Maternidades: por uma terra sem amos

Pelas mães que hoje choram por seus filhos arrancados e exterminados por um Estado e Governo assassinos, continuaremos unidas



Sim, somos detentoras do poder do corpo da mãe. Alimentamos, protegemos, criamos e damos início à vida! Nascemos com esse poder que nenhum Homem, nenhuma Instituição, nenhum Rei, nenhum Soldado, nenhum Juiz, General e nem Capitão pode destruir. Ninamos meninos e meninas balançando berços segurando a lâmpada que lança luz sobre o mundo, provocando transformações, realizações e revoluções.

Entretanto, a tríade patriarcado, racismo e capitalismo, responsável pelas barbáries do mundo, insiste em nos tornar invisíveis e em reduzir o nosso poder e a nossa função política.

Associado dessa tríade, em mais um dia de luta, anunciamos que toda e qualquer limitação que você possa pensar que tenhamos pelo fato de sermos mulheres e mães, não é real. Ela é imaginada. Você só é possuidor de uma podre, perversa e cruel dominância conquistada pela força bruta ao longo dos séculos na tentativa de usurpação e apropriação dos nossos poderes inatos. Isso que você insiste cegamente em agredir a cada 2 minutos e a tentar matar a cada 2 horas não morre e nunca morrerá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A vida foi, é e sempre será advinda de nós. Nós somos o início da vida e sempre seremos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E caso você homem ainda não tenham compreendido o verdadeiro significado da palavra “maternidades” e obstinadamente tenta reduzi-la e deturpá-la a romantizando e a enclausurando em uma maternidade obrigatória para todas as mulheres e apenas em corpos específicos, te revelamos: “maternidades” é um estado. Um estado capaz de produzir amor, liberdade, solidariedade e compaixão. Um estado que pode ser sentido não apenas para os nossos próprios filhos e filhas, ou nossos filhos e filhas adotados e adotadas, mas para todas as pessoas, animais e plantas— e a todos os seres sem exceção.

Um estado que, de tão potente, transcende o próprio corpo de mulher, se espelhando e habitando em tudo e toda a humanidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já vivemos um tempo onde as mulheres eram as líderes das famílias e transmitiam o poder tribal para todo o grupo. Esse poder era traduzido por potência. O matriarcado se revelava como o significado da palavra grega “arché” sendo “a origem, o início” da vida e era pleno em sua manifestação.

Até o momento que o homem chegou desafinado invadindo e inventando uma mudança nesse significado, interligando os conceitos de pai e patriarcado com os conceitos de hierarquia, mando e dominação, provocando o nascimento artificial do mito de que homens tem “poder de mando” e seriam os supostos sujeitos criadores da vida.

A obsessão dos homens tragada por inveja desde lá era e continua sendo “a transformação do corpo feminino gerador da vida em uma “coisa produtora e reprodutora”, tentando substituir o corpo gerador de vida por um “não-corpo, maquinário não-fêmea” e reivindicando esse maquinário como a meta e o fim da história humana. A mesma coisa é verdade para a Mãe natureza e para a própria terra” (Mmies)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas o tempo dessa confusão entre poder e dominação está se esvaindo e um outro já começou. Então abaixem os queixos, dobrem ligeiramente os joelhos e abram bem os olhos: vejam como ele desponta real e bonito se sabendo que quem desvaloriza, ridiculariza, ofende, maltrata, ataca, fere e mata uma mulher, desvaloriza, ofende, maltrata, ataca, fere e mata toda a humanidade!

Eu pergunto para vocês, mortais homens, qual dos seus olhos é mais importante, o esquerdo ou o direito? 

Mais uma vez, em mais um dia de luta, vocês tem a chance de aprender que maternidade tem que rimar com liberdade ( A.Thurler), que o poder de um verdadeiro líder não é dominar ou controlar, que a verdadeira humanidade só virá à tona quando as qualidades femininas e masculinas em vocês forem equilibradas. E que “toda mãe “guerreira” é uma mulher sobrecarregada, abandonada pelo Estado, pela família e que foi ensinada a acreditar que exploração e o trabalho não pago é amor” ( A.Sharp).

Que todas as mulheres, que todos os tipos de mães e maternidades, que todos os corpos sejam reconhecidos em suas potências, necessidades, diversidades e liberdades.

Pelas mães que hoje choram por seus filhos arrancados e exterminados por um Estado e Governo assassinos, continuaremos unidas, unidos e unides, fazendo dessa “luta final uma terra sem amos”.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email