Mordendo a mão de quem te alimenta 2

Lembramos que somos um país democrático e conviver com diferentes ideias é parte do que é uma democracia. Então, o que quer o MBL?

Lembramos que somos um país democrático e conviver com diferentes ideias é parte do que é uma democracia. Então, o que quer o MBL?
Lembramos que somos um país democrático e conviver com diferentes ideias é parte do que é uma democracia. Então, o que quer o MBL? (Foto: André Granha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Diante da polêmica do primeiro texto, decidi novamente convidar o coordenador do MBL Alexandre Paiva para trazer as propostas do MBL para o Brasil. Lembramos que somos um país democrático e conviver com diferentes ideias é parte do que é uma democracia. Então, o que eles querem?

Segue abaixo o texto do Alexandre.

Olha quem está de volta meu amiguinho leitor de blog governista, seu amigo fascista, golpista, machista, racista, passista, pianista e surfista nas horas vagas (zoerinha, não sou nenhum destes istas aí não ). Olha aí você, que apostou que o Brasil 13 (ops, 247) não publicaria novamente algo que um dos liberais atrevidos do MBL por ventura viesse a escrever...

"Ói nóis aqui, traveis"...

Quando meu último texto foi publicado por aqui, muitos não curtiram a ideia de ler em seu site de notícias chapa branca predileto uma coluna onde um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL para os íntimos) explicava detalhadamente como foi que surgiu o MAIOR MOVIMENTO DE RUA DE TODOS OS TEMPOS, NA HISTÓRIA DO PAÍS, DO MUNDO, DA HUMANIDADE, NA HISTÓRIA DA VIA LÁCTEA, DO UNIVERSO! Licença "zoeiristica" à parte, organizamos, SIM, as maiores manifestações que este país já viu, queiram ou não os senhores aceitar.

Creio que tenha ficado claro aos senhores que o movimento não nasceu nas entranhas de um partido de oposição qualquer, e nem tampouco é bancado pelos irmãos Kock ou pela CIA (é uma pena, se fôssemos eu não teria que ficar implorando migalhas aos amigos para bancar os custos envolvidos nas manifestações...). Acredito que ao problematizar o nascimento do movimento, consegui descontruir essa imagem preconceituosa que vocês criaram a nosso respeito. A sociedade tende a ganhar, evoluir, progredir muito com a quebra deste paradigma.

- Então tá. Mas e aí? A Dilma caindo, qual é a ideia de vocês para o futuro do país?

Muito boa pergunta, meu pequeno mancebo! Sim, o MBL tem propostas para um Brasil melhor!

Poucos de vocês talvez saibam, mas o MBL organizou seu primeiro congresso nacional, em São Paulo, nos dias 28 e 29 de novembro, onde recebemos mais de 350 pessoas do país inteiro para discutir, debater e propor soluções para tirar nosso país da lama. Nossas pretensões são enormes, queremos pautar o debate político nacional, só pra começar. Ao pautar o debate, acreditamos que a sociedade tende a ganhar, pois finalmente veremos isso no Brasil, onde até esses dias atrás, só existia uma única visão de mundo. A visão de que o Estado é tutor do indivíduo, de que precisamos de um "paizão" que decida por nós o que é melhor e nos ofereça esse "melhor".









Nossa constituição federal de 1988 (mais conhecida como cartinha ao Papai Noel) ratifica isso, O art. 6º da Constituição define como "DIREITOS SOCIAIS A EDUCAÇÃO, A SAÚDE, AO TRABALHO, A MORADIA, AO LAZER, A SEGURANÇA, A PREVIDENCIA SOCIAL, A PROTEÇÃO À MATERNIDADE E À INFÂNCIA, A ASSISTÊNCIA AOS DESAMPARADOS, NA FORMA DESTA CONSTITUIÇÃO." Imaginem a cena, chega na sua casa um fulano qualquer que você não conhece o suficiente para confiar, e diz aos seus: "E aí galera, belezinha? Beleza... Então, vocês sabiam que todos vocês tem diretos muito legais garantidos por contrato. Galera, sério, a CONSTITUIÇÃO FEDERAL, COISA SÉRIA, NÃO TÔ DE BRINCADEIRA NÃO!!! Para ter acesso aos inúmeros e maravilhosos benefícios, basta que você me repasse todo mês 36% de tudo o que você receber. Papi aqui cuida de vocês, não se preocupem, podem confiar. EU AGARANTHIU."

