Não é fácil derrotar um populista de extrema direita

Para o jornalista Alex Solnik, “Trump está dando uma demonstração de força” nestas eleições. “Por todas as maldades que já cometeu deveria ter sido varrido do mapa nessas eleições, mas está pau a pau com Biden”, argumenta. Segundo ele, daqui a dois anos, em 2022, será a vez dos brasileiros contra o populismo de extrema direita

Donald Trump
Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ganhando ou não as eleições, Trump está dando uma demonstração de força. Por todas as maldades que já cometeu deveria ter sido varrido do mapa nessas eleições, mas está pau a pau com Biden.

Tal como se dá com Bolsonaro aqui, suas atitudes toscas e retrógradas, supremacistas, machistas, negacionistas, suas injúrias e calúnias diárias, seus ataques à liberdade de expressão e de imprensa, suas piadinhas sujas, seu desprezo às pessoas mais humildes, ao meio ambiente, sua frieza, crueldade não tiram apoio, não tiram voto, como nós imaginamos. Até ajudam.

Parece que os norte-americanos e os brasileiros gostam desses tipos, vazios e engraçados, grosseiros e palhaços, autoritários. Mandões.

A gente sempre acha que por serem assim serão reprovados nas urnas; mas não são.

E eu acho que isso tem explicação. A máquina de propaganda. A começar deles. Tanto Trump como Bolsonaro falam mais que a boca, falam o dia inteiro, sem parar, das primeiras horas da manhã até às últimas da noite, por todos os meios de comunicação. Pautam o país. A cara e a voz deles está em todos os lugares.

Depois, usam todos os meios. Todos. Multiplicam suas mensagens que chegam a dezenas de milhares de pessoas. De tanto falar, impõem as suas narrativas. Usam o mesmo expediente criado por Joseph Goebbels.

O principal objetivo de seu ministério da propaganda era colocar a cara e a voz de Hitler no cinema, no rádio, nos jornais, todos os dias, muitas vezes ao dia, sorrindo, beijando criancinhas, ganhando flores de estudantes. Foi o criador do culto à personalidade.

Graças à máquina de propaganda de Goebbels o monstro era adorado pelas multidões, até mesmo pelas crianças.

A máquina de propaganda possibilita a Trump disputar pau a pau com Biden em plena mortalidade causada pela pandemia que ele desprezou.

É a máquina de propaganda que aumenta os índices de popularidade de Bolsonaro, apesar de sua absoluta incompetência para comandar o Brasil.

É o que o mantém com 40% de aprovação, para total espanto e perplexidade geral.

Eles falam sem parar, eles são carismáticos, eles são palhaços. E os brasileiros e os norte-americanos médios se identificam com eles. Se identificam com sua grosseria, seu machismo, sua incultura. E votam neles.

A eleição nos EUA está mostrando como é difícil derrotar um populista de extrema direita.

Daqui a dois anos será a nossa vez.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247