Ministro da Justiça toma posse sob chantagem

"Novo ministro da Justiça toma posse em ambiente de chantagem, destinado a transformar qualquer iniciativa destinada a enquadrar a Polícia Federal em regras já estabelecidas como uma tentativa de proteger o governo Dilma e o Partido dos Trabalhadores", diz o colunista Paulo Moreira Leite; "Na vida real, a PF tem cometido faltas inaceitáveis, que vão desde uma escuta ilegal na carceragem de Curitiba até os vazamentos destinados a criar um ambiente de circo contra pessoas que são inocentes até prova em contrário. São casos que devem ser apurados, sob o risco do país conviver com um tumor autoritário que ameaça o Estado Democrático de Direito", completa o jornalista; leia a íntegra

www.brasil247.com - "Novo ministro da Justiça toma posse em ambiente de chantagem, destinado a transformar qualquer iniciativa destinada a enquadrar a Polícia Federal em regras já estabelecidas como uma tentativa de proteger o governo Dilma e o Partido dos Trabalhadores", diz o colunista Paulo Moreira Leite; "Na vida real, a PF tem cometido faltas inaceitáveis, que vão desde uma escuta ilegal na carceragem de Curitiba até os vazamentos destinados a criar um ambiente de circo contra pessoas que são inocentes até prova em contrário. São casos que devem ser apurados, sob o risco do país conviver com um tumor autoritário que ameaça o Estado Democrático de Direito", completa o jornalista; leia a íntegra
"Novo ministro da Justiça toma posse em ambiente de chantagem, destinado a transformar qualquer iniciativa destinada a enquadrar a Polícia Federal em regras já estabelecidas como uma tentativa de proteger o governo Dilma e o Partido dos Trabalhadores", diz o colunista Paulo Moreira Leite; "Na vida real, a PF tem cometido faltas inaceitáveis, que vão desde uma escuta ilegal na carceragem de Curitiba até os vazamentos destinados a criar um ambiente de circo contra pessoas que são inocentes até prova em contrário. São casos que devem ser apurados, sob o risco do país conviver com um tumor autoritário que ameaça o Estado Democrático de Direito", completa o jornalista; leia a íntegra (Foto: Paulo Moreira Leite)


A saída de José Eduardo Cardozo do Ministério da Justiça tem sido apresentada pela oposição e pela mídia grande como uma manobra do Partido dos Trabalhadores para garantir a impunidade de seus dirigentes acusados na Operação Lava Jato. 

Trata-se de uma ideia inteiramente fora do lugar. Sua finalidade é construir um ambiente de chantagem preventiva contra o sucessor, Wellington Lima e Silva. O novo ministro sequer havia sido empossado quando se colocava sob suspeita toda e qualquer iniciativa que possa vir a ser cogitada com a finalidade de disciplinar a Polícia Federal, para que ela passe a funcionar dentro de regras indispensáveis ao regime democrático.

Essa é a questão real, que só não é reconhecida, abertamente, pelos adversários do governo em função de uma conveniência política óbvia. Nos dias de hoje a Polícia Federal tornou-se uma grande peça de ataque ao Planalto, o que torna inconveniente qualquer tentativa de desagradar delegados e agentes envolvidos em investigações que atingem o governo e o PT.  

Na vida real, há um problema difícil de negar. A cada dia que passa a Polícia Federal se fortalece como um poder próprio, que não presta contas a ninguém, situação que nada tem a ver com a autonomia indispensável para que possa realizar um   trabalho indispensável para o país, sem interferência das autoridades, seja para perseguir adversários, seja para proteger aliados e amigos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois de ter assumido um papel de braço auxiliar do governo Fernando Henrique Cardoso – um de seus diretores, Vicente Chelotti, chegou a ir a um paraíso fiscal no Caribe para certificar-se de que um CD, capaz de produzir escândalos contra o Planalto, não caísse em mãos inimigas – em tempos recentes a atuação cotidiana da PF desafia as leis e regras que deveriam subordinar sua atuação aos poderes eleitos e procura espaço para se consolidar como polícia política, conforme denunciado neste espaço pelo professor Luiz Moreira, membro do Conselho Nacional do Ministério Público entre 2010 e 2015. Em entrevista ao 247, o professor apontou um "claro propósito de constituir um ambiente de terror. Esse terror reforça o poder da Polícia Federal frente as demais instituições que, por medo de represálias, tendem a ceder a seus caprichos."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa atuação tem como matéria-prima operações espetaculares e vazamentos seletivos, que têm marcado não apenas as diversas fases da Lava Jato, mas também a Operação Zelotes, que deixou o foco inicial, que envolvia sonegadores bilionários, para atingir um dos filhos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, numa investigação cujos valores não chegam a 1% da soma envolvida em casos que ainda aguardam esclarecimento e são apurados há mais tempo.

