"Não olhe para cima" - Desumanização universal

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


Realmente a sociedade de consumo “evoluiu”, e muito, através de múltiplas adaptações a um criacionismo torpe. Não o criacionismo de um Deus, que se fez carne para nos salvar como prega o livro Santo, ou Bíblia, mas aquele “criacionismo” humano, cheio de lucro. O lucro desumaniza, viraliza, inviabiliza. O lucro que hoje vende mediocridades, libertinagens e inverdades para os humanos mais fracos e inferiorizados.

 A humanidade já deixou de olhar a beleza da natureza, e lança seu olhar minucioso e pernicioso às “coisinhas”: “ O carro, a moto, a viagem, o apartamento que ri, ou a casa de campo que faz dancinha”.

 Humanidade?  “ A vida vai ficando cada vez mais dura perto do topo”, disse o autor da Genealogia da Moral. A moral, a ética, duas gêmeas, que hoje estão desconcertadas com inglória do Homem. A plataforma dos tempos capitalistas transfigurou quase todos em suseranos e vassalos dos pérfidos poderes. E idolatrar à vulgaridade é o comando do algoritmo (senhor clerical/cultural/científico) dessa fase aguda da pós-modernidade.

Sim, senhor Friedrich Nietzsche, a vida no topo deve ser duríssima, a ponto de até mesmo a vinda de um corpo celeste de 10 km, feita de minérios e gases em direção ao planeta Terra (nossa casa espacial) não comover, não causar pânico, principalmente em Big Techs carregadas de trash.

Quem dirige o planeta são os grandes mentirosos, não os mentirosos, hoje a verdade é apenas ejaculada precocemente, e em terra infértil. Que pena. As meias-verdades cegam e podem levar à terminalidade: uma gama de genes específicos que levaram milhões de anos para se especializarem. Inteligência versus Ganância estão no ringue; e parece que a segunda lutadora está em vantagem. Há séculos que a matreirice reina de escravidão em escravidão. Sim, esta viciante soberba milenar vem ensinando, como é muito melhor estar com os “grandes”, como proferiu a presidente norte-americana do filme “Não olhe para cima”, aquela que o “rei algoritmo” da “ficção” ou “drama” (inspirado) na realidade: previu que seria engolida por um adorável Bronteroc.

#LeiaBrazilevireBrasil     #FelizAnoNovodenovo                    

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email