O direito à vida é um direito democrático

As políticas sociais dos governos Lula e Dilma, reforçadas pelas políticas de cotas e de promoção dos direitos da igualdade racial e de gênero, conseguiram atenuar substancialmente os efeitos mais perversos da luta pela vida que a base popular é obrigada a enfrentar. Mas o inacreditável retrocesso social imposto pelo golpe revigorou a luta pela vida, que volta a ser uma necessidade imediata de grande parte do povo brasileiro

www.brasil247.com - Jovens grafiteiros do DF criam um painel com o tema Juventude Negra e a Paz, em comemoração ao Dia Internacional da Juventude, nos muros do Complexo Sergio Vieira de Mello, na Casa da ONU (José Cruz/Agência Brasil)
Jovens grafiteiros do DF criam um painel com o tema Juventude Negra e a Paz, em comemoração ao Dia Internacional da Juventude, nos muros do Complexo Sergio Vieira de Mello, na Casa da ONU (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Benedita da Silva)


Em decorrência do caráter excludente do capitalismo brasileiro, associado ao autoritarismo, racismo, machismo e à violência irrestrita contra os oprimidos, a luta de classes assume formas dramáticas e muito abrangentes. A sua amplitude, dada pelo esmagamento social da grande maioria do povo, vai das lutas contra a exploração do trabalhador, discriminação racial e sexual até a luta pela vida.

As políticas sociais dos governos Lula e Dilma, reforçadas pelas políticas de cotas e de promoção dos direitos da igualdade racial e de gênero, conseguiram atenuar substancialmente os efeitos mais perversos da luta pela vida que a base popular é obrigada a enfrentar. Mas o inacreditável retrocesso social imposto pelo golpe contra a presidenta eleita Dilma Rousseff revigorou a luta pela vida, que volta a ser uma necessidade imediata de grande parte do povo brasileiro. Ela se apresenta como a luta desesperada em que os excluídos têm de enfrentar, tanto a "morte matada" quanto a "morte morrida".

A primeira, pelo extermínio étnico, de negros e indígenas, em especial da juventude negra das comunidades e periferias; pelos assassinatos impunes de trabalhadores rurais e de seus líderes.

A segunda, em consequência do descaso absoluto do governo com a proteção social, produzindo novamente a elevação da mortalidade infantil, a volta da fome e desnutrição, o precário atendimento médico e o abandono dos idosos à sua própria sorte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A insegurança permanente das populações de baixa renda é também parte do que chamamos "morte morrida". São as tais "balas perdidas", que surgem sempre das desastradas intervenções policiais nas comunidades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na defesa da vida, a luta de classes assume profundas dimensões humanas que ultrapassam seus limites estritamente sociais. Trata-se da luta contra a face cruel do capitalismo no Brasil, contra a barbárie que ele representa quando deixa de existir os limites e controles democráticos. A naturalização da violência contra negro e pobre é tão grande que a sociedade fica indiferente à matança do dia a dia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o Mapa da Violência de 2017, do IPEA, "a tragédia diária, nos últimos anos, atingiu contornos inimagináveis: apenas em três semanas são assassinadas no Brasil mais pessoas do que o total de mortos em todos os ataques terroristas no mundo, nos cinco primeiros meses de 2017, que envolveram 498 atentados e resultou em 3.314 vítimas fatais".

O desenvolvimento histórico mostra que o progresso social se dá em meio a derrotas e retrocessos temporários. Depois que superamos a longa noite da ditadura militar e conquistamos a Constituição Cidadã, com base na qual Lula e Dilma realizaram uma das maiores inclusões sociais da história mundial, voltamos a sofrer novo retrocesso e derrota da democracia. E sempre que a democracia é esmagada, a luta pela vida se recrudesce nas esquecidas áreas populares.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o povo, portanto, democracia é muito mais do que o direito de votar, é o direito à vida. Por isso, por mais poder que tenham as elites econômicas e políticas, por maior que seja o controle da opinião pública feito pela mídia, a luta pela vida das classes populares sempre fará ressurgir das cinzas o ideal democrático de igualdade social.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email