Estamos falando de um poder armado que busca se construir como uma força independente dentro do Estado, não só do ponto de vista financeiro e funcional, mas em seu comando político – inclusive pela escolha do diretor geral pelo voto dos delegados, reivindicação incluída num projeto em discussão no Congresso, o que seria a consagração da força de uma burocracia sobre os poderes eleitos, expressão da soberania popular.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda que as raízes da oposição aberta da Polícia Federal a Dilma possa ser atribuída a um motivo legítimo mas empregado de modo torto  --  negociações salariais mal conduzidas, em particular com os agentes da PF, onde no passado o Partido dos Trabalhadores chegou contar com apoio inegável –  a questão fundamental é outra.  

Nenhuma democracia, mesmo aquelas cuja estabilidade costuma receber elogios deslumbrados por parte de comentaristas brasileiros, consegue evitar transtornos e tumultos quanto um poder armado passa a agir por conta própria. Na pior hipótese, abre-se a porta para um golpe de Estado. Na menos daninha, quando a democracia se preserva, cria-se um tumor autoritário, fonte permanente de instabilidade. 

O reinado de meio século de John Edgard Hoover sobre o FBI norte-americano, costuma ser embelezado em filmes e seriados de TV, que convenientemente esquecem um ambiente tenebroso, criado no país, por um poder paralelo aos governos eleitos. Sem obedecer a nenhum tipo de controle externo, o FBI dedicava-se a intimidar artistas considerados suspeitos – fez um estrago em Hollywood, bisbilhotou também a vida de John Lennon, Marilyn Monroe –, invadindo a privacidade de milhares de pessoas inocentes. Usava a orientação sexual para  marginalizar cidadãos contra os quais não pesava nenhuma acusação criminal e perseguia políticos que não contavam com a simpatia de dirigentes que comandavam o maior serviço secreto do mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A passagem de cinco anos de José Eduardo Cardozo pelo Ministério da Justiça foi um fracasso naquele ponto mais delicado, que são as relações com a PF, um campo de batalha essencial em função do ambiente político. Isso ficou claro na dificuldade para aplicar regras disciplinares previstas em lei, exatamente para impedir que o trabalho policial – indispensável, não custa repetir – seja contaminado por interesses políticos. É assim que o artigo 364 do regimento disciplinar da Polícia Federal proíbe delegados e agentes de “referir-se de modo depreciativo às autoridades e atos da Administração Pública, qualquer que seja o meio empregado para esse fim.” Mesmo assim, nada aconteceu com delegados que, na reta final da campanha de 2014, divulgavam mensagens agressivas – no nível da pura estupidez fascista – contra o governo ao qual tem obrigação de servir e estão impedidos de "referir-se de modo depreciativo."

A denúncia de que se fez uma escuta telefônica sem autorização judicial na cela de Alberto Yousseff, em Curitiba, em breve estará completando dois anos. O próprio agente responsável pela instalação do equipamento confessou o que fez e denunciou quem lhe deu a ordem. Em depoimento oficial, um delegado apontou um escândalo dentro do escândalo: quando a história veio a publico, montou-se uma investigação de araque destinada a apagar rastros e garantir impunidade geral aos envolvidos.

Os vazamentos, essenciais na Operação Mãos Limpas, estudada a fundo por Sérgio Moro, nem costumam ser investigados pelo Ministério da Justiça a partir da noção de que a Constituição garante o sigilo da fonte para o bom desempenho dos jornalistas. Esse direito merece respeito, pois envolve a liberdade de informação (que deve ser defendida ainda que possa servir a finalidades perversas). Mas a postura de que nada pode ser feito revela uma visão conformista em relação a policiais que não respeitam o caráter sigiloso de suas investigações e usam informações recolhidas para criar um ambiente de circo político contra pessoas que são inocentes até que se prove contrário. Num serviço público na qual conversas são monitoradas cotidianamente, não é tão difícil assim localizar quem faz o que, quando, com quem.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email