Militares x Gilmar: vão processar relator de caso do filho do presidente?

"Gilmar botou o dedo numa ferida ao tratar do desgaste da imagem dos militares no governo", diz Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia. "A principal razão pela qual os militares vão ter que botar a viola no saco, porém, é bem diversa: Gilmar é relator das ações nas quais Flavio Bolsonaro luta no STF para manter seu foro especial de julgamento no caso Queiroz"

(Foto: Senado | STF | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

Governo, com militares à frente, e STF, na pessoa de Gilmar Mendes, voltaram a se estranhar. Um “genocídio” mal colocado pra cá, uma nota exagerada pra lá, e a semana começou sob o signo de mais uma crise institucional à vista. Mais do que assombrar o mundo político, econômico e a cidadania, como é de se esperar nessas horas, a nova crise está é dando canseira em muita gente. Antes de tudo, porque as seguidas repetições desses episódios no governo Bolsonaro estão servindo para banalizá-los. Os bombeiros entram em campo, alguém faz uma nota e… pronto, resolvida a crise.

A nota desta manhã foi de Gilmar Mendes, que deve ter sido convencido por Dias Toffoli e alguns outros de seus pares. Mas o ministro não pediu desculpas por ter dito que os militares vão se associar ao genocídio que supostamente está sendo cometido por esse governo no tratamento da pandemia do coronavírus. Apenas esclareceu não ter atingido a honra das Forças Armadas, restringindo-e a refutar a decisão do governo de botar militares à frente das políticas públicas de saúde. E pronto. Mais não deverá fazer.

Os ultra-sucetíveis militares vão ter que engolir sua mágoa e, possivelmente, guardar na gaveta a representação que queriam fazer contra o ministro do STF junto à PGR. Em alguns dias, poderão até convencer o presidente da República a substituir o general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, ou convencer Pazuello e ir para a reserva – e assim tirar essa pedra do sapato. Essa é, na verdade, a razão pela irritação do ministro da Defesa: Gilmar botou o dedo numa ferida ao tratar do desgaste da imagem dos militares no governo, pois esse é o temor mais profundo de boa parte dos oficiais da ativa.

A principal razão pela qual os militares vão ter que botar a viola no saco, porém, é bem diversa: Gilmar Mendes é o relator das ações nas quais o senador Flavio Bolsonaro luta no STF para manter seu foro especial de julgamento no caso Queiroz. Alguém imagina que o sujeito que vai julgar o filho do presidente esteja sendo processado pelos militares do governo?

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247