Não é pela segurança pública, é a conta do acordo com a milícia

Em nenhum momento Jair Bolsonaro trata de segurança pública, pelo contrário, seu projeto para os órgãos de inteligência e de segurança é a instrumentalização e o aparelhamento a serviço de sua família e do obscuro projeto de poder que defendem

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Presidente Jair Bolsonaro cobra o compromisso político da base que amealhou ao custo de bilhões de reais para eleger Arthur Lira como presidente da Câmara. Os quatro decretos editados pelo presidente na sexta-feira (12), alteraram diversas regras sobre a compra, posse e porte de armas e causaram certo desconforto entre o presidente e o vice-presidente da casa legislativa. 

O Vice-presidente da casa, Marcelo Ramos, correu à diferenciar-se do governo e defender a necessidade de uma ampla campanha de vacinação contra a Covid-19. Logo, o Presidente Arthur Lira perfilou-se ao lado de Bolsonaro, defendeu os decretos armamentistas e isentou o Presidente de responsabilidades na condução da crise sanitária. 

Ou seja, Bolsonaro mandou um recado, e Lira disse que entendeu!

Usou os decretos para encurtar caminho, impossibilitar o debate público, pagar dívidas contraídas com grupos paramilitares (milícias) durante a campanha e postar-se ante sua base eleitoral. Como alguém que cumpre suas promessas, sem pedir licença a ninguém (eu sou o estado), usou os decretos para insuflar uma boa dose de ânimo em sua base política mais fiel. Exatamente no momento que enfrenta a maior baixa em sua popularidade desde o inicio de seu mandato.

Armar é a prioridade. Em nenhum momento Jair Bolsonaro trata de segurança pública, pelo contrário, seu projeto para os órgãos de inteligência e de segurança é a instrumentalização e o aparelhamento a serviço de sua família e do obscuro projeto de poder que defendem. 

Aumentar de 04 para 06 a quantidade de armas para “defesa pessoal”; flexibilizar a fiscalização e regulamentar a quantidade absurda de 60 armas para atiradores, 30 para caçadores e 10 para colecionadores, não é justificativa para redução da violência e dos índices de criminalidade. Ao contrário, representa a sinalização de que, se o Congresso Nacional não se impor, o Executivo vai trabalhar para garantir a liberalização geral do porte de armas nas ruas, inclusive as de uso restrito.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email