Menos ministérios

Está na hora de diminuir o tamanho do Estado. Nada mais justo que, em tempos de sacrifícios para a sociedade, o governo dê o exemplo. Quanto mais alto é o exemplo mais pedagógico ele será

Está na hora de diminuir o tamanho do Estado. Nada mais justo que, em tempos de sacrifícios para a sociedade, o governo dê o exemplo. Quanto mais alto é o exemplo mais pedagógico ele será
Está na hora de diminuir o tamanho do Estado. Nada mais justo que, em tempos de sacrifícios para a sociedade, o governo dê o exemplo. Quanto mais alto é o exemplo mais pedagógico ele será (Foto: Renan Calheiros)

O Brasil hoje está mobilizado no debate em torno de sua economia. É a hora de unir esforços para aprimorar e modernizar o ambiente de negócios do país. O momento é grave. E só os mais alheados divergem da magnitude deste diagnóstico.

É preciso humildade, coragem e persistência para fazermos face ao desafio que temos diante de nós. O problema é complexo e não será resolvido como resultado de uma única equação ou com visões simplistas.

O Congresso Nacional, igualmente eleito, está fazendo sua parte. Não há como o Parlamento abrir mão de aprimorar o ajuste fiscal proposto pelo Executivo. Como está, o ajuste tende a não ser aceito pelo Congresso porque é recusado pelo conjunto da sociedade e o Legislativo é a caixa de ressonância da população.

O padrão a ser observado em todo ajuste apresentado pela equipe econômica é o que fizemos na correção da tabela do Imposto de Renda. A negociação. Não é imposição de um lado muito menos a rendição do outro.

O ajuste é necessário, todos nós sabemos, mas ele não pode ser um fim em si mesmo. Precisa ser a premissa de um plano mais amplo que indique a retomada do crescimento, do desenvolvimento e da prosperidade. Há outros caminhos.

Está na hora de diminuir o tamanho do Estado. Nada mais justo que, em tempos de sacrifícios para a sociedade, o governo dê o exemplo. Quanto mais alto é o exemplo mais pedagógico ele será.

Aplaudimos o Mais Médicos. Agora está na hora do programa Menos Ministérios, menos cargos comissionados, menos desperdício e menos aparelhamento, mal que devemos aproveitar a oportunidade para atalhar. A consequência será a profissionalização da administração pública e redução de gastos com o corte dos cargos de indicação política.

A lógica perversa de aumentar a receita através de impostos, tributos, serviços públicos e combustíveis precisa ser substituída pelo corte de custos do Estado Brasileiro - inclusive com a revisão de todos os contratos - que depende da vontade de fazer e de ações diárias e concretas.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247