O abismo da crise e a demência da oposição

O ente "oposição" não se limita a partidos, mas é postura terrorista, divisionista, denuncista, caluniosa, injuriosa e catastrófica que se articula entre partidos com poucas votações

Duas forças se atraem e se abraçam catastroficamente nesse momento no Brasil. Uma é a crise abismal que vivemos depois de 12 anos de conquistas, ainda que distantes da justiça social que almejamos.

A outra força que atenta contra tudo o que seja bom, nacional, democrático, de conquistas de direitos e de riquezas é a malvada e negativa oposição.

O ente "oposição" não se limita a partidos, mas é postura terrorista, divisionista, denuncista, caluniosa, injuriosa e catastrófica que se articula entre partidos com poucas votações, a mídia poderosa golpista e alienante, a religiosidade fundamentalista e fanática, bandida e ligada aos piores costumes éticos, econômicos, políticos e sociais históricos.

Esse ente leva muitos ignorantes e incautos pela frente.

Estes são risíveis quando empunham bandeiras que não sabem quem inventou, quem as tremula nem o que significam. Pior, são ameaçadores e rosnam para morder que nem cachorros com fome.

Seguidamente alguns desses coitados remetem comentários para o meu blog. Sua marca é a total falta de fundamentos. Como rosnam contra a esquerda, os partidos socialistas e até a União Soviética que não existe desde os anos 90 e não têm conhecimento, porque não leem, não estudam nem participam de nenhuma organização séria que os eduque, colam do Google textos de Rui Barbosa – que era um reacionário e conservador – e outras textos retalhados e desconexos como as que a mídia veicula.

É engraçado vê-los de cara fechada babando de ódio e dando conselhos quanto aos caminhos que seguimos e que eles odeiam. Alguns desses bebês chorões eu conheço porque foram meus alunos. Nessa condição nunca me enfrentaram pessoalmente em sala de aula, mas sempre que puderam me prejudicaram, mentiram contra mim e fizeram futricas. Sei que são incapazes de ler alguma coisa e suas notas eram muito ruins. Muitos até passam de semestre, mas somente com ajuda de seus professores.

Como monitoro e filtro os comentários que ao blog chegam é evidente que os excluo e jogo na lixeira, lugar bem apropriado para dementes dessa oposição vazia, irresponsável e máltica. Não permito que meus leitores se sujem com o que esses infelizes escrevem – infelizes mesmo, porque azedos e rancorosos!

Esses, que aqui no vale dos comuns compram a mensagem gosmenta despejada contra o Brasil e o nosso povo pela oposição, são alimentados por setores dominantes altamente associados ao trafego internacional de drogas, aos sistema financeiro extremamente corrupto e corruptor, pelos oligopólios nacionais e internacionais tingidos de ódio e de fome de guerra, dispostos a rebentar com nosso País.

Os coitados moleques de recado aqui do vale, verdadeiros bobos feitos porta vozes dos detratores do Brasil enchem o peito para falar mal do governo, dos pobres e até do tal de comunismo, que nunca aconteceu neste planeta, a não ser no seu planeta mental delirante.

Esses coitados creem em contos da carochinha e a eles se dedicam, como a última causa de suas vidas.

Os que ameaçam e berram contra tudo e contra todos, que agem nos setores médios da sociedade, são comprados a migalhas, que lhes servem para adquirir pequenos luxos como carros, viagens, bebidas caras e futilidades. Como não leem, não debatem com profundidade e não dialogam, se enfurecem banalmente ao enganar os incautos.

A outra força catalizadora das ameaças à destruição de tudo, que reúne farto material criminoso e confuso que os moleques que não pensam nem refletem, que gritam de galos é, sem dúvidas, a crise que vivemos. Esta é inegável.

Neste final e início de semana participei de debates sobre essa crise.

As pessoas que participaram das discussões fizeram críticas sérias em relação a medidas neoliberais encaminhadas pelo governo Dilma, principalmente o arrocho fiscal e as que afrontam os direitos dos trabalhadores. Mas não vi nenhum dos participantes ameaçar o governo com golpes, com calúnias e com falta de respeito. Até mesmo porque nos ambientes onde participo não há bandidos, moleques fúteis e irresponsáveis com o Brasil.

