Mensagem de grupo terrorista a uruguaios que não votarem contra a Frente Ampla é enviada de celulares do Brasil

"A soberania popular uruguaia está sendo alvejada pela mesma guerra cibernética que a extrema-direita, na campanha eleitoral de Jair Bolsonaro, desfechou no Brasil em 2018 para derrotar o candidato petista Fernando Haddad", denuncia Jeferson Miola, de Montevidéu

www.brasil247.com - Primeiro turno das eleições no Uruguai
Primeiro turno das eleições no Uruguai (Foto: REUTERS/Mariana Greif)


De Montevidéu, Uruguai - Mensagem de grupo terrorista contendo ameaças de morte a uruguaios que não votarem no diretista Lacalle Pou, do Partido Nacional, está sendo enviada massivamente através de números de WhatsApp do Brasil.

A mensagem ameaça os destinatários e seus familiares. Começa conclamando “Todo nosso apoio a Lacalle e Manini”.

Manini, no caso, é Guido Manini Ríos, o general que foi demitido pelo presidente Tabaré Vázquez do comando das Forças Armadas [FFAA] do Uruguai em março deste ano por ocultar torturadores e encobrir violações de direitos humanos da ditadura militar [1973/1985].

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nos 5 anos à frente das FFAA, Manini usou o cargo para construir sua carreira política. Após a demissão, imediatamente, no mesmo mês de março, ele criou o Cabildo Abierto, partido de recorte fascista que enaltece o militarismo, defende valores ultra-direitistas e é adepto do fundamentalismo religioso evangélico [aqui].

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com o Cabildo Abierto, Manini concorreu à presidência e teve um desempenho meteórico com 11% dos votos empregando uma retórica bolsonarista, reacionária e anti-Frente Ampla. A maioria dos seus votos, não por acaso, foi obtida na fronteira com o Brasil, devido à proximidade com o bolsonarismo e igrejas evangélicas.

Assinada pelo denominado “Comando Barneix”, a mensagem – que faz uma citação bíblica –, tem o seguinte conteúdo [traduzido ao português e reproduzido com os trechos destacados em negrito na mensagem original]:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todo nosso apoio a Lacalle e Manini.

No domingo se define o futuro da nossa Pátria.

Temos que votar em Lacalle como presidente com o apoio do nosso Comandante Geral do Exército Guido Manini Ríos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sabemos quem você é e contamos com seu voto e o da sua família para salvar a Pátria. É uma ordem.

As ordens devem ser acatadas, e quem quem não as acata é um traidor. Sabemos como tratar os traidores.

A única opção é vencer. Antes cair de costas que de ajoelhado.

Pelo alento de Deus perecem, e pela explosão da sua ira são consumidos.
Jó 4: 9

Seguimos em contato.

Aguarde novidades.

Começamos a voltar.”.

O Comando Barneix, que assume a autoria da mensagem, é um grupo terrorista formado depois que o general Pedro Barneix cometeu suicídio em 2015, após condenado pelo envolvimento no assassinato de um simpatizante da Frente Ampla, em 1974.

No seu comunicado de lançamento, o Comando Barneix declarou que “o suicídio do general Barneix não ficará impune, não se aceitará nenhum suicídio mais por processos injustos. Para cada suicídio, de agora em diante, mataremos 3 eleitos aleatoriamente da seguinte lista” – e apresentou uma lista com 13 nomes que incluía ministros de Estado, juízes e ativistas de direitos humanos.

Pelo menos 3 números de telefones celulares do Brasil que emitiram a mensagem foram identificados até o momento dessa reportagem: o 098-8766.4377, cujo código de área indica a região de São Luís, no Maranhão; o 085-8830.1258, área de Fortaleza, no Ceará; e o 024-98867.7753, que abarca as cidades de Angra dos Reis, Areal, Barra do Pira e Barra Mansa, no estado do Rio de Janeiro.

A soberania popular uruguaia está sendo alvejada pela mesma guerra cibernética que a extrema-direita, na campanha eleitoral de Jair Bolsonaro, desfechou no Brasil em 2018 para derrotar o candidato petista Fernando Haddad.

O Uruguai pode estar no centro de uma espécie de “Operação Condor digital”. A eleição pode não estar transcorrendo dentro das regras democráticas, porque uma brutal fraude, operada no subterrâneo das redes sociais e das mídias digitais, tal como aconteceu no Brasil, pode estar sendo processada para interferir na eleição e no exercício autônomo e independente do voto popular.

Faz-se imperiosa, em razão disso, a ação enérgica das autoridades uruguaias, em associação com organismos internacionais como a CIDH [Comissão Interamericana de Direitos Humanos] e as Nações Unidas, para identificar os autores desse atentado e para interromper a interferência, no que ainda for possível, deste grupo terrorista no processo eleitoral do país.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email