O caldo da violência continua engrossando

E enquanto o tráfico de drogas e de armas não for combatido nas suas origens, que não é a favela, a violência nunca acabará e continuará se abatendo, como sempre o foi, contra o morador inocente ou o simples usuário de droga

www.brasil247.com - Ocupação militar favela no Rio
Ocupação militar favela no Rio (Foto: Benedita da Silva)


O Datafolha publicou recentemente dados sobre o sentimento de insegurança pública no município do Rio de Janeiro, mas que infelizmente podemos projetar para quase todas as capitais do país.

A pesquisa revela que 72% dos cariocas aceitariam mudar da cidade em razão da violência.

Esse dado revela o enorme sentimento de impotência da população diante da incapacidade dos governos e de suas polícias para controlar a violência. É um dado que se completa com outros, também fruto do desespero, que mostram 82% da população apoiando a convocação das Forças Armadas, mesmo que 52% admitam que isso não vai resolver dado as experiências infrutíferas anteriores.

Outros dados do Datafolha mostram que a população carioca perdeu a confiança na polícia, instituição que, em teoria, é que deveria protegê-la.

Enquanto 67% têm medo da polícia, 89% acham que ela é corrupta. Em relação ao medo da polícia é significativo o corte de classe. Esse medo é menor para os que ganham acima de 10 salários mínimos, com o índice de 57%, mesmo assim abrangendo a maioria desse segmento socialmente privilegiado. Para os que estão na base da pirâmide social, os que ganham até 2 salários mínimos e vivem nas favelas e periferias, o índice do medo da polícia atinge 70%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dados da pesquisa levantam questões de grande alcance social e político. Como denunciamos sempre, o morador da favela e periferia pobre é um cidadão para ser contido pela polícia e não protegido por ela, como seria de se esperar pelo que determina os direitos fundamentais da Constituição. Daí o grande temor da polícia existente nesses segmentos, pois a vêm como uma força agressiva e não como força protetora ou pacificadora, como é o termo usado nas UPPs.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por sua vez, a intervenção militar, defendida pela direita golpista, é apontada como solução mágica para tudo, da mesma forma como se dizia que o impeachment ilegal de Dilma resolveria todos os problemas do país. Vimos no que deu! Por mais de uma vez o uso dos militares para combater a criminalidade tem se mostrado improdutivo. Exército não foi criado nem é treinado para combater criminalidade. Quem convoca o militar para essa função tem outros objetivos políticos e que não é o de combater a violência.

Vemos na defesa da intervenção militar para se combater a violência a indução de ideias golpistas por meios de comunicação explorando o sentimento de impotência e o desespero das populações. O autoritarismo reinante depois do golpe de 2016 impede qualquer debate minimamente democrático sobre o combate à violência e impõe à sociedade a opinião única da direita golpista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deixo aqui algumas sinalizações para esse debate. Não é com bala perdida e extermínio de jovens negros, nem com a discriminação social de quem mora nas favelas e periferias que a questão da violência será resolvida. A 7vida já mostrou que mais violência e discriminação só gera mais violência. Enquanto o morador da favela e da periferia pobre não for tratado como cidadão, conforme determina a Constituição, o caldo da violência continuará engrossando.

Enquanto os bandidos continuarem sendo visto como fonte de renda para policiais corruptos, a violência persistirá.

E enquanto o tráfico de drogas e de armas não for combatido nas suas origens, que não é a favela, a violência nunca acabará e continuará se abatendo, como sempre o foi, contra o morador inocente ou o simples usuário de droga.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email