Na bola, Lula não perde. Mas o bolsonarismo é jogo sujo

"Em um quadro onde Lula teria hoje 54% dos votos válidos contra 46% do concorrente, isto é favoritismo, sim", escreve Gilvandro Filho

www.brasil247.com - Lula e Jair Bolsonaro
Lula e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/YouTube)


Por Gilvandro Filho, para o 247 

O jornalista Ricardo Noblat diz em seu blog que não será surpresa alguma para ele se Bolsonaro se reeleger. Infelizmente, por mais desastrosa que esta possibilidade venha a ser, não tiremos da cabeça que isto pode ocorrer. Não seria em circunstâncias normais. A esta altura do processo eleitoral e com as pesquisas de intenção de voto demonstrando um estável favoritismo de Lula, devemos ter cuidado com tudo pode vir por aí.

Estamos brigando não contra um candidato, contra um partido, contra uma coligação. A luta de quem pretende ver o Brasil novamente na normalidade democrática é contra o bolsonarismo, hoje a mais perigosa facção de crime organizado em nosso país.

Tudo no bolsonarismo remete à mutreta, à desconfiança e à perplexidade. Tudo pode acontecer quando essas mentes diabólicas se unem para trabalhar pelo mal. Se vivemos hoje a plenitude desse movimento odioso e maligno, não esqueçamos que a virada para essa sucursal do inferno aconteceu em 2018, numa eleição como esta. Eleição que se ganhou na malícia com chicanas jurídicas que tiraram do páreo o candidato que as pesquisas davam como franco favorito. Sem coincidência, o adversário deles era o mesmo de hoje.

Foi preciso que um esquema jurídico suspeito conseguisse a prisão de Lula para que o caminho ficasse relativamente livre para o candidato preferido do juiz encarregado da trama. Não por acaso, o mesmo juiz que, com a eleição do apadrinhado, tornou-se ministro da Justiça. Depois, esse juiz de lavajato fingiu brigar com o seu presidente, saiu falando mal do governo, conseguiu com isto se eleger senador, mas logo voltaria na condição de coach do hoje candidato à reeleição.

Voltando a 2018, com Lula apeado da corrida presidencial e com o ex-ministro da Educação Fernando Haddad como candidato pelo PT, Bolsonaro fez de tudo para melar a disputa. Começando por fugir dos debates, ajudado aí por um “atentado” até hoje mal explicado que o deixou de fora da vitrine e presente só e fartamente na mídia e nas fake news.

Transcorrido um mandato de trevas, o atual e inadequado presidente da República cumpriu tudo o que prometeu. Mentiu, perseguiu, armou os aliados, fez um governo para uma horda fanática e do mal. Com ele à frente de um esquema monstruoso de omissão e incompetência, o país chorou quase 700 mil vidas perdidas com a pandemia do Covid-19. Responsável direto pela tragédia, o presidente zombou dos mortos e das famílias destes, posou de garoto propaganda de remédio ineficaz, seus apaniguados tentaram ganhar uma fábula com esquema de compra de vacina superfaturada, escândalo que a CPI da Pandemia conseguiu impedir.

Em todos os setores, ele cumpriu com sua palavra e tornou-se o pior governante que o país já teve. Da Educação ao Meio Ambiente, trágico. Da Cultura às políticas sociais, desastroso. Da Economia à Ciência, deplorável. Em pensamentos, palavras e atos, desrespeitoso, mentiroso e institucionalmente perigoso. Trocou a Democracia por pelo bolsonarismo, um misto de política do Centrão com fanatismo religioso e negacionismo científico, que tornou-se um movimento bizarramente consolidado diante de um país perplexo.

Desse modo, não vamos dormir sobre os números das pesquisas. São números expressivos, um deles, particularmente importante. Segundo o Ipec, 93% do eleitorado têm certeza do voto. Em um quadro onde Lula teria hoje 54% dos votos válidos contra 46% do concorrente, isto é favoritismo, sim.

Esses números mostram que, na bola, Lula dificilmente perderá. Mas, não estamos disputando com quem joga limpo, com a habilidade nos pés e com o regulamento debaixo do braço. O jogo com esse povo é duro e é sujo. Olho vivo e toda cautela. Do outro lado está o bolsonarismo para quem a Lei, a Democracia e a decência são meras figuras de retórica.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247