CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Denise Assis avatar

Denise Assis

Jornalista e mestra em Comunicação pela UFJF. Trabalhou nos principais veículos, tais como: O Globo; Jornal do Brasil; Veja; Isto É e o Dia. Ex-assessora da presidência do BNDES, pesquisadora da Comissão Nacional da Verdade e CEV-Rio, autora de "Propaganda e cinema a serviço do golpe - 1962/1964" , "Imaculada" e "Claudio Guerra: Matar e Queimar".

720 artigos

blog

Militares vivem a hora do salve-se quem puder

A jornalista Denise Assis destaca a 'dimensão do que pode estar por trás dos novos episódios envolvendo Mauro Cid'

Imagem Thumbnail
Mauro Cid (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

“Com apoio popular e a delação de Cid em reavaliação, o risco de prisão de Bolsonaro fica mais distante”, diz um aliado do ex-presidente. A declaração deixa no ar a suspeita de que houve algum tipo de “armação” nos vazamentos dos áudios que foram exibidos pela Revista Veja, na semana passada. E de que eles foram úteis para alguém. Há até mesmo quem aposte, em seu entorno, que a delação do ex-ajudante-de-ordem possa ser anulada juridicamente, levando a que perca força política.

O quadro acima dá bem a dimensão do que pode estar por trás desses episódios que acabaram por levar o tenente-coronel, Mauro Cid, de volta ao Batalhão da Polícia do Exército, em Brasília, novamente na condição de preso.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Há até mesmo, entre os apoiadores de Bolsonaro, quem aposte até que os vazamentos de Mauro Cid afastaram o risco de sua prisão nos próximos meses, após o tenente-coronel ter dito que foi “obrigado” a delatar o ex-presidente.

As declarações o colocaram mal com a Polícia Federal e tiraram o ministro Alexandre de Moraes do sério. Sem contar que ninguém entendeu como Mauro Cid ignorou o risco de trazer de volta ao processo movido sobre a falsificação do cartão de vacinas de sua família, e do ex-presidente e sua filha, a sua mulher, Gabriela Cid. Deixá-la fora era um dos benefícios que obteria, em caso de uma delação bem-sucedida. Outro ponto, seria salvar a honra do pai, o general Mauro Cid, ex-integrante do Alto Comando do Exército Brasileiro, fotografado em plena tentativa de venda de joias do patrimônio da União.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Desde que deixou a prisão, para onde foi levado em 3 de maio de 2023 e saiu em 9 de setembro do mesmo ano, o ex-ajudante-de-ordem cumpria medidas cautelares e estava em prisão domiciliar, proibido de ter contato com outros investigados. Ao receber voz de prisão, nesta tarde, na PF, onde foi prestar esclarecimentos sobre os áudios recebidos pela Veja, Mauro Cid desmaiou. A reação leva a questionamentos sobre que tipo de treinamento andam tendo esses militares do EB.

Para um estudioso do meio militar, o que está em curso é uma “guerra psicológica adversa”. Em sua opinião, dela fazem parte uma “operação abafa” e uma outra para limitar o número de envolvidos militares que terão de comparecer diante de um juiz civil, mesmo que seja do Supremo (STF), para colocar suas explicações e possivelmente serem condenados. Não há nada nesse momento, segundo esse estudioso, que possa salvar os generais Walter Braga Netto, Paulo Sérgio de Oliveira e o almirante Almir Garnier.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A situação do general Augusto Heleno é ainda um pouco incerta. “Há uma preocupação de não se trazer muitas coisas em relação ao Heleno, devido ao fato de ele ser identificado como um sobrevivente de 1964, com muito prestígio nas Forças Armadas, dando a parecer que seria uma vingança contra 1964, quando ele já era um golpista, em 1977, quando se colocou contra o processo de abertura”, analisa.

Um outro grupo que está na ribalta é um grupo absolutamente indefensável, como o general Estevam Theophilo - que estava no comando do Comando de Operações Terrestres (Coter). O general Júlio Arruda, que estava no Comando do Exército e protegeu os acampamentos patrióticos no dia 8 de janeiro e, mais do que isso, desdobrou blindados para proteger golpistas. Ele não aceitou a transmissão de cargo no momento certo e ainda ameaçou claramente o ministro Flávio Dino, na noite de 8 de janeiro.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Também está sendo salvo nessa “operação abafa”, o general Dutra, (Gustavo Henrique Dutra), que era o general comandante militar do Planalto e nada fez para evitar a destruição dos palácios da República. E, claro, o coronel Fernandes da Hora que, dizem, está num cargo na Espanha, e era o comandante da Guarda Presidencial, o Batalhão Duque de Caxias, com pelo menos seiscentos a setecentos homens disponíveis para proteger o palácio e não o protegeu.

