Minúcias da reunião ministerial

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Depois do conhecimento da fatídica reunião ministerial de 22 de abril, muitos crimes praticados por Jair Bolsonaro passaram a ser conhecidos e já estão na agenda do Judiciário, da política e da imprensa. Tiveram contribuições significativas Abraham Weintraub, ao querer a prisão dos integrantes do STF, e Ricardo Salles, ao propor e fazer passar legislação ambiental sem discussão. São os crimes maiores.

O nível da linguagem e tom das falas são dados logo no início do encontro, quando o vice-presidente Hamilton Mourão recomenda dar um ‘esporro’ para ‘botar ordem nesse troço aí’ a fim de que fizessem silêncio. Na sequência, Braga Netto apresenta em menos de oito minutos um plano econômico, supostamente o único motivo da reunião, e clama pelo engajamento dos demais ministros de forma coordenada aos ditames apresentados. Isso é posteriormente substituído pelo presidente para que os ministros façam defesa do próprio ocupante do Palácio do Planalto, bem como de seus amigos e familiares.

Paulo Guedes se irrita com o apelido ‘Plano Marshall’ que o conjunto de intenções econômicas recebeu e afirmou que isso ‘revela despreparo nosso’, dito duas vezes. Não disse “pode dar a entender”, mas sim ‘revelar’, que por si revela de pronto o despreparo da equipe econômica em lidar com a questão. Há vários problemas de noção de tempo de Guedes ao afirmar logo após a apresentação de que não se pode repetir Lula e Dilma de 30 anos atrás, quando o governo do PT começou há menos de 20 anos. Também faz comparação com o PT de dois anos atrás, quando o partido foi tirado do governo há mais de quatro anos. ‘Foi os dois anos anteriores do PT’, diz Jair Bolsonaro, também com os mesmos problemas temporais de Guedes.

A retórica contra a China aparece logo do início – mesmo com as frases omitidas, fica claro que se trata de uma crítica a esse país.

Bolsonaro também evidencia que seu governo não contempla amparo a usuários de drogas nem políticas de prevenção de gravidez indesejada, conforme suas falas sobre o filho que ‘enche os cornos’ ou a filha que engravida. Isso sem falar na já conhecida misoginia.

Outro fato a se verificar ao longo desse ano é que o presidente afirma que está fora das eleições municipais, porém já manifestou recentemente que o empresário Paulo Marinho, que o denuncia pela interferência na Polícia Federal, tem esse tipo de interesse.

Mais uma significativa atravessada de Bolsonaro foi cobrar que os ministros não falem com a imprensa: “não pode falar nada. Tem que ignorar esses caras, cem por cento. Senão a gente não, não vai para frente”. Ou seja, impôs censura ao governo, que parece não ser totalmente cumprida, nem por ele, que continua lendo e criticando o que é publicado. Logo depois ameniza: “se a gente puder falar zero com a imprensa é a saída”.

Onyx Lorenzoni enalteceu a gravidade da doença (covid-19), mas afirma que “foi levado ao paroxismo da histeria porque serve a interesses de muitos, os mais variados”, sem explicar e detalhar, obviamente.

Por fim, dois outros detalhes revelados na reunião. Pedro Guimarães diz que tem quinze armas e que iria para matar e morrer e entende-se somente agora a preocupação da Damares com os supostos um milhão e trezentos mil ucranianos no país, pois foi o símbolo de um grupo de neonazistas desse país usado nas manifestações fascistas no final de maio em São Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247