Quer dizer: há uma crise grande que nos desafia. Disso as pessoas sérias sabem e estudam para encontrar saídas, principalmente com a participação do povo e não com ódios e com propagandas criminosas: como golpe de Estado, chamada aos militares para a violação da Constituição e com impeachment ilegal, como no Paraguai.

É na crise, como em tudo na vida, que a oposição define seu caráter. A brasileira atualmente, como defini acima, é a de mais mau caráter da história.

O oportunismo dessa oposição calcada em cima de traficantes, ladrões do Estado, vendilhões do patrimônio público, derrotados eleitoralmente e corruptos a leva a aproveitar-se da crise para tentar retornar ao poder.

Sim, essa oposição é oportunista e mau caráter. Em vez de somar-se ao País e ao povo para ajudar a solucionar a crise, fazer as críticas que devem e merecem ser feitas, a oposição se junta aos piores criminosos para propagandear o golpe e os crimes.

Com esse oportunismo os oposicionistas injetam ódio nos mal informados, despreparados e metidos a cultos.

A postura da oposição brasileira em face da crise se assemelha ao que aconteceu na Alemanha com Adolfo Hitler.

A Alemanha, depois da derrota para a Inglaterra na I Guerra Mundial, teve que pagar pesada multa àquele País, agravando a crise com desemprego e desespero das massas empobrecidas, crise essa acentuada pelo tombo de 1929 quando quebraram as bolsas do mundo inteiro.

O povo alemão, ainda magoado pela derrota a que foi submetido pela França há 15 anos, não confiava em seu governo, que considerava fraco.

Naquela situação caótica surge o aventureiro, bom orador e venenoso Adolf Hitler e seu Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, ou apenas Partido Nazista.

A vingança cresceu como sentimento cada vez mais forte por parte dos alemães. O partido nazista, chefiado por Adolf Hitler, antes sempre derrotado nas urnas, ganhou muitos votos.

O ressentimento e o ódio sem base, como no Brasil de hoje, cresciam contra comunistas, liberais , judeus e até doentes mentais, homossexuais culpando-os de desordem.

O discurso nazista apontava para a restauração do orgulho de ser alemão.

Os nazistas diziam que os alemães eram uma raça superior (ariana) e que tinham que se libertar de inferiores como os judeus.

A Alemanha já vivia na miséria e para seu o povo os nazistas ofereciam a retórica de vida melhor e a esperança de um país próspero.

Como na crise brasileira hoje, os nazistas formavam grupos de jovens para nas ruas perseguir seus inimigos.

As propagandas mentirosas, como as da Globo e da mídia dominante no Brasil de hoje, ajudaram Hitler a se transformar no "Salvador da Alemanha".

Todos sabemos no que deu o nazismo e o seu messias salvador, Adolfo Hitler, não somente para o povo alemão, mas como tragédia humana para o mundo todo.

Corremos o risco de que um messias leviano, impulsivo, irresponsável apareça e arraste as multidões à aventuras que destruam o Brasil, hoje. Alguns já falam que este pode ser o ator Joaquim Barbosa, aquele que se promoveu ensaiando peças de mau gosto no STF a serviço da Globo.

As lições históricas é de que aprendamos a não assimilar o discurso oposicionista vazio, mentiroso e golpista como os que assistimos a mídia veicular neste contexto de crise, hoje. O que essas pessoas que enviam comentários torpes e criminosos para este blog e para todos os outros não são parâmetros nem medidas para nada. Elas não sabem nada e não lideram nada. Apenas são histéricas e irresponsáveis.

Se não aprendemos as lições que a mestra história insiste em nos dar corremos o risco de nos permitir ser usados por aventureiros sempre derrotados porque odeiam o povo, como na Alemanha submersa em crises e arrastada por um louco, levou o mundo todo ao abismo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247