“Meu amigo Haddad”

(Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“Nós amamos você”.

“Não vamos deixar que você deixe de filmar no Brasil”.

Eu estava na cadeira 35 da letra M do Auditório Ibirapuera, ontem, em São Paulo, quando o prefeito Fernando Haddad disse isso aí na abertura da 39a. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, sinal de que leu a entrevista em que Hector Babenco anunciou, em primeira mão, há duas semanas, na Revista 24/7, que "Meu amigo hindu" era o último filme que faria no Brasil.

No entanto, nem o presidente da Ancine, Manoel Rangel, nem o ministro da Cultura, Juca Ferreira, endossaram as palavras de Haddad, nem a favor nem contra, ignoraram o fato de um dos poucos cineastas brasileiros de projeção internacional queixar-se de falta de condições para realizar um belo filme como esse.

Não vi o filme até o fim (tive que sair às pressas a chamado do meu filho, perdido no temporal, perdão, Babenco), mas até onde vi gostei muito e não digo isso porque o Babenco é um amigo querido. Estou sendo sincero com o filme tanto quanto ele o é com o espectador. É um dos filmes mais sinceros que já vi.

Também posso dizer que William Dafoe merece ganhar todos os prêmios de melhor ator porque seu desempenho é fantástico. E que o filme provoca risos e lágrimas sem ser comédia nem melodrama. Os diálogos são exatos e inteligentes. E o ritmo é de prender a respiração mesmo na hora das gags, que são muitas, como por exemplo: “No lugar do cinema foi construída uma igreja evangélica”.

Babenco devolveu o carinho que recebeu de Haddad com mais carinho também em público:

“Passaram muitos prefeitos de São Paulos nesses 39 anos da Mostra. E eu gostaria de dizer que eu respeito o prefeito Haddad”.

Eles só não se abraçaram e se beijaram porque o prefeito não estava no palco nessa hora.

Não tem nada a ver com o tema principal, mas notei que Juca Ferreira está usando um discreto brinco dourado na orelha direita. Deve ser o primeiro ministro que usa brinco no Brasil. O que não quer dizer absolutamente nada, cada um se enfeita como quer.

Só espero que o motivo que levou Rangel e Ferreira a meio que esnobarem o filme não seja o fato de ser falado em inglês, com legenda em português, porque seria um retrocesso inaceitável.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247