes assistiu pela janela da redação da
extinta revista Visão a uma estranha movimentação de soldados da PM
nas vizinhanças do restaurante Calabouço. "Vi o momento em que um
aspirante da PM se ajoelhou, fez pontaria com o fuzil e deu um tiro,"
me contou, 43 anos depois, numa entrevista para meu livro A Mulher que
era o General da Casa.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

"Também vi o menino caindo", prosseguiu, referindo-se a Edson Luiz
Lima Souto, executado  de forma premeditada, desnecessária, numa cena
que deu uma mensagem de violência  e impunidade ao país --
institucionalizada, oito meses depois, com a decretação do AI-5.

Um cidadão entre milhões, Washington Novaes jamais foi chamado a
contar o que viu. Para ficar quieto, foi perseguido em dois IPMs.
Enquanto isso, a máquina que massacrava cidadãos seguia seus
movimentos de réptil gigantesco, pelo país inteiro.

Passados 51 anos,  a morte de Marielle Franco e do motorista Anderson
Gomes aguarda os esclarecimentos necessários um país onde a democracia retorna a encruzilhada.

Graças a um cordão sanitário que protege os dois operadores de campo
que consumaram o crime, seu silêncio está garantido sob segurança
máxima. Proteger essa conexão é alimentar a maior ameaça enfrentada
por nossa democracia.

Nós sabemos disso.

Eles também sabem.

Alguma dúvida?

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email