Mobilidade urbana: os caminhos para uma Osasco sustentável

A mobilidade urbana será um dos grandes desafios para os próximos governos. Nas grandes cidades, a busca por qualidade de vida é uma das principais reivindicações da população e precisamos urgentemente de medidas sustentáveis

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A mobilidade urbana será um dos grandes desafios para os próximos governos. Nas grandes cidades, a busca por qualidade de vida é uma das principais reivindicações da população e precisamos urgentemente de medidas sustentáveis.

Em Osasco, a situação não é diferente e os investimentos em mobilidade são necessários. A cidade cresceu economicamente, saltou da 25º posição para a 6ª colocação no ranking do PIB brasileiro. Como consequência, tornou-se atrativa à realização de negócios, além de ser destaque pela prestação de serviços e o comércio de rua, que trouxe problemas sérios no trânsito.

Dentre outros desafios, a ligação norte e sul continua sendo um problema importante. Cortada pelo Rio Tietê e pela rodovia Castello Branco, precisamos de coragem para resolver essa questão.

Além da abertura de novas avenidas e obras viárias para diminuir pontos de engarrafamento, é preciso estimular o uso de outros meios de transporte, através da implantação de ciclovias para o uso de bicicletas e patinetes, assim como a ampliação dos corredores de ônibus e investimentos em transporte público de qualidade para que as pessoas tenham opção de chegar mais rápido em seus destinos.

Enquanto estive prefeito de Osasco, foram implantados 25 quilômetros de corredores de ônibus, criamos o cartão BEM, construímos terminais no Jardim Santa Maria, Jardim Veloso, Munhoz Júnior e reformulamos o terminal no Largo de Osasco. Também padronizamos os pontos de ônibus e determinamos a renovação da frota dos coletivos com veículos adaptados. Para garantir a fluidez, abrimos novas avenidas, como: Hilário Pereira de Souza, João Goulart, Panorâmica e Bandeirantes. Também foram feitos investimentos em duplicações: nas avenidas Hirant Sanazar, dos Remédios, Visconde de Nova Granada e Sport Clube Corinthians e na rua da Estação.

Mas, o que vemos é que são essas ferramentas implantadas nas gestões petistas que garantem a mobilidade urbana da cidade. Infelizmente, a atual administração não realiza novos investimentos. Por exemplo, a ampliação de corredores de ônibus foi simplesmente paralisada. Não houve avanço na conquista de uma nova entrada para Osasco pela Castello Branco e nem a integração dos ônibus com os trens da CPTM.

Neste sentido, na Assembleia Legislativa tenho trabalhado para conquistar obras e recursos para Osasco. Nesta semana, participei de uma reunião com o vice-governador Rodrigo Garcia, onde cobrei a construção do novo acesso à Osasco pela rodovia Castello Branco, a integração do transporte municipal com os trens da CPTM pagando apenas uma tarifa e a reforma e duplicação do viaduto Único Gallafrio, em Presidente Altino.

Nosso objetivo é contribuir para o crescimento da nossa cidade. Precisamos ser ousados e ouvir as demandas da população, e assim, juntos planejar uma Osasco com mobilidade sustentável que é a chave para o futuro.

*Emidio de Souza é deputado estadual e ex-prefeito de Osasco

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247