Modelo revolucionário

Tá certo quem disser que José Luiz Del Roio dispõe de cultura enciclopédica. De fato, esse setentão magro e elétrico, ativo como se tivesse a metade da idade que tem, foi redator da Enciclopédia Britânica muito antes do Google. Apenas uma das atividades deste escritor que se diz "lúmpen". Lúmpen internacional no sentido de não ter uma profissão fixa

Tá certo quem disser que José Luiz Del Roio dispõe de cultura enciclopédica. De fato, esse setentão magro e elétrico, ativo como se tivesse a metade da idade que tem, foi redator da Enciclopédia Britânica muito antes do Google. Apenas uma das atividades deste escritor que se diz "lúmpen". Lúmpen internacional no sentido de não ter uma profissão fixa
Tá certo quem disser que José Luiz Del Roio dispõe de cultura enciclopédica. De fato, esse setentão magro e elétrico, ativo como se tivesse a metade da idade que tem, foi redator da Enciclopédia Britânica muito antes do Google. Apenas uma das atividades deste escritor que se diz "lúmpen". Lúmpen internacional no sentido de não ter uma profissão fixa (Foto: Palmério Doria)

Tá certo quem disser que José Luiz Del Roio dispõe de cultura enciclopédica. De fato, esse setentão magro e elétrico, ativo como se tivesse a metade da idade que tem, foi redator da Enciclopédia Britânica muito antes do Google. Apenas uma das atividades deste escritor que se diz "lúmpen". Lúmpen internacional no sentido de não ter uma profissão fixa.

Ele teve de fugir do país em 1969, após o AI-5. Em 1977, com amigos, recolheu o que havia no Brasil de imprensa clandestina, imprensa operária, alternativa, pôs num navio e levou para a Itália – uma operação envolvendo um grupo de ativistas integrado principalmente por mulheres corpo a corpo com a vida. Coisa de cinema.

O acervo, finda a ditadura, com mais de 2.500 títulos, hoje está à disposição do público no Cedem, na rua Benjamin Constant, 108, na boca da praça da Sé, em São Paulo, onde era o escritório de Monteiro Lobato.

Entre esses títulos é impossível não encontrar referências à carreira desse modelo de revolucionário com dupla cidadania, brasileira e italiana, que já foi até senador na Itália e, pela Itália, foi deputado da União Europeia; carreira que se define nas antevésperas do golpe militar de 1964, aos vinte anos, quando, como secretário político do Comitê Universitário do Partido Comunista, decide trabalhar no campo. Por quê?

"Porque, entre os desgraçados deste país, os mais desgraçados eram os camponeses. Eles não tinham nada! Nenhum direito a organização. Havia as ligas camponesas. Mas eram ilegais."

E para isso o partido cria em 1963 a Contag – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura--, no auge governo Jango, que empolga a multidão com o anúncio da reforma agrária em 13 de março de 1964, com a desapropriação de terras ao longo das estradas federais, 15 km de cada lado – as reformas de base que estão aí ainda por fazer -- no histórico comício da Central do Brasil.

De lá, Del Roio, eufórico, segue com um grupo para o Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro. Só encontraram "um mulatão": Carlos Marighella. Que, muito calmamente, disse aos jovens: "Tomem cuidado. Arranjem casas onde não sejam conhecidos. O golpe é praticamente inevitável!" – na contramão da opinião expressa por Luís Carlos Prestes, para quem a situação era muito boa.

Aquele encontro pode ter sido o embrião do Agrupamento daqueles que partiram para a preparação do impossível: a luta armada. O Agrupamento – que se tornaria Ação Libertadora Nacional, cuja primeira operação armada se deu em São Paulo em fins de 1967 – tentava uma coordenação continental com a Olas – Organização Latino-Americana de Solidariedade. Era uma tentativa de organizar as guerrilhas. Mesmo antes de surgir a Operação Condor, a ditadura brasileira já agia, dando apoio macabro a outras ditaduras no continente.

Morto Marighella, em 4 de novembro de 1969, desaba tudo. O segundo da ALN, Joaquim Câmara Ferreira, o Toledo, morre em seguida. Del Roio tem que cair fora, para criar rotas de fuga, senhas e pontos, recuperar o como sair e entrar no Brasil. Praga, Argel, Paris, Roma.

Uma família que se salvou graças a essas rotas de fuga e correu mil perigos e sobreviveu para não só contar tudo, como tornar-se útil a seu país: a família de João e Janete Capiberibe. Havia para tanto um sistema de financiamento forte na Europa. Com ajuda de partidos comunistas, socialistas, grupos de solidariedade, setores das igrejas.

"Mas o sujeito vinha com pouco dinheiro, não tinha casa, como fazer? Assalto a banco. Uma loucura. Você usava um quadro altamente especializado, e o cara ia assaltar um banco."
Com o país de novo sob um golpe, histórias que virão à tona em forma de recuerdos na festa desarmada até os dentes na rua do Bucolismo, no bairro paulistano do Brás, dia 9 de julho, em memória da greve de 1917, em que Del Roio, autor de livro sobre a saga, recebe a Medalha Anchieta, concedida pela Câmara Municipal, a partir das dez da manhã.

O local não pode ser mais significativo. É no conjunto de fábricas, tombado pelo patrimônio histórico, no coração da cidade, em que funcionava o Império Matarazzo, alvo principal da greve geral em que as mulheres operárias tiveram papel decisivo.

Se a burguesia paulista teve o seu 9 julho em 1932, com a sua chamada Revolução Constitucionalista, o 9 de julho da classe operária, que abalou o país para sempre, começou ali em 1917.

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Liberdade aos cracudos e aprisionamento do cidadão? Uma Justiça de valores invertidos...
Frei Betto

Drogas e religião

Um pouco mais de espiritualidade cultivada nas famílias, sobretudo em crianças e jovens, e não teríamos tanta vulnerabilidade à sedução das drogas.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247