De acordo com esse especialista, “o grupo que está sendo salvo, é que causa estranhamento. Trata-se de um terceiro grupo, ou um terceiro grupo de indivíduos, composto pelo general Marco Gomes Freire, o Brigadeiro Batista Júnior e mais alguns, que o tempo todo sabiam do golpe, mas que tentaram deter por dentro, segundo eles, o golpe. E que também estariam sendo salvos”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nesse contexto, fica clara a solidão do primeiro grupo: Paulo Sérgio, Walter Braga Netto e o Cid, que entram nesse primeiro grupo, e o Almir Garnier. “Nesse sentido, a gente deve destacar o ar de espanto do advogado do Mauro Cid - Cezar Bitencourt -, dele ser indiciado, pois ele teria colaborado o tempo todo”, destaca. “É muito claro que ele achava que depois disso tudo, o Cid não seria levado perante um juiz. No fundo, a decisão se o Cid deve ser condenado e qual a pena, pelos diversos crimes que ele cometeu, é de um juiz, e não da Polícia. O delegado fez a coisa certa, em indiciá-lo. Agora o juiz é que resolve à luz da aparente, até então, colaboração do Cid”, observa.

Na opinião do especialista, agora, com o indiciamento de Bolsonaro e do seu grupo, “eles partiram para uma ofensiva. E esta ofensiva é desacreditar o processo, o andamento processual, o juiz da causa e a própria delação. Isso claramente não é uma operação especial. Isso é uma operação de guerra psicológica e adversa. Não pode ser chamada de operação especial como está sendo chamada por alguns, mas sim, de guerra psicológica e adversa”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ele destaca que a técnica é ministrada aos militares, naquele mesmo batalhão cujo comandante (Guilherme Marques de Almeida), desmaiou ao ser abordado pela PF, para depor.

“Então, na verdade, esses movimentos estão encadeados e se ligam entre eles, num processo de redução do dano, que quer dizer: Braga Netto, o próprio Cid e Almir Garnier. Talvez Augusto Heleno, que está sendo esquecido nesse processo. Isso implicaria que esse núcleo dos processáveis poderia ser levado até aquilo que nós chamaríamos de declaração de indignidade do oficialato, perdendo a patente, embora não perdendo o soldo, já que podem ser declarados “mortos fictos”, em favor da família. Esse é o grande grupo.

Uma situação especial, destaca, “é a do general Cid, a do pai do tenente-coronel, Mauro Cid. No sentido de que esse forneceu prova fotográfica do seu trabalho de interceptação. E, entretanto, não aparece no indiciamento. Está naquele grupo que deve ser salvo, formado pelo general Arruda, pelo general Dutra, pelo Fernandes da Hora e pelo próprio Cid. Lembrando que no Caso do general Cid, houve a tomada do telefone dele e se esperava que houvesse a transcrição do conteúdo do telefone dele, já que ele falou com todo o Alto Comando, e ele mobilizou todos para evitar a prisão do filho.

“Praticamente ninguém está mais falando do general Cid, embora ele tenha tido o telefone tomado e tenha apresentado prova contra ele mesmo, quando se fotografou como interceptador de peças roubadas do patrimônio público”.

E, é importante notar, adverte, “que essa operação de abafo, salvando Arruda, salvando Dutra, salvando Fernandes da Hora, salvando o general Cid, salvando o general Theophilo, e talvez até Augusto Heleno, ela é fundamental porque é a resposta que os militares dão para a questão: o que fazer com o general Braga Netto e com o general Paulo Sérgio?”. É que na visão deles, esses não são mais militares. Quando eles aceitaram cargos políticos, eles passaram a ser políticos. Inclusive filiados a partido político, como no caso do PL.

Nesse sentido, não haveria mal nas ações desse reduzido número, porque na verdade a gente estaria condenando políticos e não militares. “E isso é totalmente diferente se apanhasse o Arruda, o Dutra, o Fernandes da Hora o general Cid e o general Theophilo. Porque aí, é praticamente - tirando os dois coronéis: Mauro Cid e Fernandes da Hora -, um terço do Alto Comando, que não tinha cargo político”. Aí vai direto no coração da instituição Forças Armadas.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO