Militares embusteiros, civis conciliadores

O confronto é inevitável e, ao considerar o alerta que levou o general Braga Netto, advertido que poderia ser preso se tentasse impedir as eleições de 2022, pode ser que algo esteja mudando em nossa sociedade

www.brasil247.com -
(Foto: Adriano Machado/Reuters)


Ao discutir a possibilidade de Jair Bolsonaro efetivar um “golpe” contra as instituições, é importante considerar que isso já aconteceu, em 2016, quando a presidente Dilma Rousseff foi submetida a um fraudulento processo de impeachment. Dar um golpe é como abrir uma porta sem saber o que há do outro lado. No nosso caso, havia Bolsonaro. Mau militar, bom miliciano e parlamentar medíocre, Jair ofereceu às forças armadas (FA) aquilo que elas jamais tiveram após o fim da ditadura militar: a legitimidade do voto popular para voltar ao poder. Contando com um sistema partidário fragmentado e uma classe política devastada pelas investidas do poder judiciário - a operação Lava Jato prendeu ilegalmente Lula, líder nas pesquisas -, Bolsonaro e os milicos voltaram à presidência sem precisar de tanques nas ruas. A “tutela militar”, instalada com a fundação da República (1889), parecia assegurada, com garantias de expansão sobre o Estado e as instituições.

No entanto, a pandemia do novo coronavírus escancarou o despreparo do Poder Executivo para lidar com a situação de crise. Generais e Oficiais, ocupantes dos principais cargos no governo, agiram com indiferença e incompetência em suas funções. O ministério da Saúde, comandado pelo general da ativa, Eduardo Pazuello, é o exemplo mais doloroso dos custos de ter militar sem expertise em cargo estratégico. Até aqui, foram quase 600 mil vidas de brasileiros e uma crise sem precedentes desde a redemocratização. Como a conta sempre chega, a última pesquisa Poder Data mostrou um aumento na parcela da população que avalia o trabalho das forças armadas como ruim/péssimo e uma queda nos índices de ótimo/bom. Tudo isso reflete também a ação da CPI do Genocídio, cujas revelações escancararam para o público “a banda podre das forças armadas”: Oficiais corruptos que tentaram lucrar com a compra de vacinas enquanto brasileiros morriam aos milhares todos os dias. Os Oficiais responsáveis foram chamados a dar explicações. Mentiram desbragadamente e jogaram na cara de toda a sociedade que a “palavra de fé pública”, garantida aos militares, não passa de licença para delinquir.

Daí que surgem as ameaças de golpe, estória de voto impresso e desfile de sucatas para ameaçar (?) a sociedade. Cedendo à “tutela militar” e reiterando a capitulação, o judiciário convidou integrantes das forças armadas para compor uma "Comissão de Transparência Eleitoral", notícia que só veio a público por descuido de seu realizador, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso - como se militares profissionais tivessem qualquer coisa a ver com processo eleitoral para terem a legitimidade de compor uma comissão dessa natureza(!). Tudo isso nos mostra que a união das instituições que deram o golpe, em 2016, apesar de abalada, não foi rompida. Prontamente, cinco ex-presidentes buscaram consultar os chefes militares sobre a possibilidade de um golpe que impeça as eleições de 2022. Os Oficiais afirmaram que o pleito irá acontecer e a posse será garantida. Minimizaram a participação de Bolsonaro em solenidades e formaturas militares com sinais de que não haverá quebra de hierarquia. Levantaram, todavia, a possibilidade de que o mesmo não ocorra com as Polícias Militares, contaminadas pelo bolsonarismo e a milícia, sujeitas a agitações que possam tumultuar o processo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Convém lembrar que os militares estão assegurados em salários, cargos, benefícios e orçamento, de modo que há muito a perder ao sair do governo, principalmente agora que as instituições avançam para punir os milicos responsáveis pelos crimes da pandemia. Assim, não se pode descartar a possibilidade de que o plano seja insuflar Bolsonaro em suas ameaças golpistas, participando e sendo conivente com cada ato. Ampliar a tensão política até que seja inevitável o motim de milicianos e radicais neofascistas que querem fazer aqui o Novo Capitólio. Neste cenário, as forças armadas “profissionais e comprometidas com a Constituição e a democracia”, surgiriam como garantidoras “da lei e da ordem” (de acordo com o artigo 142 da Constituição) debelando os sublevados e carimbando para si o heroísmo do ato cívico que é premiado com outra saída conciliada do poder, sem que haja punição pelos crimes cometidos durante a pandemia. A tática política dos milicos é sempre a mesma: criar o problema para, em seguida, se apresentar como solução.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As forças armadas devem servir ao Brasil e não o contrário. As lideranças e os partidos de esquerda precisam discutir projetos para modernizar as três armas e profissionalizar a formação a fim de afastar os militares da política, colocando um basta à secular “tutela militar”. Dado o inevitável desgaste de credibilidade das FA constatado junto à sociedade, o momento político nunca foi tão propício. A população precisa conhecer e adquirir consciência sobre as consequências nefastas da promiscuidade entre poder militar e poder político. Claro que há setores da sociedade civil que têm medo ou até mesmo apreciam a famigerada “tutela militar”, em muito por ela garantir seus interesses de grupo e classe. Mas o confronto é inevitável e, ao considerar o alerta que levou o general Braga Netto, advertido que poderia ser preso se tentasse impedir as eleições de 2022, pode ser que algo esteja mudando em nossa sociedade. Tomara.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email