O Brasil viu uma espiritualidade nas ruas: dos quilombos, de paz e plural

Mauro Lopes escreve sobre a espiritualidade que emergiu das ruas neste 15 de maio, muito diferente daquela das manifestações do golpe de Estado: "Em 2015/16 afirmou-se uma espiritualidade da Casa Grande; agora, uma espiritualidade da senzala mas, mais que isso, uma espiritualidade dos quilombos, livre, altiva, alegre, celebração da vida." 

O Brasil viu uma espiritualidade nas ruas: dos quilombos, de paz e plural
O Brasil viu uma espiritualidade nas ruas: dos quilombos, de paz e plural (Foto: reprodução TV Globo)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Mauro Lopes, editor do 247 e do Jornalistas pela Democracia - O  Paz e Bem desta quinta (16)  celebra algo especial, único: nas manifestações que mobilizaram mais de 2 milhões de pessoas nesta quarta, o Brasil experimentou, vivenciou uma espiritualidade. Sim, havia uma espiritualidade proposta ao país ontem como houvera antes nas manifestações do golpe de Estado em 2015/16 -e elas são em tudo diferentes.

Que espiritualidade apresentou-se ao país ontem? Uma espiritualidade plural e de paz.

Paz - não havia ódio contra ninguém nas ruas. Por mais que Jair Bolsonaro e o ministro da Educação sejam personagens que provocam repulsa por sua desumanidade, as ruas não gritaram por sua morte; não havia bonecos que os ridicularizassem nem xingamentos como expressão corrente -essas foram marcas das manifestações da direita, em 2015-16. Tratava-se de uma causa, a defesa da educação, e não do ataque a pessoas. A polícia não estava nas ruas para proteger agressores, mas estava pronta para agredir as pessoas em paz, como de fato o fez em Porto Alegre e no Rio.

Plural - em 2015/16 desfilaram na rua as camadas médias lideradas pelos ricos; havia uniforme, as camisas amarelas da seleção brasileira, a predominância absoluta de pessoas brancas, uma única expressão religiosa, o cristianismo fundamentalista. Ontem, houve colorido; roupas de todas as cores, apesar do gosto pelo vermelho. E uma mescla de gentes que é a chance de um país que retome a trajetória dos governos do PT, baseado na aliança entre pobres e as camadas médias.

PUBLICIDADE

Vimos um retrato do Brasil, uma enorme colcha de retalhos representativa de nossa história. Havia brancas e brancos, mas os pretos e pretas e pardos eram maioria, como o são entre os pobres. Os jovens foram os principais protagonistas e líderes, com predominância do feminino enquanto em 2015-16 os homens do dinheiro, o machismo e o patriarcalismo mexia todos os cordões.

Não se manifestou uma religiosidade única, pois desfilou o país em sua diversidade, onde cabem todos e todas; nada de pai-nosso e ave-maria que, em vez de orações, foram instrumentalizados como como armas-símbolos de um projeto de hegemonia e submissão dos demais.

As ruas assistiram a um emocionante elogio ao conhecimento e à cultura, ao contrário de 2015/16, quando a arrogância das elites polarizadas pela extrema-direita gritou a ignorância e atacou a cultura e as artes.

PUBLICIDADE

Sim, foi momento de apresentar ao país o que é uma espiritualidade plural e de paz.

Em 2015/16 afirmou-se uma espiritualidade da Casa Grande; agora, uma espiritualidade da senzala mas, mais que isso, uma espiritualidade dos quilombos, livre, altiva, alegre, celebração da vida.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email