Não criticar Claudia Cruz é que é machismo

Ao fim e ao cabo seria como não considerá-la como um ser pensante, capaz das mesmas atrocidades que seu vesgo e vil esposo, Eduardo Cunha

Ao fim e ao cabo seria como não considerá-la como um ser pensante, capaz das mesmas atrocidades que seu vesgo e vil esposo, Eduardo Cunha
Ao fim e ao cabo seria como não considerá-la como um ser pensante, capaz das mesmas atrocidades que seu vesgo e vil esposo, Eduardo Cunha (Foto: Igor Santos)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Existe sempre um relativismo rondando a "esquerda" playground, como se as guilhotinas estivessem erradas ao separar Maria Antonieta de sua cabeça imperial ou mesmo quando os bolcheviques mandaram para a vala toda a família do Czar, incluindo empregados leais.

Existe um malabarismo discursivo que condenou Boechat quando ele mandou Malafaia procurar uma rola, o mesmo malabarismo que agora diz que é machismo denunciar a esposa do Cunha, como se fosse uma figura inocente nesse processo todo sobre contas na Suíça.

Acho no mínimo subestimar a inteligência da esposa do Cunha colocá-la como vítima, dizer que criticá-la é tão somente machismo, sem fazer a análise que a mesma é jornalista e trabalhou durante anos na central globo de jornalismo.

Inclusive mirar nela além do Cunha é centrar fogo naquilo que Cunha diz defender: a famosa família tradicional.

Que exemplo moral a família tradicional do Cunha nos ensina? Só o judiciário brasileiro poderá nos responder.

Não criticar Claudia Cruz é que é machismo, pois ao fim e ao cabo seria como não considerá-la como um ser pensante, capaz das mesmas atrocidades que seu vesgo e vil esposo.

E sim, ela é capaz, assim como todas as esposas de patrão, assim como todas as mulheres e homens no topo da pirâmide social.

Grego só entende grego. Criticar Claudia Cruz e denunciar os crimes em conluio com seu marido Eduardo Cunha, que o Ministério Público Suíço trouxe a público, não é machismo, assim como denunciar os crimes de guerra cometidos pelo governo de Israel não é ser antissemita, assim como denunciar o estado islâmico não é ser islamofóbico, assim como criticar a ganância e a vaidade de alguns líderes religiosos e suas bancadas no parlamento passa longe de ser preconceito religioso.

Entenderam?

No mais, todos os adjetivos que se pode empregar a Claudia Cruz também podemos empregar a Eduardo Cunha.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247