Parece E MUITO aquele famoso golpe aplicado pelos presidiários (mais conhecidos aqui no site como vítimas da sociedade burguesa opressora e capitalista), de dentro das suas celas, com seus celulares que por lei não poderiam estar dentro destas celas, nos ligando e oferecendo a libertação de um ente querido nosso, que estaria em seu poder e que só seria liberado mediante o pagamento adiantado do valor exigido. O Estado "sequestra" nossos direitos, e exige o pagamento para que possamos ter eles de volta. Nós sempre pagamos, mas nosso "ente querido" nunca volta para nós. Ou volta? "Volta", talvez diga um defensor do estatismo. Ok, volta alguma coisa. Volta um atendimento PRECÁRIO E INEFICIENTE por parte do poder público. Você é forçado a pagar pelos impostos (não paga pra ver... Única coisa que funciona perfeitamente no país é o sistema de arrecadação), e o que recebe não chega nem perto de ser algo bom. E tem movimento por aqui querendo "transporte público, gratuito e de qualidade". Galerinha do MPL, não tem como colocar na mesma frase as palavras "´gratuito" e "qualidade" sem colocar no meio a palavra "sem". Ou será que existe qualidade em algum serviço oferecido pelo Estado brasileiro? Listem aqui nos comentários por favor, nos dêem exemplos minimamente satisfatórios, de onde isso aconteceu aqui no "Brasilzão de mô Deus."

O ESTADO NÃO FUNCIONA. PONTO.

E pra que raios então, vamos continuar insistindo neste modelo arcaico e furado? Vamos pensar um pouco fora da caixinha galera... Quem sabe não é chegada a hora de começarmos a implantar medidas liberais, medidas que permitam que o cidadão que não quer mais que o "Paputchu" Estado o tutore, tome as rédeas da própria vida. Recentemente ouvimos o seguinte de um certo figurão petista (um aí que teve o nome envolvido com o escândalo da bufunfa na cueca, vocês leeeembram que eu sei...): "Acho que o Brasil precisa nesse momento de mais Estado e menos mercado.". Eu ri. MAIS??? Talvez seja porque ele sabe que menos Estado significa menos dinheiro de impostos para enfiar na cueca. Menos dinheiro para investir em mídia chapa branca (ops). Não sei, só um palpite...

Defender mais mercado significa defender mais empregos, mais dinheiro circulando nas TUAS mãos e não nas mãos dos políticos que amam enfiar dinheiro em cueca e bancar mídia amestrada. Perderiam poder de barganha, e eles sabem disso. Por que afinal alguém que tem o poder nas mãos, como sempre quis, vai fazer de tudo para que este poder diminua? Ele não vai querer. Ele quer mais poder. Sempre mais.

MBL defende a queda do governo mais corrupto da história, confiante de que após a queda da presidente Dilma, nosso país tome outro rumo. Nosso povo não merece esperar mais três anos para voltar a ter esperanças, precisamos disso AGORA! Após a queda da presidente, esperamos sinceramente que nossos governantes se espelhem no que vem sendo feito na vizinha Argentina, que recentemente elegeu um presidente que lhes deu esperança novamente. E não deu esperanças lhes prometendo mundos e fundos UTÓPICOS, prometendo que é o governo quem deve suprir as necessidades de seu povo. Devolveu a esperança aos argentinos, ABRINDO O MERCADO. Trazendo vigor à economia, trazendo de volta empresas que haviam se afastado do país, e consequentemente trazendo de volta os empregos. É a prova de que nosso paladino do dinheiro na cueca, e toda a corja petista, FALHAM MISERAVELMENTE ao insistir na tese de que precisamos de mais Estado. Não. Não precisamos.

Imagine o Estado como um cachorro hipotético, que ao crescer demais, fica maior do que você e não mais aceita a coleira. Ele vai te engolir...

MBL defende veementemente a diminuição do tamanho do Estado, e diminuição da máquina pública significa grande economia de recursos e descentralização de poder. O cidadão deve ser servido pelo estado, e não virar servo dele. Defendemos veementemente a diminuição de impostos, nossa carga tributária é uma das maiores do mundo (e tem uma certa presidente querendo meter mais ainda a mão no nosso bolso, trazendo de volta a maldita CPMF).

Nossa proposta de país é essa, um país que se abra para uma nova possibilidade. Para um novo modelo econômico, algo que nunca tenha sido aplicado por essas bandas tupiniquins. Sim porque dizer que o Sr. FHC era liberal é o mesmo que dizer: o Lula é liberal (hahhhaahhaa, o próprio contou essa piada durante a semana, disse que era liberal, ri demais cara...). FHC "privatizou" estatais falidas somente porque não tinha outra opção, só isso. Não podemos esquecer que o governo dele criou diversos planos sociais, que posteriormente foram usurpados pelo PT, que "criou" o bolsa família ao unificando os planos assistencialistas do governo FHC.

Queremos que a politica seja oxigenada e receba com bons olhos uma outra perspectiva, a perspectiva liberal. Que não mais ouçamos a máxima infantilóide do "nós contra eles". Somos todos brasileiros, estamos todos no mesmo barco. Queremos que o debate politico passe para outro nível aqui no país, um debate acerca de ideias e não acerca de sentimentalismo barato, tão utilizado pelos socialistas.

Agradeço novamente o espaço cedido pelo Brasil 247, mordi mais um pouco a mão de quem vos alimenta. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247