O depoimento de Rodrigo Tacla Duran

O depoimento de Rodrigo Tacla Duran para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias na Câmara Federal não deixa dúvidas, o Poder Judiciário brasileiro está totalmente cooptado pelo golpe de 2016

O depoimento de Rodrigo Tacla Duran para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias na Câmara Federal não deixa dúvidas, o Poder Judiciário brasileiro está totalmente cooptado pelo golpe de 2016
O depoimento de Rodrigo Tacla Duran para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias na Câmara Federal não deixa dúvidas, o Poder Judiciário brasileiro está totalmente cooptado pelo golpe de 2016 (Foto: Alexandre Rangel)

O depoimento de Rodrigo Tacla Duran para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias na Câmara Federal não deixa dúvidas, o Poder Judiciário brasileiro está totalmente cooptado pelo golpe de 2016.  

Golpe capitaneado pelo Deep State norte-americano que precisa recuperar urgentemente a sua hegemonia sobre o seu antigo quintal, a America Latina. E o Brasil obviamente é peça fundamental nesse jogo da Geopolítica.

Assim, a estratégia fundamental do Deep State é tomar da maneira mais vil as riquezas de nosso país, para isso, contou com o seu títere o juiz imparcial de Curitiba, Sérgio Moro. Esse indivíduo que foi através de manobras escusas colocado no comando da tal Farsa Tarefa da não menos farsante operação cujo nome surgiu devido á uma casa de câmbio que se encontrava no andar superior de um lava-jato em Curitiba.

Como restou bem claro, no depoimento do ex-advogado da Odebrecht, a tal farsa tarefa não passa de um grupo de criminosos, torturadores e fabricantes de delações premiadas, que na verdade, estão interessados em incriminar algumas pessoas escolhidas a dedo, e com isso, extorquir os “delatores” para poderem ter acesso a uma parte do butim promovido pela pirataria Yanque contra o Brasil.

O Poder Judiciário brasileiro transformou-se em um bando de lesa-pátria que não se intimidam em assaltar a dignidade e a soberania do Brasil, colaborando de forma direta com a guerra híbrida promovida pelo Deep State dos USA não só contra o Brasil, mas, contra toda a América Latina e contra muitos outros países, em todas as regiões do mundo.

Para tanto, precisou contar é óbvio, com a elite retrógrada e baba ovo brasileira. Utilizando o PIG (Partido da Imprensa Golpista) conseguiu fazer o povo acreditar que o que estava acontecendo era o combate contra a corrupção dos políticos, principalmente os políticos petistas, e com isso, transformar o juizeco da república de Curitiba em herói.

Mas, Tacla Duran, o fura-bolha, botou abaixo o discurso do combate à corrupção e fez desmoronar as falácias tão bravamente alardeadas pelos manifestoches que vomitavam os discursos prontos do PIG. O que acontece de fato, é que toda a hierarquia do judiciário está buscando se locupletar com a vilipendiação do país, não se importando com o que acontecerá a esse povo que se tornará cada vez mais miserável, e por isso mesmo, mais bestializado, mais violento, homofóbico, misógino e preconceituoso.

O golpe de 2016 foi contra a possibilidade de o Brasil se tornar um país de destaque nas relações internacionais e na geopolítica mundial. Lula que bateu de frente contra o império do norte, que afrontou a criação da ALCA, dizendo para o Sr. George W. Bush que o Brasil não mais viraria as costas para a América Latina, para a África, para o Oriente Médio, próximo e distante. O Brasil não iria continuar sendo o capacho do império.

Lula então, reforçou o Mercosul, criou a UNASUL, foi um dos principais idealizadores do BRICS, isso tudo era uma afronta, um desafio direto contra a hegemonia norte-americana, inclusive, uma afronta contra a moeda do império, o Dólar. Lula criou os meios para que o Brasil pudesse se integrar com o mundo e não só a integração econômica, mas também, a integração cultural, política e social. E essa integração não ocorreu apenas externamente, mas, principalmente internamente. O país e o povo estavam congraçados, havia de fato um sentimento de orgulho e de pertencimento. Era bom ser brasileiro.

Lula transformou-se em um líder tão expressivo, que levou Barack Obama, o líder visível do império do norte, a dizer: He is the man, He is the man. Esse é o cara!! Mas isso, já era a forma de se apontar para o Deep State (o beijo de Judas) quem era o “cara” a ser derrubado a qualquer custo.

Assim, a farsa a jato, bateu de todas as formas em Lula, até que conseguiu encarcerá-lo nas torres de Curitiba para impedir que Lula possa voltar à presidência e retomar toda a pujança e soberania do país, possibilitando a volta daquelas situações que confrontaram a hegemonia do império e a reintegração multilateral do Brasil.

Agora, apesar de todas as conquistas, de todo o protagonismo de Lula no Brasil e no mundo, ele continua morando no mesmo lugar em que vive já há mais de 25 anos. O tal “muquiplex” ou “cafofoplex”, ou ainda, três minha casa - minha vida construídos um em cima do outro, não é e nunca foi de Lula, a tal reforma bilionária, como demonstrou o MTST, nunca ocorreu, as notas fiscais da “reforma” são de empresas curitibanas. Mas, como ia dizendo Lula continua morando lá em São Bernardo do Campo, no ABC paulista onde tudo começou para ele. Lá nos anos 70 e 80 o líder sindical iniciou a caminhada que o levaria a se tornar o melhor presidente que esse país já teve, e que talvez jamais venha a ter.

Lá em São BerLondres (os que sabem, saberão) o que está em meu imaginário (sim eu também sou de lá) é que na minha infância, adolescência e boa parte de minha vida adulta, eu vivenciei as greves na porta das fábricas, as assembleias na Vila Euclides (estádio), as bombas e os cavalos na praça da Matriz, e em todos esses momentos lá estava LULA e com ele Vicentinho, Meneguelli, Suplicy, Dirceu, Genoíno, Dutra, Djalma Bom, Airton Soares, Expedito Soares, Irma Passoni e tantos outros. O metalúrgico que presidiu o sindicato dos metalúrgicos do ABC e que até hoje traz na sua formação HUMANA aqueles momentos de união, de força e de grandeza do povo, que ele tanto ama, e que o ama tanto.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247