Ninguém tira o trono de estudar!

A inclusão social e educacional que passaram a ter pela primeira vez em nossa história se deu nos governos de Lula e Dilma, com o investimento maciço em educação e na aprovação da política de cotas. É isso que Bolsonaro quer acabar e é em defesa do direito sagrado à educação que se luta nas ruas



O direito de estudar, algo bem simples de se entender, é o que estava por trás das manifestações do dia 15 de maio, que reuniram dois milhões de estudantes, professores e pesquisadores em 22 cidades do país.

Apenas dois dias antes a história oficial relembrava a data da Abolição, que jogou na rua os negros escravizados sem nenhuma condição de sobrevivência. Surge daí a população socialmente excluída que vive nas favelas, periferias e nos rincões do Brasil, sem-terra, sem trabalho e sem acesso à educação.

A inclusão social e educacional que passaram a ter pela primeira vez em nossa história se deu nos governos de Lula e Dilma, com o investimento maciço em educação e na aprovação da política de cotas. É isso que Bolsonaro quer acabar e é em defesa do direito sagrado à educação que se luta nas ruas.

No último dia 30 de abril, o governo Bolsonaro confirmou o corte na casa de 30% do orçamento das universidades federais e que também atingiu o Colégio Pedro II e os Institutos Federais (IF). É impossível não fazermos a comparação entre a visão de sociedade de Bolsonaro e dos governos Lula e Dilma. Estes governavam superando as limitações políticas e orçamentárias para garantir a inclusão social e educacional da população pobre e discriminada, vendo o pobre como solução e não como problema, como é o caso de Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse período vimos os investimentos na educação aumentarem em cinco vezes, saltando de R$ 18,1 bilhões para R$ 100 bilhões. Ao lado disso o governo de então criava políticas de geração de emprego, distribuição de renda e aumento real do salário mínimo. Era a visão de sociedade humanista, que proporcionava no presente melhores condições de vida e ao mesmo tempo investia no futuro das novas gerações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foram tempos de uma verdadeira revolução se considerarmos que em uma década foi realizada a proeza de se fazer mais do que em toda a nossa história, com a construção de 173 campi universitários, 18 novas universidades, duplicando o número de matriculas, mais de 2 milhões de brasileiros e brasileiras formados pelo PROUNI, sem falar do piso salarial para os professores, ampliação da jornada escolar para 7 horas em 57 mil escolas com a oferta de atividades de educação ambiental, recreação, cultura e lazer.

Estamos falando de indicadores que contribuem não apenas com o desenvolvimento humano de nossas futuras gerações, mas também propiciam perspectivas de mundo que se contrapõem à criminalidade e dão oportunidade aos que foram relegados à margem de direitos básicos nas periferias e rincões do Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hoje, lamentavelmente, vemos o desmonte da educação com a perseguição aos professores e a ameaça às nossas instituições de ensino enquanto se prioriza a guerra contra as comunidades. Com a falsa ideia de que a violência é o melhor instrumento para combater a criminalidade o que se busca é aumentar exponencialmente o índice de mortes de jovens negros. Não existe segurança pública mais eficiente que o investimento em educação e na geração de empregos. O que estão fazendo é um crime contra as futuras gerações de brasileiras e brasileiros.

Presenciarmos os estudantes e os professores mobilizados, com amplo apoio da sociedade, nos dá a certeza de que podemos resgatar os direitos sociais e o futuro de nosso povo. Nas ruas do país a juventude respondeu com livros a imposição do ódio e das armas como suposta solução de nossos problemas.

Lutamos por uma pátria educadora, com justiça social e soberania, uma sociedade inclusiva, que garanta oportunidades para todos e o direito a uma aposentadoria digna. Essa foi a inequívoca mensagem das ruas da gigantesca manifestação nacional dos estudantes e professores do dia 15 de maio e que nos encheu de esperança e orgulho democrático.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email