Meu vizinho é petista

www.brasil247.com -
(Foto: Ricardo Stuckert)


O Brasil democrático terá árdua tarefa em resgatar seus símbolos das mãos daqueles que nunca o respeitaram, mas que usam como disfarce para implantar um sistema fundamentalista teocrata-militar- fascista. 

A derrota de Bolsonaro foi o gatilho que disparou o fanatismo dos integralistas, mas não é a causa da existência do movimento. Com ou sem Bolsonaro (with or without), a extrema direita vai seguir atuando, agora com rosto e voz. 

O presidente derrotado faz parte do passado, cumpriu a missão de abrir portas e janelas para que o autoritarismo se aproximasse do Estado Democrático de Direito e dividisse o país. 

O que assistimos nas ruas nesses dias, foi a histeria colérica de grupos fanatizados, manipulados pelo ultranacionalismo cristão injetado nos discursos inspirados por ideais e práticas fascistas. 

Quando exigem intervenção militar, não é para um general assumir o poder pois, na verdade, as fardas também fazem parte do sistema oficial. O pedido de intervenção militar é para impor o terror, garantir o medo e servir de ouvidoria para denúncias como “meu vizinho é petista”. 

A Frente Democrática que governará o Brasil a partir de 2023 terá de conviver com a realidade de que o país das trevas não é ficção, ele acordou das profundezas onde ciência, educação, saúde, justiça, democracia, bem-estar social são vistos como lenda. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247