Na ausência de Lula, Bolsonaro foi tratado a pão de ló na Band

"Numa campanha curta, o debate da Band foi um grande desperdício: perdeu-se uma oportunidade para ajustar conta com o fascismo de Bolsonaro", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "Numa conjuntura na qual até a Economist, bíblia do mercado financeiro mundial, define Bolsonaro como uma 'ameaça a democracia', a postura benévola da maioria dos adversários só confirma a irresponsabilidade de deixar Lula fora dos debates numa eleição decisiva para o futuro do país"

Na ausência de Lula, Bolsonaro foi tratado a pão de ló na Band
Na ausência de Lula, Bolsonaro foi tratado a pão de ló na Band (Foto: RICARDO STUCKERT/INSTITUTO LULA | Kelly Fuzaro/Band)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A noite de quinta-feira, 9 de agosto, será marcada como um dia especial  da democracia brasileira.

A aliança PT-PC do B demonstrou uma respeitável capacidade de articulação, ao   organizar um debate paralelo entre Fernando Haddad e Manuela D'Ávila menos de 48 horas depois que a Band deixou claro que iria se acumpliciar com a tutela judicial do processo eleitoral deixando o Partido dos Trabalhadores de fora do debate.

A audiência do encontro é uma demonstração inequívoca da popularidade de Lula e da disposição de grandes parcelas da população em defender o direito de votar no candidato de sua preferência. Confirma que, apesar de todas as pressões e injustiças, há um espaço imenso para Lula disputar o voto e, caso venha ser impedido, Haddad e Manoela tem condições de travar um bom combate e chegar ao segundo turno, como apontam todas as projeções até aqui.

Não se deve confundir um protesto de natureza simbólica, muito bem sucedido, com a disputa real pelo poder de Estado, pela sucessão de Michel Temer em eleições que representam a única oportunidade concreta -- ao menos até aqui -- para se eleger um governo comprometido com as reivindicações da população explorada e a reconstrução da democracia ferida pelo golpe de 2016. O debate entre os demais candidatos ao Planalto, travado no encontro promovido pela Band, confirmou a natureza do processo político em curso, que tem na exclusão de Lula sua matriz fundamental e na preservação de um regime de semi-ditadura o acordo comum entre a maioria dos concorrentes e seus patrocinadores de fato e de direito.

Expressão acabada dos riscos trazidos ao país por um regime de semi-ditadura, o fascismo de Jair Bolsonaro teve direito a um tratamento amistoso por parte da unimidade dos concorrentes -- a única exceção tendo sido de Guilherme Boulos, do PSOL.

É certo que nem todos os concorrentes fizeram como Alvaro Dias, que deu a Bolsonaro o tratamento gentil de um convidado para o chá das cinco, multiplicando situações de proximidade e comunhão entre ambos. 

Numa conjuntura na qual a revista Economist, bíblia do capital financeiro, usa um editorial para classificar Bolsonaro como uma "ameaça à democracia", era possível imaginar uma postura semelhante por parte de candidaturas alinhadas com o mesmo ideário econômico do Estado Mínimo. Mas não.

Embrulhado, por aliados, como o candidato capaz de derrotar Bolsonaro num hipotético segundo turno, Geraldo Alckmin não fez uma única manifestação relevante para demarcar terreno contra o fascismo.

Corretamente, Ciro Gomes contestou o projeto de Bolsonaro, de militarização do ensino público. Fez ironias e observações  pertinentes. A gravidade do assunto em pauta, longe de ser uma questo trivial, exige uma postura mais grave e séria, um confronto mais claro.

 Numa campanha curta, marcada por uma truculência fundamental que é a decisão de excluir o mais popular politico brasileiro da urna, perdeu-se uma boa oportunidade para ajustar contas com Bolsonaro e aquilo que ele representa.

Conhecendo os limites e interesses da maioria dos presentes, seria até ingenuidade imaginar um comportamento mais efetivo, comprometido com os valores democráticos.  

Fizeram aquilo que se poderia imaginar que iriam fazer -- o que só reforça a natureza irresponsável da exclusão de Lula dos debates de uma eleição decisiva para os rumos do país.

Alguma dúvida?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247