Nó na garganta

Sinto um nó na garganta, mas sinto também os comichões de quem cresceu num ambiente de luta e resistência. De quem aprendeu cedo a ser oposição. De quem só agora se dá conta de que ser oposição é como andar de bicicleta: não se esquece

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Eu nasci 15 dias depois da Lei da Anistia.
Tinha 4 anos, a idade atual do meu filho, quando fui a um comício por eleições diretas.
Aos 9 anos, exultei com a eleição de uma prefeita mulher e nordestina.
No ano seguinte, me somei a um brasil criança na alegria de se abraçar.
Perdi. Perdemos.
Ficou a ousadia. Sem medo de ser feliz.
Em 1994, no primeiro ano do Ensino Médio num colégio de elite de São Paulo, fiz aniversário três semanas antes da eleição.
"Feliz aniversário, Camilo. Lula lá, só em 2002", me escreveu um amigo.
Ele tinha razão. Sua bola de cristal estava certa.
Em 2002, já jornalista, repórter numa revista semanal, custei a me acostumar que a palavra "oposição" já não se referia à minha turma na aurora de 2003. Sensação estranha. Como pode a oposição ser a direita, os conservadores, os oligarcas, os senhores de engenho?
E logo aqui, no Brasil?
Nos 12 anos que se seguiram, me acomodei.
Tínhamos um presidente metalúrgico.
Tínhamos o Fome Zero, o Bolsa Família.
Tínhamos uma presidenta mulher, guerrilheira.
Tínhamos até uma boa piada interna:
"Agora que chegamos ao governo, quando vamos chegar ao poder?"
No final de 2014, voltei a vislumbrar a hipótese de ser oposição novamente.
A hipótese virou probabilidade, virou tendência.
Consumado o golpe, sinto um nó na garganta, um vazio no peito, uma ânsia esquisita por me perceber novamente derrotado, como em 1989.
Subestimei o golpismo. Até dois anos atrás, achava meio ridícula a mania do Paulo Henrique Amorim de chamar os jornalões de Partido da Imprensa Golpista, o PIG. Subestimei, igualmente, a fragilidade da nossa democracia. Uma fortaleza de cartas.
Sinto um nó na garganta, mas sinto também os comichões de quem cresceu num ambiente de luta e resistência. De quem aprendeu cedo a ser oposição. De quem só agora se dá conta de que ser oposição é como andar de bicicleta: não se esquece.
Não foi a Bahia que me deu régua e compasso.
Quem me deu régua e compasso foi o idealismo, foi a democracia.
Voltaremos. E voltaremos melhores. Melhorados.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247