Novo ensino brasileiro não aceita nem Mandela

"Em Brasília, uma escola pública do Centro educacional 1, na Estrutural, foi obrigada a retirar um painel com a pintura do rosto do líder sul-africano Nelson Mandela e apagar frases pintadas por alunos e artistas voluntários", reforça Gilvandro Filho, do Jornalistas pela Democracia; na capital federal, diz ele, "já são três unidades de ensino que passam pelo mesmo enquadramento militar"; "O que acontece nas escolas de Brasília é uma situação emblemática de para onde caminha o ensino no governo atual. É o Ministério da Educação e Cultura sob gestão do bolsonarismo e do olavismo", critica

Novo ensino brasileiro não aceita nem Mandela
Novo ensino brasileiro não aceita nem Mandela

Por Gilvandro Filho, do Jornalistas pela Democracia

A notícia publicada esta semana no G1 é de estarrecer. Em Brasília, uma escola pública do Centro educacional 1, na Estrutural, foi obrigada a retirar um painel com a pintura do rosto do líder sul-africano Nelson Mandela e apagar frases pintadas por alunos e artistas voluntários. A ordem – a matéria fala em “pedido” – partiu da Polícia Militar do DF, que será a gestora da escola a partir deste ano.

Tinta branca é o que vê, agora, no local onde estava o painel. E na parte externa do muro, onde crianças com necessidades especiais faziam pintura livre, sobre o branco está escrito o nome dos novos donos do pedaço, em letras de tamanho a não deixar dúvidas: Colégio da Polícia Militar do Distrito Federal.

Em Brasília, já são três unidades de ensino que passam pelo mesmo enquadramento militar. De Ceilândia, do Recanto das Emas e de Sobradinho. A previsão é de que o mesmo aconteça em mais 36 escolas do DF. Segundo a matéria, o governo do distrito Federal (GDF) justifica a adoção do regime militar nas escolas por estarem em áreas de alto risco de violência e baixo desempenho escolar.

Para resolver esses dois problemas, nada melhor, apostam os “gestores”, que começar eliminando exemplos “perigosos” como o de Mandela, das paredes das escolas. Afinal, ali estavam frases como “Educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. Em um país cuja primeira ação do novo governo foi liberar a venda de quatro armas de fogo para habitante “habilitado” (75% da população), uma coisa dessas chega a ter ares de deboche.

O que acontece nas escolas de Brasília é uma situação emblemática de para onde caminha o ensino no governo atual. É o Ministério da Educação e Cultura sob gestão do bolsonarismo e do olavismo. O titular do MEC, o colombiano Ricardo Vélez Rodríguez, é uma figura emblemática do governo Bolsonaro. Foi indicado pelo teórico do grupo político, o “filósofo” Olavo de Carvalho, seu mentor e mestre.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O titular do MEC encarna, como poucos, a nova cara que se pretende dar ao ensino no país: Escola Sem Partido, mas com ideologia de extrema-direita; nenhuma chance ao pensamento crítico e à reflexão; substituição imediata das referências, como Paulo Freire, por figuras bisonhas como o próprio Olavo ou torturadores do antigo regime militar.

Com um currículo extenso formados por uma gama de obras e livros desconhecidos, Vélez Rodrigues é protagonista de tiradas intelectualmente bizarras que têm deixado a imagem do Brasil no chão diante da comunidade internacional. Já acusou os brasileiros de canibais e ladrões de hotéis; citou, sem fundamento, o compositor Cazuza como exemplo de incivilade; puxou briga com a atriz e diretora do filme “Carlota Joaquina”, Carla Camuratti, que, claro, nem deu ouvidos; expeliu teses como a que classifica faculdade como coisa só para ricos e a doutrinação ideológica para crianças como o cerne do problema educacional no País. Seu preparo técnico é questionado até mesmo dentro do governo.

Nos programas de TV transmitidos pelo Youtube e nos cursos de filosofia online que ministra, o escritor e guru Olavo de Carvalho sempre defende a a eliminação do “marxismo cultural”, segundo ele, implantado pela esquerda, sobretudo na mídia e na educação do País. Uma das primeiras medidas que ele orienta é justamente atacar a memória e o imaginário popular, dizimando referências “comunistas”.

Um prato cheio para Bolsonaro e seus filhos e adeptos, que tem como modelo de cidadãos figuras como o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, único militar brasileiro até hoje condenado por tortura e cuja marca de sadismo era torturar presas políticas na presença dos filhos pequenos da vítima. “Verdade sufocada”, de sua autoria, é o livro de cabeceira do presidente e já foi sugerido por militares e parlamentares aliados para ser adotado no ensino público. Junto com a volta do ensino de Moral e Cívica, outra bandeira clássica do ministro Vélez Rodríguez.

Estamos indo bem... 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Brasil, Israel e os anões morais
Mauro Nadvorny

Terceira eleição em Israel

Desta vez, Bibi não tem maioria para desfazer o parlamento e convocar novas eleições. Elas só podem acontecer se nenhum partido que receba o mandato do presidente consiga formar um governo e é isso...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247